Pular para o conteúdo principal

Livro da Vida



Robson era um jovem que acabara de fazer 18 anos. Havia prestado exame vestibular para engenharia e conseguira ser aceito na faculdade. Como as aulas ainda não haviam começado, resolveu visitar seu avô que morava numa cidade do interior de São Paulo.  Por problemas familiares – sua mãe não se dava com o avô, ele tivera pouco contato com ele até então. Essa era a primeira vez que o visitava.   
Sabia que seu avô, Leonardo, havia sido professor universitário, que era um homem muito articulado e culto. Entretanto, nunca imaginara encontrar alguém como ele. Simples, de bem com a vida, simpático, carismático. Conseguia se expressar de uma forma que levava a quem o ouvia, a entender seu pensamento e a acreditar no que ele dizia.
Robson não estava acostumado a conversar com pessoas mais velhas. Em casa não era muito próximo da mãe e seu pai sempre com pressa, tendo o que fazer.  Então, considerou aquela uma oportunidade muito boa para aproveitar a experiência de vida do avô.
Quando foi possível, perguntou como ele se sentia ao recordar o passado, de como ele foi numa outra época. Ao que o avô respondeu, olhando para o espaço como se estivesse visualizando uma outra realidade, assumindo a postura do mestre que foi por tanto tempo.   
“Cada momento de nossa vida, quando olhado do futuro, parece estar numa outra dimensão, como se não fôssemos nós mesmos os protagonistas.
Aquela conversa que tivemos com aquela pessoa, naquele dia, naquele local. Ela existiu, como o próprio tempo do verbo diz. Mas,  para nós, ela continua recorrente, existindo ainda. Tudo mudou - nós mesmos, a pessoa, o lugar,... - mas aquele momento continua igual, com tudo que ele carregava em termos de ambiente, sentimento, emoção, consequências.  Então podemos inferir que a realidade comporta mais de uma dimensão? As passadas convivem com a atual? Sem dúvida. Entretanto, tanto as realidades passadas como a atual não são iguais para mais de uma pessoa.  Cada pessoa tem as suas, e as sente, pinta, interpreta, de acordo com a sua percepção individual, a qual, além disso,  pode variar, dependendo das experiências, da fase de vida de cada um.
Se conseguirmos listar as pessoas que conhecemos, os sentimentos que dedicamos a cada uma delas, nossas conversas e ações, os locais onde estivemos, as marcas que ficaram registradas na nossa memória, enfim se somarmos todos os esses momentos, as nossas realidades passadas, vamos ter a história da nossa vida. E ela, poderá ser chata, ou emocionante, ou triste, ou alegre, etc.  Entretanto, a única coisa que ela terá em comum com as histórias das outras pessoas, se que é que podemos dizer assim, é que ela é original, exclusiva para quem a viveu.
Quando somos jovens, nossa história é curta, fácil de lembrar, de corrigir. Quando  nos tornamos adultos, temos tanta coisa em que pensar, fazer, que não gastamos tempo revendo a nossa história. Entretanto, quando ficamos mais velhos, com mais tempo disponível como normalmente ocorre nesse período, nós a valorizamos cada vez mais. Se foi boa, ótimo. Se não foi, problema - principalmente porque as chances de alteração então serão muito reduzidas, por conta das nossas limitações físicas, financeiras e, principalmente, pelo pouco tempo que ainda nos resta.
Então, o que fazer? Na minha opinião, para não chegarmos ao final da nossa vida e concluirmos que ela não foi boa, devemos viver como quem está escrevendo um livro, o livro da nossa vida.  E, naturalmente, como um escritor consciente, nos empenhando em escrever de forma a manter o ‘leitor’ interessado, envolvido, pela forma e enredo inteligentes e, finalmente, pelo final feliz.
Naturalmente, não é tão simples assim.  Existem momentos em que somos surpreendidos e reagimos impulsivamente sem pensar, e nos arrependemos depois do que fizemos. Ou então, situações a que fomos levados compulsoriamente, para as quais não estamos preparados, e não sabemos qual a melhor forma de reagir. E por aí vai.
Esses momentos, felizmente, não são muito frequentes. Mas, se não nos deixarmos abater, são eles que podem ajudar a tornar a nossa história mais interessante, tanto pelo suspense criado, como pelas perdas eventuais, e pelas saídas encontradas, muitas vezes improváveis, mas sempre factíveis. 
Nem sempre quando começamos a escrever um livro sabemos tudo o que acontecerá no durante e nem como ele irá terminar.  É interessante como a história, a partir de determinado momento, vai tomando corpo sozinha, encontrando suas próprias soluções, resultando em algo que aparentemente sempre esteve na mente do autor, mas de forma latente,  inconsciente. Ele apenas se dá ao trabalho de criar condições para que o melhor de si se manifeste e, quando menos espera, sua obra estará definida, pronta.
Portanto, Robson, não se preocupe em definir agora todos os passos da sua vida. Eles serão dados naturalmente, um depois do outro, comandados pela sua mente atenta, que deve estar sempre procurando encontrar o melhor caminho.  O mais importante é se manter consciente e dar o melhor de si em todas as situações, visando colecionar, acumular, momentos, companhias e ambientes, que lhe façam se sentir bem, realizado.  Sendo assim, as oportunidades, as soluções, começarão a surgir espontaneamente, ficando cada vez mais fácil ser quem você deve ser.”
Aqueles dias com o avô foram muito importantes para a vida futura de Robson. Todas as angústias com o futuro incerto que tinha naquela época, perderam então o sentido. Ele passou a se dedicar a fazer uma coisa de cada vez, o melhor possível. E agora, passados muitos anos daquele momento da visita, uma realidade para a qual se remete ocasionalmente, ele pode confirmar o acerto da fala do seu avô. Agora estava conseguindo terminar o livro da sua pópria vida. E, ao seu ver, o resultado foi uma obra muito interessante, principalmente para quem a viveu, para os seus descendentes, e para os que tiveram oportunidade de conviver com ele.  

"Independentemente da nossa origem, dos nossos talentos naturais, do nosso poder e riqueza,  somos definidos, principalmente,  pelas nossas histórias."

(JA, Fev16)



Imagem: Hernán Letelier,  dramaturgo chileno, em sua casa de Santiago

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,