Pular para o conteúdo principal

Volta à Vida


A vida dele foi mudando de tal forma que, a partir de um determinado ponto, começou a se sentir mudado também.  Seus gostos, hábitos foram sendo moldados, adaptados, pela sua limitação financeira. Seus amigos, obviamente,  já não eram os mesmos; sua família, que o culpava pela ‘desgraça’ que a afetou, o abandonou à própria sorte, e ele partiu para lugar nenhum.
Seus sonhos nunca foram tão modestos e triviais: onde dormir, o que comer, o que vestir, como se proteger da chuva e do frio, ..
Nesse novo cenário, surpreendentemente, haviam momentos alegres e tristes; amizades e antagonismos; limites; costumes;...  E tudo isso, com a mesma intensidade emocional que tinha esse tipo de  ocorrência  na sua vida anterior.
A partir de determinado momento, já bem adaptado à sua vida atual, começou a procurar reduzir as dificuldades e aumentar as facilidades – como fazia antes. Com base na sua formação e experiência, foi deixando de ter as atitudes imediatistas de um sobrevivente, e a promover suas ações dentro de um planejamento sistêmico. A situação começou a reverter, novas possibilidades surgiram, e ele soube aproveitá-las. E assim,  foi se aproximando daquele que já havia sido algum dia.
Alguns anos mais tarde, agora já bem situado social e financeiramente, e com muito mais conhecimento da realidade da vida,  teve oportunidade de conhecer num bar um homem, ainda jovem, a quem ele ouviu e ficou sabendo dos seus problemas. O que aconteceu na vida desse jovem foi muito parecido com o que aconteceu na sua, e a sua situação atual era muito parecida com a que ele  teve que passar numa determinada época.
Foi para casa, ficou pensando no assunto. Estava determinado a fazer algo para ajudá-lo, mas o que fazer? Pensou, pensou e, finalmente, chegou a uma conclusão: “Se aquele jovem chegou ao fundo do poço onde ele está, é porque, de alguma forma, ele mesmo provocou isso. Ele carrega dentro de si alguma disfunção e, portanto, não adianta nada lhe dar algo antes que ele esteja curado e, assim, possa, efetivamente, aproveitar alguma eventual oportunidade”.
Então, decidiu ajudá-lo a se curar, a recuperar a sua autoestima, sua capacidade de sonhar, e de trabalhar para realizar.  E, assim fez.  Conseguiu abrigo para ele numa pensão barata, lhe deu roupas e acessórios simples para usar no trabalho, e lhe conseguiu inicialmente alguns servicinhos  básicos. Conforme foi sentido firmeza, retorno, entusiasmo, foi aumentando as responsabilidades, salário, benefícios.  Gradualmente, o jovem foi se recompondo, até que, finalmente, se recuperou totalmente e pode seguir sozinho dali em diante..
Ele ficou muito feliz com o que aconteceu, com o que pode proporcionar.  Ele mesmo não tivera essa oportunidade. Sua superação foi conseguida por mérito exclusivamente seu. Entretanto, tinha consciência de que a maioria desses seres não conseguem se superar sozinhos e, o que é pior,  acabam decaindo mais e mais, num processo recorrente e sem fim.  
Essa reflexão o levou a ter uma ideia. Por que não ajudar mais pessoas assim? Decidiu fazer isso. E, a partir daí, envidou todos os seus esforços para criar uma ONG  com essa finalidade. E, como resultado do seu trabalho, através de subsídios públicos e privados que obteve, criou a hoje tão famosa ‘Volta à Vida’, que desde a sua fundação  vem  trabalhando nesse sentido.  
Passaram-se quase 40 anos desde que ele se viu abandonado. Hoje, tantos caminhos percorreu, que conseguiu chegar na outra ponta, onde estão as pessoas com condições e disposição de socorrer esses infelizes, desesperados, inconscientes, dependentes.  A sua organização tem a oportunidade, a capacidade, e vem acolhendo e reerguendo, milhares de pessoas que, como ele,  já estiveram no limite desumano da indigência.

"Muitas vezes, devemos descer ao fundo do poço, para ver as estrelas refletidas em suas águas."


(JA, Ago14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,