Pular para o conteúdo principal

Mudança



André

André  era um homem de meia idade , com formação superior, grande experiência profissional. Num determinado momento percebeu  que estava desatualizado profissionalmente: os que estavam chegando mais recentemente no mercado utilizavam novos termos, novos aplicativos, novas técnicas, novos ... Percebeu que eles, embora ainda dependessem dele, não o reconheciam, não o valorizavam como, certamente, merecia.
Foi um chocante: Até ontem , um cara respeitado, admirado, ... Hoje, desprezado, rejeitado, excluído. O que fazer?
O mais óbvio e recomendado nesses casos, seria se atualizar o mais rapidamente possível. A outra alternativa, se afastar, deixar o mercado de trabalho, e ir gozar a sua, embora precoce, merecida aposentadoria.
A primeira opção não o atraia. Não simpatizava com essa nova geração de profissionais.  Eles  tinham um conhecimento e experiência muito pontuais e, além disso, eram muito objetivos, frios e radicais nas suas opiniões, decisões, atitudes.  Ele, como a maioria dos da sua geração, muito pelo contrário. Tinha uma visão, abordagem dos problemas, mais contextual, abrangente e, principalmente,  mais humana.
Então, não foi difícil decidir. Decidiu pela segunda opção: iria se afastar. Curiosamente, se sentiu então aliviado. Entretanto, tinha consciência que o difícil seria por em prática, realizar o que seria a grande mudança da sua vida.
Refletiu que não bastava abandonar os ternos finos e passar a vestir bermudas, ficar lendo o jornal a maior parte do dia. Precisava criar uma nova dimensão para essa pessoa que ele imaginava, pretendia ser.
Resolveu colocar a venda o seu maravilhoso e bem localizado apartamento, e comprar uma casa no litoral, numa ilha ligada ao continente por um serviço de balsas, que tivera oportunidade de conhecer.  O centro urbano da ilha era tranquilo, limpo, e os seus habitantes muito simpáticos e amigáveis, como se estivessem sempre de bem com a vida. A ilha era conhecida pelos eventos artísticos que eram promovidos tradicionalmente ali,  e  por ser frequentada por artistas e intelectuais, gente com a qual ele se identificava muito.
Procurou e encontrou nessa ilha a casa que imaginou. Era ampla, sólida, confortável, bem conservada, implantada num grande terreno, num aclive, próximo e com vista para o mar. Vendeu os três carros luxuosos que tinha, e comprou um utilitário - mais robusto, mais adequado para os caminhos da ilha.
Selecionou os móveis, equipamentos e acessórios que pretendia levar para a nova casa, e se desfez dos demais. Finalmente, despachou tudo e se mudou para sua nova cidade, sua nova casa. Tudo colocado no seu devido lugar, arrumado,  no final da tarde daquele seu primeiro dia, decidiu que merecia uma recompensa: um jantar especial nesta noite.
Foi então a um restaurante local, conhecido por utilizar frutos do mar em quase todas as opções do seu cardápio.
Instalação muito rústica mas de bom gosto, com um ambiente, principalmente à noite, muito aconchegante. Ampla varanda, mesinhas com toalhas coloridas, iluminadas  com luz de velas. E o serviço simpático e pessoal, embora obedecendo o lema local: lento, mas bem feito.  O restaurante tinha várias mesas ocupadas, sendo que numa próxima à dele estava um grupo de jovens senhoras, comemorando alguma coisa, falando entre si, e rindo muito, felizes. O gerente do restaurante, muito comunicativo, apresentou André para as senhoras, dizendo: ‘- Este senhor, é o mais novo habitante desta ilha’, como André havia lhe dito ao chegar. Então, propôs um brinde a ele, por conta da casa. Todos brindaram e elas lhe desejaram que fosse muito feliz ali.  Foi um bom início para uma nova vida.

Ana

 Ana era uma artista, um pintora. Já havia participado de várias exposições e ganhado alguns prêmios. Teve oportunidade, e montou seu ateliê na mesma ilha onde André havia acabado de chegar. Há cerca de dois anos, começou a dar aulas de desenho e pintura. A procura pelos seus cursos foi tão grande, que teve que alugar um prédio maior para esse fim. Na sua escola, ‘Escola da Cor’, como a chamou, montou vários departamentos, cada qual especializado para transmitir uma parte específica dessa arte.
Oportunamente, André, que havia conhecido Ana por ocasião do jantar do seu primeiro dia na Ilha, a reencontrou, e se tornaram amigos.  Com o tempo, ele passou a conhecê-la melhor, tanto como artista como mulher.  Interessou-se muito pela iniciativa dela em divulgar e promover a arte. Ele mesmo, numa determina época do seu passado, produziu alguns desenhos, aquarelas. Era um talento natural, não lapidado.  Incentivado por ela, começou a frequentar as aulas, adquirindo mais e mais conhecimento técnico. E,  pouco a pouco, foi preenchendo as lacunas que impediam a sua melhor manifestação. Começou a ficar entusiasmado com o resultado, com a facilidade que tinha agora para expressar seus sentimentos nas telas que pintava.
Foi se aperfeiçoando, até atingir um nível técnico reconhecido como ótimo por muitos experts, tanto nacionais como internacionais.
Ele, ainda sem assimilar completamente esse seu novo lado; ainda surpreso pela fama extemporânea, inesperada e extraordinária, um dia concluiu:
“Incrível. Vivi a maior parte da minha vida construindo e investindo num personagem. Esse personagem ganhou estatura, foi protagonista de inúmeros ‘cases’ de sucesso, progrediu, ganhou dinheiro,.. Porém, só até um determinado momento.  Então, quando precisava se atualizar para ser aceito, reconhecido pelos novos profissionais da sua área que estavam passando a dominar o mercado, resolvera investir num outro talento que tinha, mas que passara despercebido por tanto tempo. E, surpreendentemente, agora, no ocaso de minha existência, me sinto muito mais realizado do que em qualquer outra fase da minha vida.”

André e Ana

Anos mais tarde, agora casado com Ana, sua companheira de vida e de arte, ainda permanece morando na Ilha. Entretanto, seus horizontes haviam se ampliado: viajava várias vezes por ano, visitando, expondo, nas mais famosas cidades do mundo – Londres, Paris, Nova York,... Nessas cidades, nas grandes casas de leilão de arte, seus quadros faziam muito sucesso, atingindo valores extraordinários.
É, a vida nos surpreende, muitas vezes positivamente, especialmente quando nos dispomos a mudar para preservar aquilo que temos de melhor: nossos talentos, nossa dignidade, nossos valores.


”O segredo da mudança está em não focar sua energia lutando contra o velho, mas em construir algo novo.” Sócrates



(JA, Mai15)


Imagem: Paulo Bavani (55), pintor, escultor e fotografo, RJ


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,