Pular para o conteúdo principal

Tempo Certo


Ele era um menino, com  cerca de oito anos de idade, que vivia numa comunidade agrícola,  no pequeno sítio da sua família.  A ele foram atribuídas algumas tarefas, como, por exemplo, alimentar as galinhas que eles criavam.  Além disso, tinha que frequentar e cumprir os deveres da escola, e cuidar do irmão menor, enquanto a mãe estava na lavoura.
O tempo ia passando: os dias, as  noites; as estações do ano; o tempo chuvoso, o tempo de seca; plantação, colheita; ... Cada momento trazia consigo o seu significado, exigência, ações, e consequências.
Terminado o Ensino Médio, conseguiu ser admitido numa faculdade. Infelizmente, ficava numa outra cidade. Após seus pais concordarem em mantê-lo por uns tempos na nova cidade, foi para lá, entrou e se adaptou na nova rotina.
Basicamente, lá, o processo se repetia, muito parecido com o de quando estava em casa: observar e entender o momento, cumprir o que era necessário, e ter direito ao resultado (exigências, ações e consequências). 
No tempo certo, tendo cumprido tudo que lhe era exigido, se formou. Antes disso já estava trabalhando como Trainee num escritório de engenharia – sua área, e já não necessitava mais da ajuda dos pais, exceto eventualmente. Em pouco tempo, pela sua atuação dedicada e capacidade, foi efetivado e, na sequência vieram as promoções, com consequente aumento de responsabilidades e salário.
A partir dai, começou a ajudar sua família, contribuindo para a formação dos irmãos mais novos. Mais tarde, casou-se, comprou sua casa e teve dois filhos.
Atravessou aquela fase de formação e educação dos filhos, os quais por sua vez, também foram cumprindo seus ciclos: estudar, trabalhar, casar...
Hoje, bem aposentado, fruto da sua carreira bem sucedida e de um planejamento financeiro adequado, pode viver tranquilo, acompanhar e colaborar para cumprimento dos ciclos de seus netos.
Às vezes, olha para o que conseguiu realizar, tanto pessoal  como socialmente, e lhe ocorre que, mesmo estando muito bem,  poderia ter feito ainda mais. Entretanto, considerando de onde veio , as eventualidades negativas, o tempo disponível, as suas limitações e dons naturais, conclui que o que fez está de bom tamanho.
Tem consciência de que cada pessoa, além de ter o seu tempo certo, tem um papel, um missão a cumprir, fechando alguns ciclos e iniciando outros, para que todo processo previsto ocorra, naturalmente. Dentro desse contexto, tendo vivido como viveu, construído o que construiu, de um modo geral, independentemente de suas limitações físicas atuais, sente-se realizado, feliz.    
_________________

Viver no tempo certo é viver em equilíbrio com a natureza. Os eventos vão ocorrendo naturalmente, um depois do outro, sem estresse. Os alicerces, as paredes da construção da vida, vão tomando corpo e, ao final, pode-se olhar para trás, com um misto de surpresa e, normalmente, de satisfação, ver o resultado da obra, da sua influência sobre si próprio,  sobre outras pessoas, sobre o meio ambiente, sua  cidade, seu país, o mundo - dependendo do  grau de influência alcançado.
__________________

      Tempo presente e tempo passado
Estão ambos presentes no tempo futuro
E o tempo futuro, contido no tempo passado.
(T.S. Eliot)

________________



(JA, Set14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,