Pular para o conteúdo principal

Transformações


Luíza é uma senhora que deve ter atualmente cerca de uns 90 anos. Ela sempre foi bem disposta, saudável,  apesar da perda de memória que vem se agravando nos últimos anos. Mas, de uns tempos para cá, ela não estava mais se sentindo tão bem.   O médico a examinou e recomendou que ela se agasalhasse melhor nos dias frios; que se alimentasse bem, mas com moderação; que procurasse se manter tranquila; descansasse; e que, logo logo iria voltar a se sentir bem. E foi isso que ela passou a fazer.  Sorrindo,  lembrou-se  daquela estorinha das duas bananas, uma bem madura e outra menos. Elas conversavam, e a bem madura perguntou para a outra:
- O que será que são essas manchas pretas que apareceram na minha casca?
A outra então respondeu:
-  Isso não é nada. É normal. Elas  devem desaparecer sozinhas, com o tempo. Fique tranquila, relaxe.
Naqueles dias em que esteve de repouso, teve mais tempo livre, e  passou a refletir. Chegou à conclusão que, durante a sua vida, representou vários personagens,  resultado de uma  contínua autotransformação.
Ela nascera em uma família bem estruturada, em todos os aspectos: equilibrada, razoavelmente tranquila na parte financeira, bem relacionada socialmente, etc.  Enfim, era um lar aparentemente ideal. Ela  havias sido  um bebê e uma criança bonita, inteligente, alegre, meiga, carinhosa, tudo reunido num pedacinho adorável de gente.
Antes mesmo de entrar no Colégio, começou aprender um outro idioma, com professores particulares, e a frequentar uma Academia onde aprendeu a nadar.  Em seguida, entrou no Colégio, onde foi uma ótima aluna, e conseguia passar de uma série para a outra mais adiantada, sem muito esforço.  Frequentava um Clube que tinha uma Escola Cultural, onde,  além de treinar natação, fazia balé, teatro, e condicionamento físico.   Seu técnico logo descobriu o estilo no qual ela mais poderia se destacar, e começou a prepará-la para melhorar seu desempenho.  Assim que julgou que ela estava pronta, passou a incluí-la  em competições - inicialmente nas da sua cidade, depois nas do seu estado e, finalmente, nas nacionais. Aos 15 anos,  sagrou-se campeã Estadual pelo seu Clube, naquela modalidade.  Isto não foi pouco.
Frequentou e se formou numa boa faculdade, fez especializações no exterior, e começou a trabalhar dentro de sua área de formação. Inicialmente como estagiária, e depois, como funcionária contratada por uma grande empresa, multinacional.  Seu salário foi aumentando proporcionalmente às responsabilidades que foi assumindo. Não demorou muito, pode comprar seu próprio carro e apartamento.
Conheceu e começou a namorar um rapaz do mesmo nível que ela. Se deram tão bem que o casamento deles não foi surpresa para ninguém.  Após o segundo filho, concluíram que seria melhor ela dedicar seu tempo exclusivamente ao lar, às crianças.  Como muitas vezes acontece nesses casos, ela não voltou mais a trabalhar, tantas foram as demandas internas, e, principalmente, porque na sequência vieram mais dois filhos.
Sua vida, a partir de então, não mudou muito. Com os filhos crescidos, teve mais tempo livre e passou a se preocupar mais com o próprio condicionamento físico, a descobrir ilhas de interesse relacionadas com arte, principalmente desenho e pintura. Nessas ilhas conheceu pessoas afins, com quem passou a se relacionar e a trocar experiências.
Vieram os netos; seu marido, há alguns anos atrás, após uma grave enfermidade, veio a falecer; e, finalmente,  ela chegou nos dias de hoje.
Revendo esses personagens que ela foi, seu desempenho em cada dos papeis que teve que cumprir, independentemente do destaque, não se arrependeu de nada.  Todos foram bons e lhe deram oportunidade de desempenhar outro, outro. Neste final previsível de existência,  pode constatar que cumpriu uma vida onde representou todos os papeis adequados para a sua idade na época, e que a sua atuação sempre foi extraordinária, tanto que ela sempre foi lembrada para outros e outros papeis, cada vez mais complexos. Além disso, tal foi a qualidade do seu desempenho que conquistou uma quantidade enorme de admiradores e o seu público foi ficando cada vez mais exigente, não admitindo falhas,  esperando que ela fosse sempre a melhor.  Essa exigência contribuiu para ela se aprimorar e a tornar quem se tornou. O reconhecimento que lhe prestam por conta disso, a enche de satisfação. Porém, devagarinho, ela está se conscientizando de que o que tinha que fazer já esta feito. 
O que não percebeu é que, mesmo agora, está representando um outro personagem, talvez o mais importante de todos: o de uma figura mítica, protagonista de uma história venturosa, longa e bem sucedida. 
Ela, por ser quem foi e conseguiu vir a ser, serve agora de modelo para um cem número de pessoas, especialmente para os mais jovens e próximos Seu exemplo e palavras lhes servem de bússola para ajudá-los a definir e a tomar a direção das melhores decisões.

"Não são os anos da sua vida que contam, mas a vida em seus anos." (Abraham Lincoln)




(JA, Ago14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,