Pular para o conteúdo principal

Palco da Vida


L. quando jovem foi cantora, dançarina.  Era uma mulher linda, de chamar a atenção. Além disso, era comunicativa, alegre por natureza, inteligente. Não demorou muito foi convidada para ser modelo de um estilista conhecido. Seu físico não era aquele mais comum entre as modelos da época. Tinha um corpo bem modelado, exuberante; não era magra, nem tão alta.
Começou a participar de programas de TV onde passava sua alegria e sensualidade contagiantes. Ambiciosa, procurava se relacionar com pessoas que poderiam ajudá-la na sua escalada social e artística.   Começou a cantar e gravou alguns discos que, até hoje,  venderam cerca de doze milhões de cópias. Na sequência, foi convidada a participar de vários filmes, onde exploraram mais o seu corpo do que suas qualidades como atriz. Finalmente, consagrou-se profissionalmente, seu nome ficou conhecido tanto no seu pais como fora dele, e passou a contratada mediante altos salários.
Entretanto, como é normal, o tempo foi passando, seu corpo envelhecendo, e as oportunidades de trabalho - a maior parte dependentes da sua aparência -, foram rareando. Para reverter o processo, fez inúmeras operações plásticas - muitas delas mau sucedidas. No finalmente, o resultado foi pior do que se não tivesse feito nada, deixado a natureza seguir o seu curso normal.
Foi casada e se separou  inúmeras vezes. Após sua última separação,  chegou à conclusão de que sua vida, embora extraordinária em muitos aspectos em relação à maioria das pessoas, não era real.  Vivia representando, fazendo um papel que esperavam que fizesse. Preocupava-se em realizar, em conquistar, não o que era mais importante para sua felicidade pessoal, mas para atender às expectativas do seu público. E esse público a via apenas como uma personagem, ignorando o ser humano que ela era. Entrou em depressão. Só foi se recompor tempos depois, quando chegou à conclusão de que precisava reagir, se reencontrar. E foi o que fez.
Começou a questionar todas as suas opções de realização, e a priorizar o que de fato viria atender, preencher, suas necessidades verdadeiras, neste momento da sua vida.  Surpreendeu-se quando percebeu que, durante quase toda a sua existência, as coisas que realmente importavam estiveram sempre à sua disposição, mas ela nunca havia percebido, valorizado.
Por outro lado, as coisas menos importantes, - que antes ela  considerava as mais importantes para o seu sucesso, para a sua carreira -, eram as mais difíceis de conquistar. E, ironicamente veio constatar agora, acabaram por não levá-la a lugar algum.
 Foi morar fora do país, pois se conscientizou que precisava se afastar para conseguir  retomar sua vida pessoal, cuidar dos seus filhos e dela mesmo. Lá conheceu e acabou se casando com um homem que, inicialmente, não sabia do seu passado, da sua história. Hoje, tem uma vida confortável e regular e, mesmo sem a excitação e as emoções do passado, sem aquela aparência extraordinária, sente-se realizada, feliz.  Ela dedica um carinho muito especial ao seu marido, e um quase maternal àquela personagem que viveu a maior parte da sua vida. Não a despreza ou a renega. Agora, entende melhor as motivações que a levaram a viver como viveu, e a aceita tranquilamente, sem remorsos. Percebeu que o aconteceu por trás do sucesso foi, na verdade, uma incessante busca pelo amor.
Ainda é considerada uma artista do povo, muito querida e, sempre que tem oportunidade, atende, dá uma satisfação para seus fãs, que ainda existem e a procuram. Ainda tem uma  intensidade muito grande, e não é indiferente a ninguém; com todo mundo mantém uma postura muito positiva. Ninguém fica indiferente a ela;  é uma mulher que é amada ou odiada.
Agora, está colaborando com um escritor, seu admirador, que está escrevendo sua biografia.  Entusiasmou-se com a ideia porque sentiu que essa será  uma ótima oportunidade para mostrar, dentro da perspectiva que só o tempo pode dar, a personagem, o mito, e o ser humano que ela foi, se tornou.

"Lutar, procurar, encontrar. Não desistir."



(JA, Mar15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,