Pular para o conteúdo principal

Novo Mundo


Luis, embora ainda jovem pelos padrões atuais, era um homem meio que vencido pela vida. Já há algum tempo, ao contrário do que sempre foi, tudo o que ele fazia era feito com dificuldade e não lhe trazia prazer algum - seu trabalho, família, finanças, relações.  Enfim, estava meio depressivo. Recentemente, lhe ocorreu que talvez devesse promover uma grande mudança do seu cotidiano para, quem sabe, reacender o antigo entusiasmo, alegria pela vida e suas possibilidades.
Naquela noite, quase manhã, ele teve um sonho muito diferente Sonhou que estava numa sala - que deveria ser a da sua casa mas não era -,  com mais alguém que não identificou, que permaneceu sempre oculto.  Num determinado momento, um homem alto, negro, sério, bem vestido, com um paletó de gola arredondada onde se destacava um detalhe amarelo, atravessou a sala. Esse homem passou por eles, sem dar atenção, e se dirigiu para uma porta da sala, e  se preparava para abri-la. Luis, ao contrário do que seria a sua reação normal, e com um tom de voz diferente do habitual, o questionou com firmeza, mas calmamente:
"- O que o senhor está fazendo aqui?"  
O homem  apenas o olhou, mas não  respondeu. Luis pediu  então que  ele se retirasse.  O homem altivo, mas respeitoso, continuou abrindo a porta, como fazia quando foi surpreendido.  Luis disse:
"- Por aí não! Por aqui.”
E indicou uma outra porta de saída da sala, que dava para um corredor lateral da casa, de serviço.  E o homem saiu.  
Algumas horas mais tarde, já tinha saído de casa e  estava dirigindo seu carro, numa estrada, a caminho do trabalho.  Num determinado trecho, como sempre fazia, saiu da estrada e entrou à direita, num acesso exclusivo para se fazer o retorno, ou para atravessar a pista como pretendia. Na pista, do lado de onde veio, não havia muito trânsito naquela hora. Do outro lado, pelo contrário; era intenso. Ficou aguardando um espaço para atravessar. Nisso,  um outro carro que pretendia fazer a mesma coisa que ele, ao invés de ficar atrás, esperando a sua vez, se posicionou ao seu lado, lhe impedindo a visão dos veículos que vinham do sentido oposto.
Ficou meio que indignado; mas, o que fazer? Ficou aguardando que ele atravessasse, para depois fazer o mesmo.   E foi o que aconteceu. Entretanto, quando chegou do outro lado, percebeu que havia feito uma grande besteira. Distraído pelo importuno, pelo apressado, atravessou olhando apenas para a pista contrária, movimentada, e não para aquela  de onde tinha vindo. Antes de cruzar a pista movimentada, necessariamente atravessou a outra, sem olhar... Naquele momento, por que não, poderia estar passando um outro veículo, que poderia ter batido na sua lateral esquerda, em alta velocidade. Aquilo teria sido desastroso, literalmente. Sentiu então aquele arrepio que se sente quando nos conscientizamos de que, por pouco, escapamos de um grande perigo.
Realmente,  aquela poderia ter sido a sua última viagem! Mais tarde refletindo, relacionou esse fato anormal - pois  sempre foi um motorista hábil, prudente, atento -, com o sonho que tivera naquela madrugada. 
Aquele homem estranho poderia ser a própria ‘Morte’, ou seu representante. Porém, ele não concluiu o que tinha vindo fazer. Alguém, através dele (Luis), não aceitou; lhe informou que ainda não era a hora.
Pensando nisso, resolveu aceitar a oportunidade e aproveitar melhor a vida adicional que lhe foi concedida. Algum propósito haveria para ele ter sido poupado. Talvez lhe coubesse ainda realizar alguma coisa importante, para ele mesmo ou para alguém.  
Desse dia em diante, passou a observar melhor tudo com o que se deparava no seu dia a dia, e a tentar descobrir o que de bom existia em cada pessoa, nos acontecimentos, na beleza da natureza, nas obras de arte,... 

Em tudo sempre existe algo de bom, mas raramente evidente. E, para muitas pessoas, como para ele anteriormente, acabavam por passar despercebidas. 


"Se procurar bem você acaba encontrando  Não a explicação (duvidosa) da vida,  Mas a poesia (inexplicável) da vida." 
 (Carlos Drummond de Andrade, em 'Corpo', 1984)


 (JA, Ago14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,