Pular para o conteúdo principal

Simone Tebet

 Candidata à Presidência da República do Brasil em 2022

 


Quem é Simone Tebet  

Simone Tebet tem 52 anos, é natural de Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul, e foi confirmada em 27 de julho como candidata do MDB à Presidência da República, em meio à polarização da sigla por Lula e Bolsonaro.

A senadora, formada em direito, começou sua carreira política em 2003 como deputada estadual. De 2005 a 2010 foi prefeita de sua cidade natal por 2 mandatos. Deixou o cargo para ser vice-governadora do MS. É filha do ex-presidente do Senado Ramez Tebet, que morreu em 2006.

De 2013 a 2014, Tebet foi secretária de governo até que, em 2015, foi empossada como senadora da República. Venceu as eleições para a Casa Alta em 2014 com 52,61% dos votos válidos no Estado.

No Senado, Tebet foi a 1ª mulher a ser presidente da principal comissão da Casa, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Durante a pandemia, foi uma das mais críticas ao governo de Jair Bolsonaro durante a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid.

Em entrevista na época, a senadora disse que o relatório da comissão seria um fator ‘muito forte’ para um impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro.

Apesar do tom crítico, acentuado durante e pós a pandemia, Tebet apoiou diversas das principais pautas governistas. Votou favorável à PEC (Proposta de Emenda à Constituição) das bondades e do piso salarial dos enfermeiros mais recentemente. Antes, votou a favor da reforma da Previdência, no 1º ano do governo Bolsonaro.

Nesses casos, a 1ª elevou benefícios como o Auxílio Brasil e o vale gás, além de criar um voucher para caminhoneiros. Já a 2ª colocou na Carta Magna o direito de enfermeiros e parteiras terem piso salarial definido por lei.

Em 2021, Tebet foi a 1ª mulher a se candidatar à Presidência do Senado. Começou como o nome do MDB, maior bancada da Casa, mas depois que sua derrota ficou iminente, a sigla retirou o apoio oficial. Perdeu para Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que teve 58 votos, ante 21 da senadora.

No ano seguinte, Tebet foi a 1ª senadora a assumir a liderança da bancada feminina da Casa Alta, criada em 9 de março. Ela passou o bastão para a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), agora cotada para ser vice em uma chapa 100% feminina ao Planalto.

3ª Via e Campanha

Desde quando o STF anulou processos e devolveu os direitos políticos ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT), em março de 2021, integrantes de partidos políticos, organizações e movimentos sociais tentaram viabilizar um nome para combater a polarização entre o petista e Jair Bolsonaro (PL).

Diversos nomes entraram na disputa ao longo de 2021, mas a escolha ficou para 2022. A indefinição neste ano, que se estendeu por meses com desavenças, rachas de partidos e desistências, chegou ao fim nesta 4ª feira (27.jul.2022) com a oficialização da candidatura de Simone Tebet, e apenas 3 partidos unidos nesse grupo: MDB, PSDB e Cidadania.

Em 8 eleições para presidente, nenhuma 3ª via deu certo no Brasil. Em 1989, por exemplo, a esquerda se dividiu e perdeu a eleição. Lula (PT) e Brizola (PDT) ficaram em 2º e 3º lugar, respectivamente, derrotados por Fernando Collor (PRN). A opção de 3ª via de centro inexistiu em todas as disputas.

Para ser a candidata do grupo, Tebet deixou pelo caminho nomes como o do ex-juiz Sergio Moro (União Brasil-PR) e dos tucanos João Doria e Eduardo Leite.

Durante a pré-campanha, a emedebista focou seu discurso em ser uma opção à polarização de Lula e Bolsonaro. O programa de governo deve ter foco principal no combate à pobreza. Esse tema seria dividido em atenção à 1ª infância e ampliação de programas sociais.

O responsável pelo programa é o ex-governador gaúcho Germano Rigotto, que governou o Rio Grande do Sul de 2003 a 2007. Ele também já foi deputado estadual e federal pelo MDB gaúcho.

Dentro da campanha de Tebet, a ideia é que o programa será liberal na economia, e progressista em outras áreas. Discurso que vai ao encontro das críticas feitas pela pré-candidata aos extremos. Fala-se que a senadora teria uma espécie de ‘presidencialismo de conciliação’.

Outro tema que tem sido bastante abordado pela senadora é o da valorização das mulheres. Ela chegou a dizer que ‘mulher vota em mulher’.  Afirmou que, caso eleita, seu ministério será paritário, ou seja, terá o mesmo número de homens e mulheres.

‘Mulher vota em mulher porque a mulher que faz sucesso, que se empodera, puxa outras mulheres para cima. Hoje, mulher vota em mulher. No passado, o que não tínhamos era oportunidade’, declarou.

Chapa 100% Feminina

Tebet confirmou no começo de agosto que teria uma chapa composta só por mulheres. A senadora Mara Gabrilli (PSDB) foi a escolhida. O arranjo veio depois da desistência de Tasso Jereissati (PSDB).

