Pular para o conteúdo principal

Medo



Alguns medos são comuns à espécie humana e foram originados por diversos motivos. Acabaram por levá-la, em diversas épocas, a se adaptar para sobreviver. Essas reminiscências do passado histórico ficaram registradas no DNA da nossa espécie e, muitas delas,  carregamos e nos são úteis até hoje. Por exemplo: medo de altura, de animais predadores, de herbívoros agressivos, de serpentes, de ratos e de insetos, etc.

A ansiedade antecede ao medo. Na ansiedade tememos antecipadamente o encontro com a situação ou objeto que possa nos  causar algum mal. É possível se traçar uma escala de graus de medo, na qual o mínimo seria uma leve ansiedade, e o máximo o pavor

O medo é uma das emoções básicas do ser humano. E, como se pode depreender, é um sentimento especialmente útil. Quando sentimos medo, é o nosso inconsciente alertando que algo não está funcionando bem, que algo vai acontecer, que devemos procurar corrigir ou nos proteger.

Nosso corpo, nessa situação, é bombardeado por uma descarga de adrenalina que causa aceleração cardíaca e tremores, deixando-nos prontos para lutar, reagir, ou fugir.

O medo, se exagerado, é uma doença (a fobia). Nesse nível ele compromete as relações sociais, e causa sofrimento psicológico, devendo ser  tratado clinicamente. A técnica mais utilizada pelos psicólogos consiste no encorajamento do paciente a enfrentar seus medos recorrentes. E, progressivamente, a sua cognição, que antes gerava sinais exagerados de alerta, vai se equilibrando, normalizando.

A propósito, todos os livros infantis abordam o tema 'medo'. Em princípio, as histórias infantis têm uma vertente educativa. A ideia é que as histórias mostrem a possibilidade, e estimulem às crianças a superarem seus medos previsíveis, naturais.

Atualmente, um dos grandes medos que temos é o medo da mudança. As pessoas preferem viver no conforto do conhecido, no mundo a que estão habituadas, a se adaptarem a um novo, gerado por tantas e frequentes inovações tecnológicas, sociais e políticas  Hoje, a informação já não é mais privilégio de uns poucos, a formação profissional e a relação de emprego são muito diferente do eram há dez anos atrás, e por aí vai.

Aqueles que não percebem o fim de um mundo a que estavam acostumados, acabam por ser destruídos com ele. Há momentos na história em que tudo parece acontecer de uma maneira muito acelerada. Então, precisamos ser flexíveis ou resilientes – como se diz –, e nos adaptarmos, para conseguir sobreviver.  Novamente, o medo. Neste caso, na hipótese de exclusão, o medo deve servir para  o homem como um mecanismo de aprendizagem,  evolutivo, e de sobrevivência da espécie.

Além de superarmos o medo da mudança, o ideal é ir além, transformando-nos em agentes dessa mudança.  Agindo assim, não seremos levados, mas conduziremos, o que, certamente, nos dará mais segurança. Vamos ficar ansiosos sim, mas não por medo; vamos ficar ansiosos para ver o resultado do que podemos construir. De acordo com Fernando Pessoa:

                                

(JA, Mai14)



 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

O Homem do Saco, ou Papa Figo

Segundo a lenda, O Homem do Saco pega e carrega crianças que estejam sem nenhum adulto por perto, em frente às suas casas, ou brincando na rua. O sinistro Homem do Saco, também conhecido como ‘Papa Figo’, não tem poderes misteriosos ou místicos, muito menos habilidades sobrenaturais. Mas possui o atributo mais perigoso que pode existir - a mente humana. Originalmente Papa Figo possui uma aparência comum, ainda que bastante feia. É descrito como um homem velho e de jeito esquisito; é comum vê-lo sempre carregando um grande saco pendurado nas costas. Devido ao seu jeito costuma chamar a atenção das pessoas. Por conta disso, o velho Papa Figo prefere agir por meio de seus ajudantes para atrair suas inocentes vítimas, em geral crianças com idade abaixo dos 15 anos. Mas há relatos de jovens de 16 e 17 anos que tiveram seu sumiço associado ao Papa Figo. O Papa Figo seria um homem de bastante posses que, através de promessas de pagamentos em dinheiro, acaba at