Pular para o conteúdo principal

Edifício Martinelli

 

Em 1889 um imigrante Italiano desembarcava no Porto do Rio de Janeiro,  seu objetivo era o mesmo de tantos outros que chegavam a América: Prosperar! Esse imigrante, chamado Giuseppe Martinelli, foi excepcionalmente bem sucedido e, em pouco mais de duas décadas, construiu um respeitável patrimônio. Desejoso por deixar um legado mais permanente de seu trabalho, além de sua importante empresa de navegação em Santos, o Comendador Martinelli decide erguer na cidade São Paulo o mais alto arranha-céu da América do Sul, o Edifício Martinelli.


Giuseppe Martinelli, 1889

O Edifício Martinelli é um prédio localizado no Centro do município de São Paulo. Situa-se no triângulo formado pela Rua São Bento, avenida São João, e Rua Líbero Badaró, no centro da capital paulista.

Devido sua altura, o local pode ser considerado um mirante, de onde é possível observar pontos turísticos de São Paulo, com por exemplo o Vale do Anhangabaú e a Catedral da Sé.

Foi o segundo arranha-céu do Brasil e da América Latina, ultrapassando o Edifício Joseph Gire, no Rio de Janeiro, que apesar de ter iniciado sua construção apenas em 1927, foi inaugurado dois anos depois, em 1929.

A construção do edifício começou em 1922 e foi inaugurado às pressas, ainda incompleto, em 1929, com apenas 12 andares, devido a inauguração do ‘Edifício A Noite’. A disputa começou porque em 1924 foi publicado um artigo que nomeava o ‘Edifício A Noite’ como o maior arranha-céu do mundo. E tal questão de disputa entre ambos os edifícios demonstravam o interesse de seus empreendedores sobre o título que visava enfatizar o poder público e o poder relacionado à imagem de progresso tecnológico da cidade de São Paulo.

A construção do edifício seguiu até 1934. O trabalho terminou quando tinha 30 andares.



O edifício foi idealizado pelo italiano Giuseppe Martinelli, e projetado pelo arquiteto húngaro Vilmos (William) Fillinger. Com 105 metros de altura, foi, entre 1934 e 1947, o maior arranha-céu do país e, durante algum tempo, o mais alto da América Latina - em 1935, o posto de mais alto da América Latina passou a ser do Edifício Kavanagh, levantado em Buenos Aires, que media 120 metros de altura.

Sua construção gerou grande polêmica, pois, até esse momento, não havia nenhum outro edifício em São Paulo com altura elevada.

Em 1932, durante a Revolução Constitucionalista, Martinelli abrigou em seus terraços superiores, uma bateria de metralhadoras antiaéreas, para defender São Paulo do ataque dos chamados ‘vermelhinhos’, os aviões do Governo da República, que sobrevoavam a cidade ameaçando bombardeá-la.

Vários partidos políticos tiveram suas sedes no Edifício Martinelli: o antigo Partido Republicano Paulista (PRP), o Partido Comunista Brasileiro (PCB) e a União Democrática Nacional (UDN). Os clubes da cidade também ocupavam as suas dependências como o Palestra Itália, hoje a Sociedade Esportiva Palmeiras, a Portuguesa de Desportos e o IT Clube, hoje desaparecido.


Zeppelin sobrevoando o Martinelli em 1933

Construção

Erguido com a técnica construtiva de alvenaria de tijolos e estrutura de concreto, a estrutura do andar principal é inteiramente revestida por granito vermelho róseo, tornando sua característica marcante. Foi considerado o símbolo arquitetônico mais importante do momento de transição da cidade baixa, ou seja, desde seu início, foi considerado marco do processo de transmutação de uma cidade para uma metrópole, visto que em sua localidade, na época, não havia nenhum outro tipo de construção vertical

Todo o cimento da construção era importado da Suécia e da Noruega, pela própria casa importadora de Martinelli. Nas obras trabalhavam mais de 600 operários. 90 artesãos, italianos e espanhóis, cuidavam do esmerado acabamento.