O fator decisivo para a equipe de Tebet foi o resultado das duas últimas pesquisas qualitativas encomendadas pela campanha. Os estudos mostraram que Tasso não agregaria eleitoralmente à chapa, o que acontece no caso de uma vice mulher.

Tasso confirmou que o seu nome foi levantado para compor a chapa com Tebet, mas alegou que ‘nada representaria melhor’ a candidatura da senadora do que uma chapa com Mara Gabrilli.

Tebet destaca a importância da chapa feminina e relembrou a trajetória do partido para definir a candidatura para as eleições. O mote da campanha é ‘amor e coragem’ e a figura materna é recorrentemente citada pela candidata. 

Gabrilli já foi deputada federal, vereadora e secretária municipal de São Paulo da Pessoa com Deficiência. Atualmente, está na metade do seu mandato no Senado e não vai perder a vaga por conta da candidatura a vice-presidente.

Divergências no Partido 

Mesmo em pré-campanha, Tebet segue estagnada nas pesquisas de intenção de voto junto aos eleitores. Tebet pontuou 3% nas duas últimas rodadas do PoderData. Antes, sua maior pontuação havia sido de 1%. Aposta agora no começo da campanha no rádio e na TV para crescer.

Esse foi um dos argumentos para que emedebistas da ala que apoia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tentassem suspender a convenção no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O principal articulador desse movimento foi o senador Renan Calheiros (MDB-AL). Na 3ª feira (26.jul), o ministro da Corte Edson Fachin negou o pedido.

 Em 18 de julho, integrantes do partido, de 11 unidades da Federação, declararam apoio ao ex-presidente Lula ao Palácio do Planalto ainda no 1º turno.

Depois disso, na 3ª feira (19.jul), dirigentes do MDB em 19 Estados ratificaram o apoio a pré-candidatura de Simone Tebet à Presidência da República.

Depois da derrota na Justiça, o entendimento entre os descontentes com a candidatura da senadora é de conformidade. Não haveria mais o que questionar para tentar adiar a convenção. A ideia dos lulistas seria abrir caminho para uma vitória de Lula no 1º turno. O partido, que liberou acordos estaduais, também tem quadros que apoiam Jair Bolsonaro.

Entrevista no JN


A candidata à Presidência pelo MDB, Simone Tebet, tentou se afastar do ‘velho MDB’ em entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo, nesta 6ª feira (26.ago.2022). A emedebista admitiu casos de corrupção e fisiologismo da sigla no passado, mas afirmou que o partido é ‘mais que meia dúzias de caciques’. ‘O MDB é muito maior do que meia dúzia de seus políticos e seus caciques.

É o maior partido do Brasil. O partido que vem da base da redemocratização. O meu partido é o partido de Ulisses Guimarães, de Tancredo Neves, de Mário Covas. De homens Desbravadores corajosos e, acima de tudo, éticos respondeu Tebet à 1ª pergunta da entrevista, feita pela apresentadora Renata Vasconcellos.

A candidata repetiu discurso sobre o ex-presidente e candidato Luiz Inácio Lula da Silva ter tentado, por meio de emedebistas, ‘puxar o tapete’ de Tebet. A convenção do MDB, que oficializou Tebet candidata, foi realizada de forma remota pela plataforma Zoom. O fato foi questionado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por ala da sigla que apoia Lula, e que não queria que a legenda tivesse candidato próprio. O argumento era que a ferramenta não garantia o sigilo do voto.

O principal articulador desse movimento foi o senador Renan Calheiros (MDB-AL). Em 26 de julho, o ministro da Corte Edson Fachin negou o pedido.

Na resposta ao ‘JN’, Tebet se afastou do grupo: ‘Uma meia dúzia que esteve, por exemplo, envolvido no passado no escândalo do petrolão do PT, e que não estão conosco. Aliás, Renata, se você me permitir, né? Tentaram puxar o meu tapete até a pouco tempo atrás. Se tivesse um tapete aqui, eu acho que eu já tinha caído da cadeira também’.

Tebet se colocou como a legítima representante do ‘centro democrático’, como o grupo formado por MDB, PSDB, Podemos e Cidadania. A candidata foi questionada pelos apresentadores sobre a capacidade de formar alianças, e de ter governabilidade com o Congresso, mesmo com pouco apoio no próprio partido.

Para isso, Tebet usou discurso que repete desde a pré-campanha de que fará um presidencialismo de ‘conciliação’. Sobre se daria cargos a indicados por partidos políticos em um eventual governo, a candidata afirmou que escolherá seus ministros pela honestidade e capacidade técnica, mas que estes poderão ser políticos dos partidos que formam sua coligação de apoio.

‘Nós vamos governar com os partidos que se somam conosco. Ninguém faz nada sozinho, mas é preciso apenas duas características, e eu vou exigir apenas duas coisas para estar no ministério, ser honesto e ser competente. Independentemente de qualquer outro posicionamento. E nós temos muita gente honesta no Congresso Nacional, e dentro desses partidos. Os demais vão fazer oposição’, declarou.

