Pular para o conteúdo principal

Por que trabalhamos cinco dias por semana



Tradições milenares, religião e convenções sociais da época da revolução industrial moldaram a nossa rotina de hoje


Em 1856 trabalhadores australianos ainda lutavam para trabalhar apenas 8 horas

Um ano dura 365 dias porque é esse o tempo que a Terra leva para dar uma volta completa ao redor do Sol. O mesmo vale para a duração de um dia, que tem 24 horas porque o planeta demora esse tempo para dar uma volta em torno de si mesmo.

Mas não existe nenhum fenômeno natural que acontece a cada sete dias. Por que, então, dividimos a vida e o mundo em semanas de sete dias - e por que convencionou-se que, desses sete, trabalharíamos cinco deles (na maior parte das vezes)?

A resposta passa por tradições de povos antigos, religiões e convenções sociais impostas no início da revolução industrial.

A origem dos sete dias da semana 

O hábito de dividir a semana em sete dias foi herdado dos babilônios, civilização que ocupou a região da mesopotâmia e teve seu auge por volta de dois mil anos antes de Cristo.

O uso do sete tem a ver com a crença, pelos babilônios, de que esse era um número especial: eles acreditavam, por exemplo, que havia sete planetas no sistema solar.

Dos babilônios, a prática se espalhou entre os egípcios, gregos e em Roma. Os povos judeus também adotaram, em algum momento, um calendário com sete dias na semana - depois de um exílio na Babilônia no século seis antes de Cristo, especula-se.

Entre os judeus e os babilônios, o sétimo dia da semana era especial, embora por motivos diferentes. Os babilônios proibiam uma série de atividades no sétimo dia, considerado de ‘má sorte’, oravam e faziam ofertas aos deuses. Os judeus guardam o sétimo dia, que no calendário da religião é o sábado, para o descanso e a adoração a Deus.

A palavra sábado, aliás, vem do hebreu ‘Sabbath’, que significa ‘dia de descanso’ - que também tem relação com o dia de descanso de Deus depois de criar o universo em sete dias, conforme consta no livro Gênesis, da Bíblia.

‘Dias úteis’ estão relacionados às indústrias Ford 

No início da revolução industrial, os operários trabalhavam entre 14 e 16 horas por dia por, pelo menos, seis dias da semana. A folga era no domingo para garantir que os trabalhadores católicos pudessem cumprir com as doutrinas da religião, que pede que o domingo seja guardado para oração.

Em algumas fábricas, a semana útil com cinco dias de trabalho começou a ser instituída para acomodar também os hábitos dos trabalhadores judeus, cuja religião exige que o sábado seja um dia de oração.

Nos anos 1920, Henry Ford, das indústrias Ford - uma das protagonistas da revolução industrial nos EUA - decidiu implantar um regime de trabalho feito de cinco dias úteis, seguidos de dois dias de folga, com oito horas de trabalho em cada dia.

Ford percebeu que os empregados produziam mais e rendiam melhor sob este regime, que garantia mais horas de sono, de descanso e de lazer. A crise de 1929, conhecida como A Grande Depressão, consolidou os dois dias de folga na semana como um antídoto para o desemprego.

Por que há propostas para rever o calendário de trabalho

Em 1928, o economista John Maynard Keynes propôs que cem anos depois, em 2028, a semana de trabalho teria apenas 15 horas - três por dia. Keynes estava provavelmente errado, mas há linhas de estudo que defendem um regime de trabalho mais curto.

Em 2013, a organização econômica New Economics Foundation defendeu a instituição de uma semana de trabalho de 30 horas. Outra campanha defende a redução da jornada para 20 horas semanais.

De acordo com Anna Coote, Chefe de políticas sociais da New Economics Foundation, em entrevista ao jornal The Telegraph:

“É hora de transformar o ‘meio-período’ em ‘o dia todo’. Temos que repensar a maneira como dividimos nossas horas entre atividades pagas e não pagas, para garantir que todo mundo tenha uma fatia razoável de tempo livre.”

Além dos benefícios para a qualidade de vida dos trabalhadores, um regime geral que previsse menos trabalho na semana, também reduziria emissões de carbono e gastos com saúde, por exemplo. Também garantiria oferta maior de empregos, e equilíbrio de salários em setores com oferta de mão-de-obra saturada.

Desde setembro de 2015, jornadas de trabalho de 30 horas por semana são a regra em um asilo na Suécia. O experimento faz parte de uma tentativa do governo sueco de explorar alternativas para as práticas tradicionais de trabalho.

Os cuidadores e enfermeiros da casa de repouso, que antes trabalhavam por oito horas todos os dias, agora trabalham por seis horas - e ganham o mesmo salário. O experimento inspirou outras organizações suecas a fazer o mesmo, com benefícios para a produtividade e a saúde dos funcionários.

Mas há desvantagens: o Comitê para o Desenvolvimento Econômico, organização norte-americana que realiza estudos sobre temas relevantes para o desenvolvimento, diz que jornadas de trabalho menores farão crescer a desigualdade de salários, e a polarização do mercado de trabalho, com o desaparecimento de empregos da classe média, diminuição dos benefícios trabalhistas, e o aumento da diferença de salários entre homens e mulheres, por exemplo.

Há também um impedimento cultural, destacado em outro estudo. Em muitas culturas, por razões religiosas ou históricas, o valor do indivíduo é dado de acordo com o quanto ele se dedica ao trabalho - diminuir as horas de trabalho por semana, portanto, seria atacar normas e conceitos sociais tão profundamente estabelecidos.





Fonte: Ana Freitas   |   =Nexus


(JA, Mai19)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,