Trabalhadores na construção do Martinelli – 1927

Os detalhes da rica fachada foram desenhados pelos irmãos Lacombe, que mais tarde projetariam a entrada do túnel da avenida Nove de Julho. Diversos imprevistos prolongaram as obras: as fundações abalaram um prédio vizinho – problema resolvido com a compra do prédio por Martinelli; os cálculos estruturais complexos levaram à importação de uma máquina de calcular Mercedes da Alemanha.



Enquanto isso, Martinelli não parava de acrescentar andares ao edifício, estimulado pela própria população que lhe pedia uma altura cada vez maior – de 12 passou para catorze, depois dezoito e, em 1928, chegou a vinte. Nessa época o próprio Martinelli já havia assumido o projeto arquitetônico e, não se satisfazendo em fiscalizar diariamente as obras, também trabalhava como pedreiro – retomando assim a profissão que exercera na juventude na Itália – e demonstrava enorme prazer em ensinar aos operários mais jovens os macetes da profissão.

Eng. Giuseppi Martinelli visitando as obras do edifício que leva seu nome durante a construção, anos 20


A população achou que o prédio iria cair. As pessoas que ali passagem atravessavam a rua com medo do prédio. Com isso Martinelli resolveu construir sua casa no 24º andar. Uma mansão de 3 andares com 11 suítes. Foi a forma que ele encontrou de provar que o prédio era seguro.

O consumo de cimento era muito alto e a chegada de navio era demorada, com isso Martinelli pede ajuda ao ítalo brasileiro e amigo, o Conde Alexandre Siciliano dono da Cia. Mechanica e importadora, que forneceu cimento para a obra a prazo. Dizem que Martinelli nunca conseguiu pagar, e que o Conde nunca o  cobrou.

O arranha-céu, em seu início, utilizou diversos produtos vindo da Suíça, tais como elevadores e telefones.


Martinelli se endividou com a construção, e necessitou tomar um empréstimo junto ao banco ‘Istituto Nazionale di Credito per il Lavoro Italiano all'Estero’,  do Governo Italiano. Infelizmente, não conseguiu pagar, e Mussolini, na época ditador da Itália, confiscou o prédio. 

Com o início da segunda guerra mundial, a Alemanha afundou dois navios brasileiros. Então, como a Itália fazia parte do ‘eixo’, e o Brasil fazia parte dos ‘aliados’, o governo brasileiro confiscou o prédio para compensar o prejuízo.  Martinelli entrou em depressão pela perda do prédio.

Como no Brasil, tradicionalmente, tudo que é público se deteriora, nas décadas de 50 e 60, o edifício se tornou um grande cortiço, tendo sido registrado casos de assassinatos no interior do prédio.

Detalhe da fachada do Edifício

Na década de 70, o então governador Paulo Egídio, resolveu restaurá-lo e o doou à prefeitura, para abrigar algumas secretarias municipais.

Em 1975 ele foi desapropriado pela prefeitura e completamente reformado pelo Prefeito Olavo Setúbal. Reinaugurado em 1979, hoje abriga as Secretarias Municipais de Habitação e Planejamento, as empresas Emurb e Cohab-SP, a sede do Sindicato dos Bancários de SP além de diversos estabelecimentos comerciais na parte térrea do edifício.

No ano de 2008, a cobertura do edifício passou por reformas em sua infraestrutura. Após dois anos de obras, o local foi reaberto para os visitantes que visavam apreciar a vista da cidade que o prédio proporciona, porém, agora pertencente à prefeitura, com diversos escritórios.


No 26º andar do prédio existe um terraço do qual se tem uma visão panorâmica da cidade, podendo-se avistar diferentes pontos da cidade de São Paulo e seus arredores, como o Pico do Jaraguá, as antenas da Paulista e os milhares de prédios que compõem a paisagem urbana da cidade.

Também nesse espaço (cobertura) foi construída a ‘Casa do Comendador’, réplica de uma villa italiana, onde a elite de São Paulo se reunia em suntuosas festas. Foi construída como moradia da família Martinelli para ‘provar’ ao povo que o prédio não cairia. O espaço é aberto para visitação em todos os dias da semana.

