Pular para o conteúdo principal

Cachorro

Ontem, caminhando pela praia, nas primeiras horas da manhã, ao passar por um determinado trecho, encontrei - ou fui encontrado -  por um cão Basset marrom, bem alimentado, de meia idade, e bem humorado. Cheirou-me, como fazem os cães e, a partir daí, começou a andar comigo.

Há poucos metros, estava um Poodle, branco, grande, todo enfeitado.  Ele sentiu que seu espaço estava sendo invadido pelo Basset e reagiu, com latidos, corridas, e agressões. O Basset se defendeu como pode. Entretanto, não era páreo para o Poodle ‘gigante’ - gigante para ele. Gritei, fiz barulho, e consegui espantar o 'invadido'.

Seguimos em frente. Ele não me dava atenção. Todo esperto, distraia-se com isso e com aquilo, e continuamos. Mais adiante, havia um trecho de praia onde as ondas batem nas pedras, que atravessei no intervalo entre ondas. Mas ele, não arriscou - passou subindo nas pedras, mais seguro. 

Na sequência, havia um bando de urubus andando em volta e bicando algo que, como vi depois, era a carcaça de uma tartaruga marinha, que havia sido trazida pelas ondas. Ele, não teve dúvidas: saiu correndo, atropelando, latindo em direção aos urubus. Pensei: vai apanhar de novo! Não; os urubus cederam o espaço, ficando no entorno. Foi lá, cheirou, e pronto.

Passei pelo grupo e continuei. Ele veio atrás. Fomos até um rio que marca o fim da praia e, como não era possível continuar, voltamos.

Cruzamos com os urubus de novo; no lugar onde as ondas batem nas pedras, ele arriscou a passar no intervalo, e se deu mau - molhou-se todo. Sacudiu-se, encontrou e tornou a ‘brigar’ com o Poodle, e continuamos.

Eu estava apreensivo pois a partir dali, naquele trecho de praia, não é permitida a entrada de cães. Mas, fomos. Quando estava chegando, na altura onde eu deveria parar, sair da praia, um salva-vidas, guarda da praia, veio em minha direção -  provavelmente para dizer que ali cães eram proibidos. Antes que ele falasse qualquer coisa, contei a história, e pedi que me ajudasse a mandar o cão de volta para o local onde eu o encontrei inicialmente.

- Esse cão gostou do senhor!

- Não, não. Ele apenas me confundiu com alguém!

O Basset olhou-me nos olhos, com um olhar sincero e interrogativo, que até agora tento compreender. Virou-se e, por conta própria, foi embora, de volta.

Naquele dia, eu estava sozinho, buscando me equilibrar, encontrar algumas respostas, .... Pode ser que aquele cão não estivesse perdido, pedindo para ser adotado. Talvez, ele tenha percebido como eu estava me sentindo, e tenha sido solidário, tentado ajudar.

Obrigado companheiro. Valeu. Senti-me bem melhor depois do nosso encontro. Espero que você esteja bem também.

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,