Pular para o conteúdo principal

Bandeirantes

Uma estátua a mais ou a menos não muda nada na vida de uma cidade. No entanto, a discussão acerca de quais estátuas derrubar nos diz muito sobre como nos vemos e como queremos ser.

As homenagens aos bandeirantes —como a estátua do Borba Gato, incendiada no sábado (25) — estão por toda a parte em São Paulo e em outros estados. Nesses casos, é comum defender figuras do passado alegando que, em sua época, a moral era outra. Qual imperador romano não seria, com razão, visto como um monstro pelos padrões de hoje? No caso dos bandeirantes, contudo, a coisa é ainda mais complicada.

Os bandeirantes, também chamados de ‘mamelucos’ (pela mistura racial) ou simplesmente de ‘paulistas’, eram malvistos por muitos em seu próprio tempo.

Verdadeiros demônios para os jesuítas e para os indígenas que viviam em missões, considerados ‘gente bárbara, indômita e que vive do que rouba’, segundo um governador de Pernambuco, falando do bando de Domingos Jorge Velho, excomungados pela Igreja e de relacionamento difícil com a Coroa.

Eram o horror do mundo civilizado e da moral cristã. Em busca de escravos e metais preciosos, capturaram e mataram muita gente.

Foram também eles que desbravaram matas e sertões, fundaram cidades, ergueram igrejas e ajudaram a desbravar e conquistar o atual território brasileiro. É graças a eles que não somos uma fina nação costeira, e que nos estendemos muito além da linha de Tordesilhas. Bons ou maus, devemos muito a esses homens que se lançavam na mata por meses, sem saber se iriam voltar.

Os bandeirantes eram escravagistas, dentro de um mundo escravagista, no qual a defesa da abolição universal era a exceção da exceção, mesmo entre negros ou indígenas.

A própria categoria ‘indígena’ mais esconde do que revela, assim como o nome ‘europeu’. Havia europeus que se odiavam e guerreavam até a morte —como portugueses e holandeses aqui no Brasil, aliando-se a diferentes grupos indígenas. Os bandeirantes, quando não mamelucos eles próprios, iam acompanhados de milhares de indígenas aliados. Falavam mais língua geral do que português. No caso de Borba Gato, chegou mesmo a viver entre os índios por quase duas décadas.

Os grandes feitos da política, da guerra, da ciência ou da inteligência, nem sempre —ou talvez quase nunca? — vêm acompanhados de perfeita correção moral. A negação moralista da história, apaga tudo que não é clara e inequivocamente bom. A mesma lógica se faz valer em vozes da direita que querem apagar qualquer homenagem a Lênin, Che Guevara, Marx, os revolucionários franceses etc., ou a insistência de alguns liberais em apagar homenagens a Getúlio Vargas.

E se, ao invés de destruir, pensássemos em criar? Em Montgomery, Alabama, uma solução criativa está sendo implementada. Próximo à estátua de J. Marion Sims, pioneiro da cirurgia ginecológica, mas que realizou procedimentos experimentais em escravas sem o uso de anestesia, serão erguidos monumentos a três de suas vítimas cujos nomes foram registrados: Anarcha, Betsey e Lucie. Quantas figuras admiráveis, como o ex-escravo e abolicionista Luiz Gama, não permanecem esquecidos pela memória popular?

Erguer novas estátuas é mais importante do que derrubar velhas!

Considerações 

¡   Os bandeirantes não eram ‘colonizadores’, eram nativos da terra que sequer falavam português, só a língua geral (derivada do tupi). Quase todos os caboclos, ou indígenas (como o Cacique Tibiriçá, líder bandeirante), que eram frequentemente reprimidos pelos portugueses, sendo um dos episódios mais dramáticos a Guerra dos Emboabas, em que a Coroa portuguesa destruiu os bandeirantes para se apossar das minas de ouro e diamantes descobertas por eles, e poder pagar suas dívidas com a Inglaterra. 

¡   Os bandeirantes não eram ‘genocidas’, simplesmente para entrar no interior tinham que tomar parte nos confrontos sanguinários, e até mesmo canibais que existiam desde antes de 1500 entre tribos indígenas rivais. Não havia STF, ONU e Tribunal Internacional de Haia na época, os conflitos só podiam ser resolvidos na flecha e na bala. 

¡  Os bandeirantes não estavam a serviço da Igreja Católica para catequizar indígenas; muito pelo contrário, eram quase todos pagãos, e entraram muitas vezes em choque contra os jesuítas, principalmente no sul, onde os jesuítas eram mais ligados à Espanha, ainda que no norte, onde eram mais ligados a Portugal, alguns jesuítas tenham aderido às bandeiras. 

¡  Os bandeirantes não eram latifundiários, nem trabalhavam para senhores de engenho, pelo contrário, se fossem seriam sedentários e não se aventurariam pelo interior, ocupando-o com a policultura de subsistência. 

¡  Domingos Jorge Velho de fato reprimiu o quilombo dos Palmares. Contudo, quem enfrentou e matou os quilombolas, muitos dos quais indígenas, foram os próprios indígenas bandeirantes. A maior parte da repressão ao quilombo do Palmares não foi do branco malvadão de olhos azuis, contra os pretos coitadinhos, mas índio matando índio, movidos por rivalidades tribais. 

¡  Borba Gato não fazia parte das bandeiras de apresamento, mas de mineração. Foragido por matar um português, viveu décadas entre os índios, sendo por eles aclamado como líder. 

Mapa do Brasil em 1709 

¡  Os ‘paulistas’, como eram chamados os bandeirantes, não eram apenas os nascidos onde hoje é o estado de SP, pois a capitania de São Paulo, até o início do século 18, abarcava também onde hoje são MG, PR, GO, MT, MS, TO e RO. Todos os nascidos nessas regiões, de ocupação bandeirante, eram paulistas. 

¡   O sertanejo nordestino é descendente dos bandeirantes, que ocupou o interior do nordeste com o tipo mameluco, predominante no planalto paulista da época. O matuto e o sertanejo vêm da mesma raiz bandeirante. Logo, não faz o menor sentido contrapor nordestino ao paulista. 

¡   A primeira experiência de democracia representativa no Brasil foi a eleição para a câmara de Cuiabá, no século 18, uma cidade bandeirante. 

¡  Quem nacionalizou a imagem positiva dos bandeirantes não foi a oligarquia paulista, mas Getúlio Vargas, o maior inimigo dela. Ele exaltava os bandeirantes em discursos, panfletos, e nos currículos escolares, além de ter criado o Museu das Bandeiras.

A oligarquia paulista, ao contrário, sempre desdenhou dos bandeirantes, homens rudes e voltados para dentro do país, indiferentes, e até mesmo hostis aos modismos estrangeiros (quando ajudaram a expulsar holandeses e ingleses do Brasil) tão ao gosto da oligarquia paulista. A mídia liberal paulista, inclusive, é uma das que mais se empenham hoje em desconstruir a memória bandeirantista.


 

Fonte: Joel Pinheiro da Fonseca, FSP | Felipe Quintas, Um Pouco de História 

 

(JA, Jul21)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,