Pular para o conteúdo principal

Esperança


Muito se tem dito sobre esperança, mas, basicamente, ter esperança é ter desejos, sonhos, e acreditar, ter fé, que eles ainda serão realizados.
O desejo mora em nosso inconsciente e tudo o que fazemos é movido por ele. Nossos instintos primitivos foram moldados de acordo com a nossa criação e geram impulsos que seguem os trilhos criados pela nossa experiência.  É por isso que o significado da mesma coisa pode ser diferente dependendo da pessoa. Aquele doce de abóbora caseiro que adoro, para você pode não significar nada de especial, pois as nossas memórias ligadas a ele são diferentes.
Ter a esperança interrompida, deixar de ter desejos, de sonhar, por conta de uma grande perda, por uma grande frustração, é grave. Considerando a validade da informação abaixo, a pessoa que deixar de ter esperança, desejos, sonhos, praticamente estará deixando de viver, e não irá realizar o que poderia.
"Você é o seu desejo mais profundo. Como é o seu desejo, assim é a sua intenção. Como é a sua intenção, assim é a sua vontade. Como é a sua vontade, é a sua ação. Como é a sua ação é o seu destino". (da coleção de antigos textos védicos, conhecidos como 'Upanishads')

Para evitar esse estado, é importante se ter consciência de que é exatamente nas horas difíceis que é necessário ter fé, acreditar que tudo dará certo, manter o bom humor, ter paciência. Agindo assim estaremos deixando espaço para as oportunidades nos encontrarem. Conseguir ficar naquela situação de esperar o inesperado.

A propósito,  Fernando Pessoa, 1888-1935, o poeta português,  escreveu  na parede do quarto onde morou os últimos 15 anos de sua vida, em Lisboa, na Rua Coelho da Rocha 16, uma frase que vem ao encontro desse pensamento:
"Nunca desejei senão o que nem podia imaginar".
Por outro lado, aquele que não tem mais esperança, mas que, mesmo assim, continua lutando por um objetivo, estará muito mais perto de encontrar, alcançar, realizar, o que precisa para se recompor, do que qualquer um outro.  
  
‘Gostaria de te desejar tantas coisas.
Mas nada seria suficiente.
Então, desejo apenas que você tenha
muitos desejos. Desejos grandes.
E que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade.’
(Carlos Drummond de Andrade)




Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,