Pular para o conteúdo principal

Medo, Ansiedade


Sebastian é um homem de meia idade, casado e com três filhos já adultos. Profissionalmente foi bem sucedido e, no decorrer de sua vida, conseguiu amealhar algum patrimônio que atualmente lhe garante seu sustento e da esposa, nessa fase de sua vida.  Embora esteja aposentado, não se sente assim por conta das inúmeras atividades a que se dedica.  O tempo passa mais rápido agora do que antes e, de modo geral, é um tempo feliz.
Entretanto, ultimamente, ele tem tido alguns sonhos noturnos que lhe estão causando um certo mal estar. Tanto à noite, ao acordar assustado, como depois, tentando imaginar os motivos. Os sonhos são realistas e protagonizado por pessoas que parecem reais, mas que ele desconhece, nunca viu. Nesses sonhos ele está sempre colocado numa situação de insegurança, de perigo, em tem que fazer algo para se safar. Num deles, por exemplo, é ameaçado fisicamente, sem motivo aparente, por um homem enorme, de pele e olhos claros, sanguíneo, demostrando ódio – alguém que Sebastian, que sempre estava pronto para um confronto, não teve alternativa senão se retrair. Por que isso? Quem seria essea 'fera'? Por que esse homem o ameaçava? Quem ele representava?
Nunca chegou a uma resposta conclusiva. Mas, refletindo, imaginou que aquele homem poderia ser a personificação de uma situação que ele vive atualmente, mas que prefere relegar a um segundo plano -sua vida financeira está estruturada, mas baseada em uma série de circunstâncias que podem variar, de uma hora para outra, e provocar uma crise. Ele não tem uma reserva financeira suficiente para garantir seis meses de despesas, como recomendado com o pomposo nome de ‘Capital de Risco’. E ele está trabalhando no limite, de forma que se alguma coisa falhar, for prejudicada, ficará numa situação muito delicada. Entretanto, pensando bem, a maioria das pessoas vive sob essa ameaça, e, mesmo assim, a não fica sofrendo por conta disso.
Sem saber o que fazer foi pesquisar e chegou à conclusão que pode estar sofrendo de medo, ansiedade.
O medo é uma das emoções básicas do ser humano. Todos, em algum momento de nossas vidas sentimos essa emoção, em maior ou menor grau.
O medo se ativa na presença de uma ameaça, seja pela percepção ou interpretação de um possível dano ou perigo para o nosso bem estar físico e/ou psicológico. Costuma aparecer na ocorrência de um perigo real -presente e iminente-, ou ainda frente a um perigo imaginário.
Na presença do medo, é colocado em funcionamento o comportamento de emergência do indivíduo, o qual proporciona a ativação necessária para ele superar ou fugir da situação geradora. Na maioria das vezes o medo é passageiro. Porém, dependendo da importância do problema, pode ativar respostas emocionais que alterem de forma significativa o seu modo de vida.
O córtex pré-frontal é o responsável por tomarmos consciência da sensação de medo, podendo interpretar a situação de forma correta, exagerada, ou subestimada, dependendo da valoração feita, e  do momento de vida.  Desta forma, no medo se estabelecem duas considerações importantes: a perda e o imediatismo, fatores que determinarão nosso comportamento.
As respostas ou estratégias que devem ser levadas a cabo, dependerão das crenças e expectativas do indivíduo, e  de como enfrentará aquilo que lhe dá medo, podendo ser de forma ativa (confronto) ou passiva (desvio ou fuga).  Quanto mais convencido ele estiver de suas habilidades e recursos para regular esta emoção, mais eficaz será a sua reação.  O lado prejudicial de não regular de forma adequada o medo, será a criação de sentimentos de desconfiança, preocupação e mal-estar.
Desta forma, uma das funções da ansiedade é nos ativar diante da expectativa de um possível perigo, nos levando a reagir de uma maneira seletiva, ou ampliando as informações que são consideradas como ameaçadoras, deixando de lado o resto das condições estimulantes, que passam a ser consideradas como neutras.
A diferença entre o medo e a ansiedade,  é que a presença do estímulo é  clara no caso do medo,  e confusa e imprecisa, no da ansiedade.  Além disso, a ansiedade gera uma grande preocupação produzida pela antecipação dos efeitos negativos de uma situação futura, podendo, em muitos casos, prejudicar a saúde mental de uma pessoa.
Já um pouco mais seguro do que estava acontecendo, Sebastian começou a definir a estratégia para superar a sua ‘ansiedade’ ou ‘medo’.
Ele tinha consciência de que o seu medo estava relacionado com a valoração de um perigo eminente,  e a ansiedade com a expectativa de que algo irá acontecer no futuro.
Pensando bem, ele não estava exposto a um perigo eminente. Então, o que ele tinha não era medo. Ele sofria com a expectativa de que algo poderia acontecer no futuro – era ansiedade. Agora, se o que ele temia acontecesse, tinha convicção de que, face aos seus recursos atuais, não teria capacidade de controlá-las, superá-las, sem causar um dano considerável ao padrão de vida a que estava adaptado.  
Então, resolveu que, conscientemente, procuraria desativar o processo desencadeado por uma resposta emocional negativa, ante à situação que considerava de especial importância. Foi tentando desligar a conexão existente entre a ansiedade e as situações que a provocavam, criando respostas comportamentais positivas para minimizar essas situações, até deixá-las dentro do seu umbral de tolerância.
Já que a causa de seus problemas era a possiblidade de, em algum momento, deixar de ter os recursos financeiros que considerava essenciais para sua vida, começou a se ocupar em criar condições para redução das despesas e aumento da sua renda atual. Uma coisa que não havia lhe ocorrido anteriormente porque seu fluxo de caixa histórico era satisfatório. Mas,...
Pouco a pouco, foi obtendo resultados positivos e, embora a redução de despesas e o aumento de sua renda não lhe desse a segurança ideal, pelo menos, pelo simples fato de estar se ocupando em encontrar uma solução racional para evitar uma eventual situação estressante no futuro, já lhe dava uma sensação de estar no controle, trabalhando para evitar.
Para Sebastian, como resultado de suas pesquisas e atitude, suas noites começaram a ficar mais tranquilas. E, durante o processo, aprendeu a lidar da melhor forma com seus sentimentos, sem estresse, com sabedoria, tendo em mente que a vida é mais valiosa que todos os medos.
O ser humano, durante a sua existência, deve assumir como inevitável a convivência com o medo e, sobretudo, com a ansiedade, que variam, dependendo da fase de vida -infância, adolescência, velhice-, transformações sociais, pressões familiares, etc., e da necessidade de aprender como superá-los.

Medos servem para nos alertar e proteger de algo. Porém, nem sempre nossa ‘máquina’ funciona tão bem - existem milhares de medos inexplicáveis por ai. E você, tem medo de quê? 

(JA, Ago17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,