Pular para o conteúdo principal

Revolução Constitucionalista

 

O 9 de julho marca o início da Revolução Constitucionalista, uma revolta que São Paulo organizou contra o governo de Getúlio Vargas, 1930-1945. Os paulistas queriam uma nova Constituição para o país, o que Vargas não admitia. A data é feriado estadual desde 1997, quando Mário Covas, 1930-2001, então governador, assinou o projeto de lei 9497.

Quando eclodiu o movimento revolucionário, os paulistas acreditavam possuir o apoio de outros estados, notadamente Minas Gerais, Rio Grande do Sul, e do sul de Mato Grosso, para a derrubada de Getúlio Vargas.

Pedro de Toledo, que ganhara forte apoio dos paulistas, foi proclamado governador de São Paulo, e foi o comandante civil da revolução constitucionalista.

Foi lançada uma proclamação da ‘Junta Revolucionária’ conclamando os paulistas a lutarem contra a ditadura. Formavam a Junta Revolucionária Francisco Morato do Partido Democrático, Antônio de Pádua Sales do PRP, e os generais Bertoldo Klinger e Isidoro Dias Lopes. O general Euclides Figueiredo assumiu a 2º Região Militar. 


 

Alistaram-se 200.000 voluntários, sendo que se estima que, destes, 60.000 combateram nas fileiras do exército constitucionalista.

No estado de São Paulo, a Revolução de 1932 contou com um grande contingente de voluntários civis e militares, e o apoio de políticos de outros estados, antigos apoiadores da Revolução de 1930, como, no Rio Grande do Sul, Raul Pilla, Borges de Medeiros, João Batista Luzardo, Glicério Alves e João Neves da Fontoura, entre outros, que formaram a Frente Única Rio-Grandense, e que tentaram fazer uma revolta mas foram capturados (salvo Batista Luzardo, que conseguiu fugir), e exilados pelo interventor gaúcho.

No atual Mato Grosso do Sul foi formado um estado independente que se chamou Estado de Maracaju, que apoiou São Paulo.

Em Minas Gerais, a revolução de 1932 obteve o apoio do ex-presidente Artur Bernardes, que terminou também exilado.

São Paulo esperava a adesão do interventor do Rio Grande do Sul, o estado mais bem armado, mas este, na última hora, decidiu enviar tropas não para apoiar São Paulo, mas para combater os paulistas.

Quando se inicia o levante, uma multidão sai às ruas em apoio. Tropas paulistas são enviadas para os fronts em todo o estado. Mas as tropas federais são mais numerosas e bem-equipadas. Aviões são usados para bombardear cidades do interior paulista. Quarenta mil homens de São Paulo enfrentam um contingente de cem mil soldados.

Os planos paulistas previam um rápido e fulminante movimento em direção ao Rio de Janeiro pelo vale do Paraíba, com a retaguarda assegurada pelo apoio que seria dado pelos outros estados.

Porém, com a não adesão dos outros estados, o plano imaginado por São Paulo não se concretizou: Rio Grande do Sul e Minas Gerais foram compelidos por Getúlio Vargas a se manterem ao seu lado, e a publicidade de pretensão separatista do movimento levou São Paulo a se ver sozinho, com o apoio de apenas algumas tropas mato-grossenses, contra o restante do Brasil.

Comandadas por Pedro de Toledo, aclamado governador revolucionário, e pelo general Bertoldo Klinger, as tropas paulistas se viram lutando em três grandes frentes: o vale do Paraíba, o Sul e Leste Paulista. O estado de São Paulo, apesar de contar com mais de quarenta mil soldados, estava em desvantagem, pois, se encontrava num grande cerco militar. 

 

Túnel ferroviário que guarda marcas da revolução de 32

Hoje abrigando um roteiro ferroviário turístico, a região do túnel de 998 metros de extensão que separa São Paulo de Minas Gerais, um dos locais relevantes na Revolução Constitucionalista de 1932, até hoje guarda marcas dos confrontos registrados naquele ano.

A revolução, que completa 89 anos neste 9 de julho de 2021, teve no local uma sangrenta batalha entre as tropas federais e as forças paulistas que fizeram com que, quase um século depois, nas paredes do túnel ainda são visíveis marcas de tiros e estilhaços.

Relatos de pesquisadores apontam milhares de mortes de combatentes no local, inclusive a do tenente-coronel Fulgêncio de Souza Santos, comandante do 7º Batalhão da Força Pública de Minas Gerais. 


           Túnel ferroviário entre SP e MG, que marcou confrontos na revolução de 32

Os registros indicam que ele morreu perto do túnel quando tropas de São Paulo tentaram invadir Passa Quatro, cidade mineira que faz divisa com a paulista Cruzeiro. Os paulistas chegaram a invadir Passa Quatro, e conseguiram explodir uma ponte ferroviária em solo mineiro, apontam registros da Câmara do município.

O túnel entre os dois estados era altamente estratégico para a revolução e mostra, também, a importância que o sistema ferroviário tinha naquele momento para o país.

Primeiro, e óbvio, o trem era o meio utilizado para o transporte de tropas para as regiões de batalhas, mas ele também serviu como obstáculo de combate. Ao menos uma locomotiva foi estacionada no lado paulista do túnel como forma de impedir o avanço de tropas rivais.

