Pular para o conteúdo principal

Kafka e a Boneca Viajante

        

Aos 40 anos, Franz Kafka, 1883-1924,  que nunca se casou e não tinha filhos, viveu uma experiência singular. Passeando pelo parque de Steglitz, em Berlim, encontrou uma menina chorando porque havia perdido sua boneca, Brígida. Ela e Kafka procuraram a boneca sem sucesso.

Kafka disse-lhe para se encontrarem lá no dia seguinte, para eles continuarem a busca. 


 

No dia seguinte, continuaram não encontrando a boneca, e Kafka deu à garota uma carta ‘escrita pela boneca’ que dizia:

‘Por favor, não chores. Fiz uma viagem para ver o mundo. Vou te escrever sobre as minhas aventuras’.

Então, começou uma história que continuou até o fim da vida de Kafka.

Durante os encontros, Kafka lia as cartas da boneca, cuidadosamente escritas com aventuras, e conversas, que a garota achava adoráveis.

 

Finalmente, Kafka, retornando a Berlim, trouxe-lhe a boneca (comprou uma).

- ‘Não se parece nada com a minha boneca’, disse a garota.

Kafka entregou-lhe outra carta na qual a boneca escrevia: ‘Minhas viagens, mudaram-me’.

A garota abraçou a nova boneca, e a levou toda feliz para casa.

Um ano depois, Kafka morreu.

Muitos anos depois, a garota adulta encontrou uma cartinha dentro da boneca. A pequena carta, assinada por Kafka, dizia:

‘Tudo o que você AMA provavelmente será perdido, mas no final, o AMOR voltará de outra forma’. 


Durante anos, Klaus Wagenbach, um estudioso de Kafka, procurou a menina pela região próxima ao parque. Investigou com os vizinhos, colocou anúncio nos jornais, mas nunca conseguiu encontrar a pista da menina, ou dos originais das cartas. 

Segundo Dora Dymant, sua última companheira, Kafka se envolveu com tanta seriedade na tarefa de consolar a pequena Elsi, como se escrevesse mais um de seus romances ou contos que nunca foram publicados em vida.

Toda essa inusitada situação, verdadeira ou não, acabou inspirando Jordi Sierra a escrever um livro, e inventar as supostas cartas, criando desta forma um final imaginário para esta estranha e bela história.

O livro é dividido em quatro partes:

o    Primeira ilusão: a boneca perdida – quando Kafka encontra a menina chorando no parque;

o     Segunda fantasia: as cartas de Brígida – quando se torna o carteiro de bonecas, e passa a escrever as cartas da então boneca perdida, que se tornou viajante;

o    Terceira ilusão: o longo percurso da boneca viajante – quando começam as cartas de despedida da boneca;

o    Quarto sorriso: o presente – quando há a aceitação, e superação, da perda.


‘Quanto a mim, permiti-me a transgressão: inventar essas cartas, terminar a história, dar-lhe um final imaginário. Pode ter sido este ou outro qualquer, não acho que seja muito importante. O que aconteceu é tão belo em si mesmo, que o resto carece de importância. A única coisa evidente é que aquelas cartas devem ter sido mais lúcidas que as recriadas por mim’, Declara Jorri Sierra I Fabra, no final do livro ‘Kafka e a Boneca Viajante’. 








Base: Livro ‘Kafka e a Boneca Viajante’,  de Jorri Sierra i Fabra, publicação Editora Martins Fontes, 2008.

 

Fonte: Revista Prosa e Arte

Ilustrações:  Pep Montserrat

 

(JA, Set20)

 



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,