Pular para o conteúdo principal

'Terrivelmente' cristãos




Há governantes que gostam de impor seu poder pelo medo


‘The Creation of the Heavens’, 1508-12 (detail)    -^-    Michelangelo Buonarroti, Capela Sistina, Vaticano, Roma-IT

No começo deste ano, ao assumir a pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves declarou que o Estado podia ser laico, mas ela era ‘terrivelmente cristã’.

Jair Bolsonaro gostou da expressão e, em julho, durante um culto evangélico, disse que ele pretendia nomear, para o Supremo Tribunal Federal , um juiz ‘terrivelmente evangélico’.

Há governantes que gostam de impor seu poder pelo medo. Mas será que há cristãos que querem mesmo ser medonhos?

Muitos cristãos sentirão repulsa diante da ideia de afirmar a sua fé pelo medo que poderiam incutir nos outros. Entendo, mas o cristianismo ‘terrível’ não é uma invenção de Damares e Bolsonaro.

Os cristãos, os judeus e os islamitas são exclusivistas, ou seja, adotam o Antigo Testamento, no qual Deus proclama: não terás outros deuses além de mim.

Agora, o judaísmo não se tornou missionário por isso. A ideia é: meu Deus é o único verdadeiro, os outros podem acreditar no que quiserem —eventualmente, veremos no fim quem tinha razão.

O cristianismo, ao contrário, tornou-se imediatamente missionário, como se a ideia de que só nosso Deus é o verdadeiro acarretasse o dever moral de convertermos a todos os que veneravam outros deuses. O Islã tomou um caminho parecido, com a consequência que as duas religiões parecem estar em guerra até hoje.

Duas observações:

1.  É sempre sábio desconfiar dos que querem nosso bem —quer estejam vestidos de cruzados, de comunistas ou de pastores.

2.   O caso dos judeus mostra que a crença que nosso Deus seja o único verdadeiro, não nos dá necessariamente o dever e o direito de convertermos o mundo a ferro e fogo.

O cristianismo atribuiu a si uma vocação missionária universal ao lutar para se tornar religião oficial do Império Romano. Mas essa circunstância não explica por qual razão interna (e não só de expansão pelo mundo) os cristãos se tornaram logo ‘terríveis’. Por que precisaram que todos os outros adotassem as suas crenças e as suas regras de comportamento?

Talvez haja, nos anseios missionários, uma vontade de fazer o bem. É possível. Mas os anseios missionários, sobretudo quando se tornam impositivos e violentos, mal escondem a boçalidade. O que é a boçalidade? Nenhum cristão consegue controlar seus desejos “pecaminosos” e as dúvidas de sua fé.

Quanto mais os desejos e as dúvidas o pressionam, tanto mais ele se torna boçal, ou seja, tenta reprimir nos outros tudo o que ele não consegue reprimir nele mesmo.

A boçalidade cristã tem uma longa história, que, aliás, deveria ser contada nas salas de aula (isso, se as aulas não fossem lugares de doutrinação cristã e boçal, justamente). Durante o primeiro milênio, a boçalidade se encarregou de exterminar e apagar um outro cristianismo, menos ou nada boçal, que poderia ainda ser o nosso (para começar, veja M. Onfray, ‘O Cristianismo Hedonista’, ed. Martins Fontes).

No mesmo período, a boçalidade também destruiu a cultura clássica greco-romana (veja C. Nixey, ‘A Chegada das Trevas - Como os Cristãos Destruíram o Mundo Clássico’, ed. Desassossego).

E a boçalidade vingou quando, na Renascença, a razão começou a semear dúvidas. Será que a terra é plana ou redonda? Será que está mesmo ao centro do universo? Os boçais foram deveras ‘terríveis’:

Para afastar as dúvidas que surgiam neles mesmos, eles se puseram a queimar bruxas e hereges’.

A ministra Damares se preocupou recentemente com a possibilidade de que uma feminista se masturbasse com um crucifixo.

Há 400 anos, numa praça de Toulouse, um jovem filósofo, Giulio Cesare Vanini, foi executado por pensar que há leis da natureza e que talvez haja evolução das espécies. Antes de ser estrangulado e queimado (e que suas cinzas fossem no fim dispersadas), o algoz lhe cortou a língua, culpada por falar demais.

Quase sempre, nos últimos momentos de um herege, havia um boçal ‘terrível’ que lhe estendia um crucifixo, para que fosse a última coisa que o supliciado contemplasse. Não é improvável que o sangue de Vanini tenha espirrado no crucifixo. Se isso aconteceu, acredito que o sangue de Vanini sujou o crucifixo muito mais profundamente do que a lubrificação de qualquer feminista imaginada por Damares.

Sei, a história de Vanini foi 400 anos atrás…o tempo passou, não é? Mas a clínica mostra que os boçais continuam capazes de tudo para evitar  encontrar seus próprios demônios.




                                                   



Fonte: Contardo Calligaris, Psicanalista, autor de 'Hello Brasil!' (Três Estrelas), 'Cartas a um Jovem Terapeuta' (Planeta) e 'Coisa de Menina?', com Maria Homem (Papirus)   |   FSP


(JA, Dez19)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,