Pular para o conteúdo principal

Bons Ventos


Ao amanhecer a brisa entra pela janela de um cômodo da casa. Entra e se sente à vontade, como se sempre tivesse estado ali. Curiosa, passa por todos os cantos, móveis, objetos, roupas, procurando reconhecê-los, identificá-los.  Deixa uma leve aragem à sua passagem e o ambiente fica como se estivesse purificado, energizado positivamente.  
Sai de um cômodo, entra em outro, até percorrer a casa inteira. Enquanto ela esteve ali não teve oportunidade de conhecer nenhum de seus habitantes, mas pelo que já viu, faz ideia de como sejam.
Curiosa, ela volta mais tarde para conhecê-los, checar se sua intuição foi acertada.  A casa era habitada por um casal e seus dois filhos: um rapaz e uma mocinha. Estavam sentados na mesa de jantar, comendo e contando as novidades do dia de cada um.  A mulher estivera cuidando das lides domésticas, e não havia conversado com ninguém, e não havia acontecido ali na casa nada especial que diferenciasse aquele dia dos demais. O pai, homem do campo e de todos os ofícios, também tivera um dia cansativo como sempre e sem resultado imediato – a colheita e venda do produto sempre tinha um tempo certo para acontecer, e ainda não era o caso. O rapaz e a moça tinham ido à escola, as aulas foram como sempre – monótonas e demoradas; seus amigos , como sempre, não tinham novidade nenhuma.
A brisa sentiu que aquelas pessoas não estavam vivendo a vida em toda a sua plenitude. Estavam presos a coisas que não lhes interessavam, não lhes despertavam nenhum interesse, nenhuma emoção - alegria, prazer, amor. Que desperdício! O que ela poderia fazer para reverter essa situação?  Teve uma ideia.
Um pouco antes de amanhecer, a brisa reuniu todas as suas energias e se transformou num vento forte, quase um tornado, um furacão.  Concentrou a sua força na casa onde morava aquela família.  Logo o telhado foi perdendo suas telhas, algumas as portas não resistiram ao forte sopro que acabou por revirar a casa inteira. A família, pega de surpresa, resolveu que o mais seguro seria sair. Parecia que ali era o centro da tempestade. Rapidamente reuniram e colocaram num baú alguns pertences, mantimentos, água,  e saíram correndo da casa Embarcaram no seu pequeno veleiro que estava aportado num braço de mar, num pequeno cais existente na frente da casa, e saíram Sua intenção era navegar em direção ao porto existente no centro da cidade, onde certamente encontrariam refúgio até a tempestade passar.
A ‘Brisa’ acompanhando a fuga, foi reduzindo sua intensidade na casa, e passou  soprar na direção da vela do veleiro, com força moderada.  O veleiro seguiu, seguiu, passou o porto da cidade, entrou em alto mar, e foi em frente. Os tripulantes, passageiros impotentes, não tinham o que fazer senão se deixar conduzir. Passados dois dias e duas noites, se encontraram numa praia tranquila e desconhecida. Aportaram, e desceram para terra firme. .
Lá, ainda surpresos com o que tinha acontecido, deram graças a Deus por estarem todos bem, Descansaram um pouco e saíram a procura de água. A região era linda, com muitas nascentes e rios, a mata que parecia ter sido desenhada por um artista – com muitas árvores e muitas flores.  Continuaram andando, até chegarem num povoado.  Lá encontraram algumas pessoas. Entretanto, não conseguiram se comunicar porque elas falavam uma língua completamente estranha para eles, e vice-versa.  Foram levados à presença de um senhor que deveria ser o responsável pela comunidade. Ele os ouviu, não disse nada, mas deu a entender que queria saber como haviam chegado ali. Então, o chefe da família levou um grupo de homens ao local onde tinha deixado o seu barco. Sua esposa e filhos,  ficaram aos cuidados de umas senhoras, à pedido do ‘Responsável’.  O grupo chegou ao lugar onde estava o barco e ficaram admirados com a embarcação. Nunca tinham visto nada parecido, e conversavam entre si animados, comentando sobre seu conceito, sua utilidade.
Voltaram então ao povoado. O grupo passou a informação ao responsável - que, como depois viriam a saber, era o Prefeito da cidade. O Prefeito determinou que a família fosse levada a uma pequena casa, onde poderiam ficar, até se ambientarem, encontrarem uma solução para o caso deles.  No dia seguinte, o chefe da família foi convidado a ensiná-los como manobrar o barco. Isto era muito importante para eles porque a aldeia era de pescadores mas, por incrível que possa parecer, não conheciam e nunca haviam utilizado um barco para esse serviço.  Logo ele estava enturmado com o pessoal, e já conseguia se comunicar – precariamente mas conseguia. A pedido deles, e com ajuda de um marceneiro local, começou a construção de um outro barco, e depois de mais outro, e mais outro.
Ele estava feliz porque fazia algo que era útil para os demais do grupo, para a comunidade. E essa comunidade passou a respeitá-lo, a aceitá-lo pelo que era. Sua esposa e filhos, também foram encontrando seu espaço e, aos poucos, foram descobrindo as outras pessoas e se deixando conhecer.  Se adaptaram tão bem ali que a sua realidade anterior foi ficando distante, quase desaparecendo. Os anos passaram. 
O chefe da família agora era uma figura destacada na comunidade, seus filhos haviam estudado, estavam trabalhando e, certamente logo estariam constituindo suas próprias famílias. Sua esposa havia trazido muitas novidades úteis para o dia a dia das mulheres locais que a admiravam e, frequentemente, a elogiavam. Ela se sentia feliz, realizada. As pessoas diziam que bons ventos os haviam trazido ali, talvez cunhando a expressão, hoje tão conhecida: ‘Bons ventos o trazem!”.
A ‘Brisa’ que tudo acompanhava sorriu, espalhando com o seu riso um vento alegre por toda a região, alcançando todas aquelas pessoas, deixando-as ainda mais felizes.   
   
'Bons ventos o trazem'
Significa seja bem vindo. Quando recebemos uma visita esperada, temos um encontro agradável, ou quando quem esperamos chega informando que fez boa viagem, dizemos que foram os bons ventos que o trouxeram até nós.
 Esta frase foi empregada como saudação pelo prefeito do Distrito Federal (Rio de Janeiro), a Alberto Santos Dumont, quando este desembarcou, retornando ao Brasil. 
O vento, ou seja, o ar em movimento, tem a capacidade de deslocar com ele diversos objetos. O vento teve um papel muito importante na história da humanidade, pois houve época, como a dos grandes descobrimentos, em que as embarcações dependiam unicamente do vento para se mover. Ele foi e ainda é utilizado para movimentar moinhos para moagem de grãos e, atualmente, para produção de energia eólica. Além disso, o entendimento de sua geração e comportamento foi essencial para desenvolvimento da ciência aeronáutica. Portanto, no caso de Santos Dumont, considerado o inventor do avião, o pai da aviação, a utilização dessa expressão para recebê-lo foi muito adequada.
Esse ditado popular fundamenta o princípio da Sociolinguística que define:                    
 'A linguagem representa a forma mais alta de uma faculdade inerente à condição humana - a faculdade de simbolizar.'



(JA, Mar15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,