À época, a estação mineira logo após a divisa entre os estados era chamada de Túnel; mas, a morte de Fulgêncio fez com que a estação passasse a ser denominada Coronel Fulgêncio.

Inaugurada em 1884, a estação foi utilizada até o começo da década de 1970 e, depois, ficou abandonada até 2004, quando a ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária) a assumiu, e iniciou sua restauração. No período, em meio ao mato alto que dominava o local, foram encontradas cápsulas e objetos supostamente utilizados no período da revolução.

Embora a estação não tivesse utilidade para passageiros desde o seu fechamento até 1991, seus trilhos recebiam os trens que operavam no ramal ferroviário entre Cruzeiro e Três Corações- MG.

Hoje, funciona no local o Trem da Serra da Mantiqueira, que parte da estação central de Passa Quatro, que pertenceu à ferrovia Rio-Minas, passa pela estação Manacá, em operação desde 1931, e vai até Coronel Fulgêncio, num percurso total de 20 quilômetros (ida e volta), no alto da serra.

A estação Manacá também foi utilizada como base das tropas federais na revolução de 1932.

Além de Cruzeiro-Passa Quatro, os trens também foram significativos no transporte de tropas para a divisa entre Rifaina-SP e Sacramento-MG.

Passa Quatro tem uma série de bens ferroviários que integram a lista de patrimônios culturais ferroviários do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), mas o túnel não está nessa relação.

São declaradas de valor histórico as estações ferroviárias Passa Quatro, Coronel Fulgêncio e Manacá, três terrenos das estações, um depósito de materiais e uma residência de empregados.

O Conselho de Patrimônio Histórico e Cultural de Passa Quatro chegou a criar uma campanha pelo tombamento do túnel, ainda sem resultado até aqui.

O túnel, que hoje é usado por turistas e grupos de ciclistas e motociclistas, pode no futuro voltar a ser utilizado como interligação ferroviária entre os dois estados.

A ABPF está trabalhando na restauração do trecho de 25 quilômetros entre Cruzeiro e o túnel, o que inclui desenterrar trilhos na cidade paulista e colocar novos dormentes e trilhos onde eles não existem mais.

Não há prazo para a conclusão dos trabalhos. O objetivo, porém, é ampliar a rota dos atuais 10 quilômetros existentes na cidade mineira para 35 quilômetros.

 


Cronologia da Revolução

3.out.1930 - É deflagrado o movimento que levou o gaúcho Getúlio Vargas ao poder. Ele assume um governo provisório depondo Washington Luís da Presidência da República

17.fev.1932 - Os grandes partidos de São Paulo criam a Frente Única Paulista, que exigia nova Constituição para o país

23.mai - Quatro estudantes são mortos durante um protesto contra Vargas em São Paulo; de suas iniciais surge a sigla MMDC

9.jul - Militares antecipam a deflagração da mobilização, marcada para 14 de julho, pegando aliados de surpresa

22.ago - Primeiro combate aéreo no país, em Cruzeiro: dois aviões paulistas enfrentam dois aviões federais

12.set - O governo ocupa o porto de Santos, sob bloqueio desde o início da revolta, mas os combates seguem até dia 24

2.out - As tropas paulistas se rendem ao governo Vargas; líderes do movimento vão para o exílio

3.mai.1933 - São realizadas eleições no país para a escolha da Assembleia Nacional Constituinte, demanda dos paulistas.

 

Obelisco Mausoléu aos Heróis de 32, também conhecido como Obelisco do Ibirapuera ou Obelisco de São Paulo. Foto de Francisco Vidal de Castro

  

Obelisco do Ibirapuera

Obelisco do Ibirapuera é um monumento projetado pelo escultor ítalo-brasileiro Galileo Ugo Emendabili. Foi construído em puro mármore travertino pelo engenheiro alemão Ulrich Edler. Tem como finalidade homenagear e servir como mausoléu aos Heróis de 32.

Foi inaugurado em 9 de Julho de 1955, um ano após a inauguração do Parque do Ibirapuera, no IV Centenário de São Paulo. Guarda na cripta, em seu subsolo, os restos mortais de combatentes, e dos quatro jovens mortos em 23 de Maio de 1932: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, que deram origem à sigla MMDC.

 

 

O monumento tem 72 metros de altura. A soma dos números (7+2) igual a 9, assim como são 9 os degraus de sua entrada. O gramado ao redor tem o formato de um coração, e tem 1932 metros quadrados. O Obelisco simboliza uma espada, enfincada no coração paulista.

 

Em suas 4 faces foram esculpidas representações militares, e a inscrição: 

‘Aos épicos de julho de 32, que, fiéis cumpridores da sagrada promessa feita a seus maiores - os que moveram as terras e as gentes por sua força e fé - na lei puseram sua força, e em São Paulo sua Fé.’ 

E na entrada uma outra marcante inscrição: 

‘Viveram pouco para morrer bem. Morreram jovens para viver sempre.’

 


 

Fonte: Marcelo Toledo, Sobre Trilhos FSP | Memórias Paulistas

 

(JA, Jul21)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,