Pular para o conteúdo principal

Alienação Histórica

 

Nossas lembranças, o que vivemos, sofremos, curtimos, aprendemos,..., formam um conjunto único, que resulta naquilo que somos.

Tudo tem validade, independentemente do tempo passado, das nossas experiências posteriores, mudanças pensamento, etc. Tudo foi genuíno na época em que ocorreu, e,  como tal, teve e tem  importância.

Vivemos numa época de revisionismos – tal livro minimiza determinada raça; tal teoria é colonialista, ofensiva; essa figura era escravocrata;  etc.  Pode até ser. Entretanto, na época em que foram criados ou existiram, representavam a maneira de pensar da sociedade de então, e tiveram seu valor.  O que mudou? Nossa sociedade evoluiu, certamente, mas está se auto enganando, quem procura racionalizar, ignorar, teorias e atitudes históricas, que hoje não estão alinhadas ao padrão comportamental vigente. .

A eugenização da nossa história, escolhendo o que pode ficar, e o que não, é irreal, mentirosa. 

Um amigo que falhou na hora em que você mais precisou; um amor que por isso ou por aquilo se desfez; alguém que te enganou, ou causou prejuízo, causou mágoa;... Todos fazem parte, inexoravelmente, da nossa vida.  Não há como apagar, eliminar, o que foi ruim, para nos sentirmos melhor.

Suprimindo tais memórias, nos tornamos seres incompletos. Perdemos a experiência adquirida, deixamos de valorizar/depreciar conhecimentos, fatos, coisas, e pessoas.

Somos o que vivemos, com os erros e acertos; com o que nos fez feliz e com o que doeu. Só nos aprimoramos revendo o que foi doloroso, e o que nos causou alegria. Só é possível viver sendo inteiro, e não removendo o passado que machuca, porque, sem ele, não somos nós.

O mesmo se dá com a história da humanidade. Tirando a colonização, tiramos toda a história que se seguiu; tirando a escravidão, apagamos todos os que dela descendem, e as ignomínias praticadas contra aqueles seres humanos. Apagando Nazismo, Fascismo, o Comunismo, e tudo o que esses movimentos representaram ou representam, caímos no risco de cometer os mesmos erros, tantos e tão bárbaros.

Um mundo sem memória não é só triste - como uma pessoa com Alzheimer, que muitos de nós já tivemos a oportunidade conhecer/conviver. É um mundo perigoso, sem evolução, fragmentado, enfim, um mundo artificial.

Infelizmente, considerando o moralismo excludente que vem tomando conta de nossa sociedade, se não tivermos atitude para impedir a alienação de alguns fatos e figuras da nossa história, hoje considerados impróprios, provavelmente será num mundo assim - limitante e artificial, que viverão nossos filhos e seus descendentes.

 

(JA, Set20)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,