Ainda no tema, ela aproveitou para criticar os partidos do ex-presidente Lula, PT, e do atual presidente Jair Bolsonaro, PL, ao citar escândalos de corrupção como o ‘Mensalão’, e desvios na Petrobras. Voltou, neste momento, a dizer que houve envolvimento do MDB nas negociatas.

‘Temos que deixar de lado esse chamado presidencialismo de coalizão, que na realidade é de cooptação. Que aconteceu com mensalão do passado, compraram consciência dos parlamentares para tentar uma reeleição, foram descobertos. Vieram com petrolão, fatiaram a maior estatal do Brasil, e colocaram ali. Inclusive a gente do meu partido, que você tem razão, e do partido do atual presidente da república’, disse.

Foco nas Mulheres

A candidata do MDB disse duas vezes durante a entrevista que é ‘a alma da mulher e o coração de mãe’ na corrida pelo Planalto. Tebet deu preferência à posição materna aos cargos políticos de sua carreira caso seja eleita, e afirmou que o Brasil precisa de ‘união, amor e cuidados verdadeiros’.

Ao se distanciar do que chamou de ‘presidencialismo de coalizão’, Tebet disse que busca ‘fazer diferente’ caso seja eleita. ‘Caso contrário, eu não colocaria meu nome à disposição do Brasil. A presidente que vai governar o Brasil a partir de 1º de janeiro do ano que vem não é a senadora, não é a deputada, não é quem foi prefeita, quem foi vice-governadora. É a alma da mulher e o coração de mãe’, afirmou.

Tebet foi questionada sobre a sub-representação feminina dentro de seu próprio partido, e respondeu que isso se dá com todas as siglas, e que a mudança é um processo, mas que, se for eleita, passará projetos para igualar os salários de homens e mulheres, e para estabelecer um mínimo de 30% para mulheres nas executivas regionais dos partidos.

‘Mulher vota em mulher. Se ela souber que tem uma mulher competitiva, corajosa, que tem currículo, que trabalha. Quantas mulheres de chão de fábrica, quantas professoras, quantas líderes comunitárias, quantas mulheres das comunidades têm condições e liderança. Então, quando nós tivermos 30% de mulheres nas executivas, nós vamos fazer a diferença, e nós vamos mudar esse percentual’.

Bonner Questiona Promessas

O apresentador focou suas perguntas à candidata na área da economia. Citou promessas do plano de governo da emedebista, como a de erradicar a miséria, e questionou como seria possível cumprir esses objetivos diante do quadro fiscal brasileiro.

Entre as promessas do plano de governo também está a entrega de 1 milhão de casas para famílias de baixa renda em 4 anos, zerar fila de atendimentos empoçados por conta da pandemia, e erradicar o analfabetismo.

Nesse tema, Tebet enfatizou que conta com uma equipe de economistas liberais por trás de suas promessas. Entretanto, ela não explicou em detalhes como faria para pagar tudo que consta no plano. As respostas foram mais para a linha de que há dinheiro em caixa para a educação, saúde, habitação, mas que falta vontade política de executar o previsto.

‘Nós temos o melhor time, a melhor equipe dos economistas liberais do Brasil. Então nós temos um compromisso fiscal, mas como meio para se alcançar a responsabilidade social. A agenda prioritária, é o eixo do meu governo, são as pessoas. Agenda social, erradicar a miséria, diminuir a pobreza e acabar com a fome no Brasil’, afirmou.

Entre as fontes de investimento citadas pela candidata também está acabar com as emendas de relator, que ela chama de ‘Orçamento Secreto’. Outra ideia citada por Tebet foi aumentar a faixa de isenção do imposto de renda, cobrar menos da classe média, e tributar lucros e dividendos.

Ser Reconhecida – Meta da Campanha

Na última pesquisa PoderData, divulgada em 17 de agosto, Tebet marcou 4%. A pesquisa foi realizada pelo PoderData, empresa do grupo Poder360 Jornalismo, com recursos próprios. Os dados foram coletados de 14 a 16 de agosto de 2022, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 3500 entrevistas em 331 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%. O registro no TSE é BR-02548/2022.

Durante os 40 minutos da entrevista ao Jornal Nacional, Tebet citou sua história para que as pessoas soubessem de seu passado e currículo. Para a campanha, o principal motivo para que a candidata não suba nas pesquisas é o desconhecimento dos eleitores.

‘Dei aula de, exatamente, como se administra um país, olha que coisa interessante. Jamais imaginei depois que estaria nessa bancada do Jornal Nacional como candidata à presidência da república. Fui deputada estadual, fui vice-governadora, prefeita. Fui considerada a prefeita da industrialização - nunca se levou tantas Indústrias para o nosso estado’, disse enquanto respondia pergunta sobre outro tema. 


                                

 

Fonte: Mateus Maia | Poder360

 

(JA, Ago22)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,