Pular para o conteúdo principal

Buscador



  
Esta é a história de um homem que eu definiria como um buscador.
Um buscador é alguém que busca, não necessariamente alguém que encontra. Tampouco é alguém que sabe o que está buscando. É simplesmente alguém em que sua vida é uma busca.
Um dia, o buscador sentiu que devia ir até a cidade de Kammir. Ele aprendeu a dar importância para estas sensações que vinham de um lugar desconhecido de si mesmo. Assim deixou tudo e partiu.
Depois de dois dias de caminhada por caminhos poeirentos, ao longe avistou, Kammir. Um pouco antes de chegar ao povoado, uma colina à direita do caminho chamou muito a atenção. Estava coberta por um verde maravilhoso e havia uma porção de árvores, pássaros e flores encantadoras; rodeada por completo por uma espécie de vala pequena de madeira lustrada.
Uma portinhola de bronze o convidava a entrar. Logo, sentiu que esquecera o povoado e sucumbiu à tentação de descansar por um momento naquele lugar. O buscador traspassou o portal e começou a caminhar lentamente entre as pedras brancas que estavam distribuídas como que por acaso, entre as árvores. Deixou que seus olhos pousassem como borboletas em cada detalhe daquele paraíso colorido. Seus olhos eram os de um buscador, e talvez por isso, reparou, sobre uma das pedras, a seguinte inscrição:
‘Abedul Tareg, viveu 8 anos, 6 meses, 2 semanas e 3 dias’.
Surpreendeu-se um pouco ao perceber que essa pedra não era simplesmente uma pedra, mas uma lápide. Sentiu pena ao pensar que uma criança de idade tão curta estava enterrada naquele lugar. Olhando a seu redor, o homem percebeu que a pedra ao lado também tinha uma inscrição. Aproximou-se para ler, dizia:
‘Yamir Kalib, viveu 5 anos, 8 meses e 3 semanas’.
O buscador sentiu-se terrivelmente comovido. Aquele belo lugar era um cemitério e cada pedra, uma tumba. Uma por uma, começou a ler as lápides. Todas tinham inscrições similares: um nome e o tempo de vida exato do falecido. Mas o que gerou maior espanto foi ver que o que viveu mais tempo mal passara dos 11 anos… Tomado por uma dor terrível sentou-se e começou a chorar.
O cuidador do cemitério passava por ali e se aproximou. Observou ele chorar por um tempo em silêncio e depois perguntou se chorava por algum familiar.
Não, nenhum familiar, disse o buscador. O que acontece com este povoado? Que coisa terrível há nesta cidade? Por que tantas crianças mortas enterradas neste lugar? Qual é a horrível maldição que pesa sobre esta gente que obrigou a construir um cemitério de crianças?
O ancião sorriu e disse: - O senhor pode se acalmar. Não há tal maldição. Acontece que aqui tínhamos um velho costume. Vou lhe contar. Quando um jovem cumpre quinze anos seus pais lhe presenteiam com uma caderneta, como esta que tenho aqui, pendurada no pescoço. É uma tradição entre nós que, a partir deste momento, cada vez que desfrutamos intensamente de algo, abrimos a caderneta e anotamos nela: na esquerda o que foi desfrutado, e na direita, quanto tempo durou o desfrute.
Conheceu a sua namorada e se apaixonou por ela. Quanto tempo durou essa paixão enorme e o prazer de conhecê-la? Uma semana? Duas? Três semanas e meia? E depois, a emoção do primeiro beijo, o prazer maravilhoso do primeiro beijo, quanto durou? Um minuto e meio de beijo? Dois dias? Uma semana? E a gravidez ou nascimento do primeiro filho? E o casamento dos amigos? E a viagem mais desejada? E o encontro com o irmão que voltou de um país distante? Quanto tempo durou o desfrutar dessas situações? Horas? Dias?
Assim vamos anotando na caderneta cada momento que desfrutamos... cada momento.
Quando alguém morre, é nosso costume, abrir sua caderneta e somar o tempo desfrutado, para escrever em sua tumba, porque esse é para nós, o único e verdadeiro tempo vivido.




 Texto: Jorge Bucay, psicoterapeuta argentino

(JA, Set18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,