É um prédio com grande símbolo arquitetônico, e já foi lugar para encontros da classe alta paulistana.



Prefeitura publica edital para conceder parte do Edifício Martinelli

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU), por meio da São Paulo Urbanismo, publicou no Diário Oficial do dia 27 de agosto 2020, o edital de concessão de parte do Edifício Martinelli. Ponto histórico do Centro da cidade, a prefeitura apresentou essa ideia em março de 2019, como parte do projeto Triângulo SP. Esse plano busca revitalizar o centro histórico e a vida noturna da região.

Falando especificamente do Martinelli, a ideia é de transforma-lo em um polo turístico, e criar o Observatório Martinelli. O tipo de concessão utilizada pela SMDU é o de modo de disputa fechado e com maior oferta de preço.

Ao contrário do veiculado em outros portais, a proposta da prefeitura é para conceder os espaços cobertos e descobertos, situados na Loja 11 e nos 25º, 26º, 27º e 28º andares do Edifício Martinelli, totalizando 2570 m², para a implantação e exploração de serviço de visitação pública, de equipamentos urbanístico-cultural e gastronômico e as chamadas ‘atividades acessórias’.


Postal do Edifício Martinelli, com destaque para um dos Palacetes Prates

Ainda segundo o documento publicado, os objetivos dessa concessão são:

¾    Retomar o protagonismo do Edifício Martinelli no cenário turístico e urbanístico da cidade de São Paulo;

¾     Proporcionar ao público uma experiência de visitação completa, composta por um programa de atividades estruturado em eixos de (i) visitação pública, (ii) memória/urbanismo e (iii) gastronomia;

¾    Garantir a adequada destinação econômica de relevante ativo imobiliário da SPUrbanismo, maximizando seu retorno financeiro;

¾        A melhoria, o desenvolvimento socioambiental e a reativação do Centro de São Paulo, em especial do triângulo histórico.

No que tange o valor da concessão de uso, a SPUrbanismo,o valor estimado do contrato é de R$ 45.863.883,00 (quarenta e cinco milhões, oitocentos e sessenta e três mil, setecentos e oitocentos e oitenta e três reais), correspondente ao valor das despesas de capital para execução das obrigações nele previstas, cumulado com o somatório dos valores de contribuição pagos à SPUrbanismo a título de outorgas fixa e variável.

Além disso, devido a gatilhos no contrato, a SPUrbanismo deve receber algum dinheiro pelo uso mensal da área. O prazo para a concessão é de 15 anos, sem a possibilidade de adiamento.

A fachada do Edifício Martinelli é tombada. Em 2010, o local foi reformado e aberto para o público até 2017, quando foi fechado novamente por problemas estruturais. A reforma demandaria cerca de R$ 3 milhões. O prédio sedia secretarias municipais, lojas dos Sindicatos dos Bancários e da Caixa Econômica Federal.

Por outro lado, o edifício  Joseph Gire, no Rio de Janeiro, também conhecido como edifício 'A Noite', por ter abrigado o vespertino carioca em seus primeiros anos, será levado a leilão pelo governo federal, a um preço mínimo de R$ 90 milhões, como parte de um programa de venda de imóveis hoje sem uso pela administração pública.

No hall dos elevadores do andar mais alto do edifício Joseph Gire, no centro do Rio de Janeiro, ainda é possível ver, meio apagada, a marca da Rádio Nacional, que tornou o prédio um dos marcos dos anos de ouro do rádio brasileiro.

Atrás do que antes era um letreiro, estão o que restou de auditórios e estúdios que receberam artistas como Dalva de Oliveira, Emilinha Borba, Orlando Silva e Francisco Alves, sempre recebidos por hordas de fãs na porta do edifício.

A outrora imponente construção, considerada o primeiro arranha-céu da América Latina quando foi inaugurada, em 1929, está fechada desde 2018 e hoje abriga apenas três funcionários responsáveis pela segurança e manutenção.

 


Fonte:  WP | netleland.net | bingimagens |  São Paulo in Foco | Dvs




(JA, Dez19)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,