Pular para o conteúdo principal

Av. Paulista, 130 anos

Avenida que nasceu como bulevar afrancesado, renasce como corredor cultural 

Avenida Paulista,1902

Em uma definição que se tornou célebre, o historiador da arquitetura Benedito Lima de Toledo (1934-2019) disse que São Paulo é como ‘um palimpsesto —um imenso pergaminho cuja escrita é raspada de tempos em tempos, para receber outra nova, de qualidade literária inferior, no geral’.

Não é à toa que a avenida Paulista, inaugurada em 8 de dezembro de 1891, o antigo endereço dos barões do café, ‘única por sua posição na cidade e insubstituível em sua elegância’, está no texto de Toledo entre os exemplos do que a cidade foi capaz de criar e apagar, ‘sem remorsos’.

Em 130 anos, que completa nesta quarta (8), a avenida vem se modificando em maior ou menor escala, mas persiste como um símbolo da capital —embora seu nome, proposto pelo engenheiro uruguaio Joaquim Eugênio de Lima, que a concebeu, fosse uma homenagem a todos os nascidos no estado.

A primeira destruição foi a de seu nascimento, transformando em loteamento de luxo a trilha de tropeiros no espigão do Caaguaçu, a ‘mata grande’, da qual só sobrou o parque em frente ao Masp —nascido como Villon em 1892, um ano depois da avenida, e hoje batizado Tenente Siqueira Campos, mas conhecido mesmo como Trianon, nome que ganhou ao ser remodelado em 1911.

Os dois lados do amplo bulevar afrancesado que ali surgiu se encheram de palacetes, primeiro de barões do café, depois de imigrantes endinheirados.

Se a arquitetura eclética paulistana é até hoje tão admirada, isso se dá em parte por ela ser o registro material da época em que a cidade ia cunhando para si a ideia de locomotiva do desenvolvimento do país. Esse mesmo fausto, porém, arrasaria com as mansões da Paulista.

A expansão residencial do centro rumo ao sudoeste deu à avenida seus primeiros edifícios. O pioneiro surgiu em 1936, na esquina da Frei Caneca.

Em pouco tempo o predinho que custou à via três casas, com seis andares de apartamentos para locação, ficaria pequeno no panorama —até ele próprio ceder, nos anos 1970, abrindo espaço para o edifício Sul América Seguros, projeto de Maurício Kogan.

Um a um foram ruindo os casarões senhoriais, sob as bolas de demolição, para dar lugar às sedes do capital semeado lá atrás, como café e indústria. 


Casa das Rosas

Alguns palacetes ainda estão lá, como o último a ser construído. Desenhado por Ramos de Azevedo para sua filha Lúcia e inaugurado em 1935, é hoje a Casa das Rosas.

Atualmente talvez fosse mais difícil levar ao chão essas construções; entre os anos 1970 e 1980, quando a verticalização se incrementou na avenida, os órgãos de patrimônio tinham atuação menos consolidada.

Ainda em 1996 a mansão da família Matarazzo, que tinha seu tombamento discutido, virou pó em uma noite.

Antiga mansão da família Matarazzo

Por anos o terreno foi um estacionamento; hoje é o shopping Cidade de São Paulo, avistado das generosas varandas do edifício Saint-Honoré, bem em frente, projeto de Artacho Jurado, um dos arquitetos empreendedores que melhor exploraram a necessidade de acomodar a classe média no bem servido cetro expandido.

Mas, se os testemunhos daquela primeira época se apagaram, não é possível lamentar por completo seu desaparecimento, considerando o que veio depois –não necessariamente a literatura inferior aludida por Toledo.

Propriedade de Horácio Sabino

A enorme propriedade projetada por Victor Dubugras para Horácio Sabino –um dos sócios da Companhia City, que urbanizou bairros como o Pacaembu–, por exemplo, deu lugar ao Conjunto Nacional.

Empreendimento visionário de Jose Tjurs, que selecionou em concurso a ideia e um jovem David Libeskind, erguido entre 1954 e 1959, se mantém como um dos pontos mais vibrantes e frequentados da avenida.

O belvedere do Trianon também projetado por Ramos de Azevedo foi demolido, ou melhor, transfigurado no vão-livre do Masp.

Pelo gênio de Lina Bo Bardi, há pouco mais de 50 anos o espaço de chás e festas finas firmou-se como ágora das manifestações que adotaram a via como palco principal, valendo-se de sua centralidade, facilidade de acesso e de seu ar de passarela, longa e plana. 


Museu de Arte de São Paulo - MASP

Cartão-postal dentro do cartão-postal, o Masp, aliás, é o vermelho coração no centro da vocação última da avenida, a de corredor cultural. A atividade se exacerbou nos últimos tempos, conforme o sangue financeiro foi bombeado mais para o sul, rumo à Faria Lima e à Berrini.

De ponta a ponta, começando no belo prédio do Instituto Moreira Salles, projeto da dupla Andrade Morettin, até a Casa das Rosas, passando pelo Centro Cultural da Fiesp, pelo Sesc Paulista, renovado pelo escritório Königsberger Vannucchi —com um mirante do qual se desfruta da vista da avenida— e pelo Itaú Cultural, há opções gratuitas ou a preços populares de teatro, cinema, cursos e exposições. 


Pedestres caminham pela avenida Paulista, em São Paulo

As calçadas amplas, tornadas acessíveis em 2007 com a retirada das pedras portuguesas de outros tempos, e a ciclovia central convidam ao passeio —a elas se soma todo o resto da avenida se a visita for num domingo, quando o barulho dos carros e ônibus é substituído por grupos musicais de todo gênero.

Barulhenta ela é, sim, sempre —morar na Paulista é como estar com um aspirador ligado o dia todo, mostrou um estudo. É cinza, mas também colorida pelo caleidoscópio dos passantes. Diversa e desigual.

Morrendo e nascendo um pouco a cada dia, a Paulista é a síntese da cidade que, em 1990, às vésperas de seu centenário, a escolheu numa enquete como sua imagem. O resultado foi oficializado em uma lei, hoje revogada. Sua história de ruína e reconstrução, porém, mostra que a escolha era acertada.



Fonte: Francesca Angiolillo | FSP


(JA, Dez21)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,