Pular para o conteúdo principal

Cringe mania

 Favor sair da frente, que o novo sempre vem


A recente comoção com a palavra cringe levanta o tema do envelhecimento e não dá para ignorar o espanto causado pelo pequeno intervalo de idade entre quem está sendo zoado e quem zoa. Quando a geração Z (dos nascidos entre 1995 e 2010) passa a ridicularizar os millennials (nascidos entre 1980 e 1994), ela transforma pessoas na casa dos 20 anos em ex-jovens, dando margem a deliciosos memes e piadas. É claro que o maior prazer vem das gerações anteriores a 1980, que se sentem vingadas.

Entretanto, a interpretação do termo vai muito além da querela entre geração Z e millennials.

É comum as pessoas se sentirem ameaçadas pela forma como as novas gerações passam a desprezá-las. Envelhecimento é uma carta que só chega ao seu destino tarde demais e nem todo mundo abre. Por isso, a famosa crise dos 30 anos dá lugar à dos 40, dos 50 e assim sucessivamente. Se você puxar pela memória, no entanto, verá que mesmo crianças lamentam o fim da infância.

A forma como perseguimos uma certa imagem de nós mesmos acaba por impedir que nos movimentemos sem constrangimento. Afinal, queremos corresponder à consistência de uma foto, com seus retoques e melhores ângulos. Abriu a boca, se mexeu, e o risco de passar vergonha, e ser ridicularizado, começa a valer.

Podemos simplesmente nos constranger e rir ou —como habitual— passar a constranger os outros para nos safar. As disputas aqui são muitas, e encontram as mais diferentes artimanhas.

A youtuber Contrapoints, em vídeo longo e ultra didático, faz questão de propor uma análise ‘psicanalítica’ da palavra, embora faça uso de vasta terminologia psicológica —tem até colinha no final.

O vexame que alguns adultos dão, sem perceber, quando se põem a disputar lugares com os mais jovens, vai do risível ao tétrico. E revela a forma como não são capazes de suportar o lugar de rebotalho, como Lacan chamava o lugar do analista. A disputa por prestígio dá margem a mais críticas, cara de enfado, e olhos revirados, criando um ciclo patético. Insisto que o rir de si é, disparado, o melhor remédio.

Como diz o ditado popular ‘quem desdenha quer comprar’, ou seja, algo naquele que desprezo me interessa. Pode ser de uma forma sádica ou empática, mas, certamente, não indiferente.

Se juntarmos as duas questões, veremos que nunca foi tão difícil assumir a passagem do tempo, em uma cultura na qual as redes sociais funcionam como retratos de Dorian Gray. Lá estamos sempre lindos, congelados no tempo, mesmo que à base de muito Photoshop. Mas, quando saímos para encontrar o bofe, ao vivo e em cores, o que deveria ser retrato, revela-se assustadoramente real. Essa é uma das hipóteses que justificaria o desinteresse dos mais jovens pelos encontros sexuais, mesmo antes da pandemia.

O tema é curioso, ainda mais quando sabemos que, a partir de 2022, a velhice será considerada doença pela Organização Mundial de Saúde —o gene que a desencadeia vem sendo pesquisado obstinadamente por cientistas de Harvard. Se a velhice for doença, poderá ser erradicada, tornando a imortalidade o novo produto na prateleira capitalista, que os despossuídos jamais alcançarão.

Se serve de consolo, a imagem de Elon Musk levando milionários imortais para viver nos subterrâneos de Marte, faz o inferno de Dante Alighieri parecer a Disneylândia.

Sugiro sairmos com graça e dignidade, quando nossa vez chegar.

 

 


Imagem em destaque: Pato Donald traduzido no Brasil nos anos 50, extremamente popular nos anos seguintes, ria ‘quá, quá, quá’

Fonte: Vera Iaconelli, Diretora do Instituto Gerar de Psicanálise, autora de ‘O Mal-estar na Maternidade’ e ‘Criar Filhos no Século XXI’. É doutora em psicologia pela USP | FSP


(JA, Jun21)

 


 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,