Pular para o conteúdo principal

Autoajuda


Ela sempre foi muito bem sucedida pessoal, profissional e socialmente.  Tinha um ótimo emprego, era respeitada, muitos amigos etc. Conseguiu organizar sua vida de tal forma que as coisas fluíam sem grande esforço, naturalmente.  Ela era autoconfiante e imaginava que seria sempre assim.
Num determinado dia, por razões estruturais na empresa onde ela trabalhava, foi despedida, apesar de tudo que havia realizado, da sua experiência e competência.  Recebeu nessa oportunidade um bom bônus suficiente para se manter durante o período de transição.
Começou a procurar recolocação na sua rede de contatos, fez algumas entrevistas, mas nada se concretizava. Com o passar do tempo, tendo esgotado a lista de pessoas que provavelmente poderiam ajudá-la, começou a ficar preocupada. Mas, mesmo então, não perdia a esperança. Tudo iria dar certo no finalmente!
Teve um pensamento preocupante:  talvez, o fato de não estar conseguindo, fosse por ela ser o que era, ou que acreditava ser.
Começou a rever o que aconteceu em cada entrevista e percebeu uma característica comum a todas: 'Sempre se mostrou segura, tranquila. Sabia o que deveria ser feito e como'. Concluiu que, indevidamente, possa ter tratado todas as pessoas que a entrevistaram como um colega de trabalho,  ou como alguém que precisasse de orientação, conselhos. Pode ser que tenha projetado para o entrevistador ser alguém com opiniões muito consolidadas, difícil de controlar, e que, provavelmente, iria causar problemas lá na frente. E então, concluíam: ‘Melhor não arriscar!’ 
Como suas entrevistas eram feitas com os próprios proprietários do negócio ou diretores da empresa, teve a humildade de concluir que sua atitude e falas nessa hora deveriam ser revistas para conseguir o resultado esperado.
Começou a definir como seria a apresentação ideal, e listou os seguintes pontos:
  • Nesse encontro procurar ser agradável, simpática, fazendo contato visual, demonstrando entusiasmo.
  •  Não informar o que  espera ou poderá oferecer para o empregador. Inicialmente, procurar saber, entender tudo sobre a oportunidade de trabalho que lhe está sendo proposta.  Eventualmente ela não virá atender às suas expectativas. E, além disso, essas informações poderão ajudá-la a incluir ou a excluir eventuais falas, para estimular a decisão positiva do entrevistador.   
  •  Tentar se destacar – pelas suas roupas, acessórios, por um fato incomum na sua educação ou carreira, um projeto bem sucedido, uma venda enorme que você fez,... O importante é que, quando sair dali, seja lembrada positivamente, e se destaque entre todos os outros demais candidatos.
  •  Ser  positiva em tudo que você disser – jamais fale mal da antiga empresa, empregador, colegas de trabalho, clientes. As coisas negativas são as marcam mais e, certamente, você não quer ser lembrada assim.
  •  Fazer muitas perguntas sobre ‘seu novo’ emprego: o que esperam que você realize logo no início; o que pode e deve  fazer para obter os resultados esperados; como será avaliada. Essas coisas são importantes pois dará oportunidade ao empregador de concluir que você é uma boa opção para ele, para o seu negócio.
  • Guardar todas as suas perguntas sobre política de férias, benefícios, horário de almoço, como a empresa reage a atrasos, disponibilização de creche,..., para depois.  Antes disso, o empregador precisa ter certeza de que você é a pessoa certa para o trabalho, que conseguirá desempenhar as tarefas, e cumprir as responsabilidades e deveres  inerentes à função ou cargo.
  •  Levar e apresentar na entrevista um projeto seu, que tenha sido implantado, e que demonstre sua habilidade para tratar de assuntos que venham ao encontro da necessidade imediata do empregador (que você já deve ter descoberto previamente). Os projetos falam por si mesmo, e comprovam a sua capacidade.
  •  Ao fim da entrevista, se precisar de mais alguma informação antes de tomar sua decisão, pedir. Se tudo bem, demonstrar que quer a vaga, esclarecendo quais são suas motivações, porque seria bom ser contratada, e, finalmente: ‘Pedir o emprego!’
  •  Antes de encerrar a entrevista, dizer que gostou de conhecê-lo (o entrevistador), e agradecer pela oportunidade. Tudo de forma natural, de acordo com a cultura da empresa, que você captou, após, ouvir e observar atentamente tudo o que foi dito e sugerido durante a entrevista.

Depois dessa reflexão, passou a agir assim nas entrevistas que conseguiu agendar. Percebeu que essa nova postura era muito mais eficaz do que a anterior. Pouco a pouco, foi se sentindo mais segura e conseguindo cumprir esses pontos naturalmente. Em pouco tempo, conseguiu encontrar o emprego que precisava,  e que tinha condições de atender.
A grande lição que tirou é que, no passado, adotava a tendência comum de reagir de acordo com sua formação, cultura, experiência, e interesses imediatos.  Se conscientizou de que, para ser bem sucedida, é fundamental superar o ego, e se colocar na posição do outro, ver as coisas do seu ponto de vista e interesses, principalmente se necessitar dele para atingir o seu objetivo.

 “Se há algum segredo no sucesso, consiste na habilidade de aprender o ponto de vista do outro, e de ver as coisas tão bem pelo ângulo dele como pelo seu.”  Henry Ford 



(JA, Ago14) 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,