Pular para o conteúdo principal

Música ‘Noite Feliz’

 

Manuscrito mais antigo da canção, com autógrafo do seu compositor, pe. Joseph Mohr 

Se há uma canção que não pode faltar na época do Natal, é a clássica Noite Feliz. Em 2018 completaram-se 200 anos desde que Stille Nacht – como é chamada no original em alemão – foi ouvida pela primeira vez, na Igreja de São Nicolau, em Oberndorf, na Áustria, na missa da noite do Natal de 1818. Traduzida para centenas de línguas, Noite Feliz foi declarada em 2011 pela UNESCO um Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. 

A Lenda

Oberndorf, pequena cidade da Áustria, véspera do Natal de 1818.

O padre Joseph Mohr estava desesperado, porque o órgão da igreja estava quebrado.

A cantata de Natal seria um fiasco. Logo na sua primeira naquela paróquia!

Pediu orientação a Deus, e se lembrou que dois anos antes havia escrito um poema simples, também na véspera de Natal, após uma caminhada no silêncio das montanhas e bosques daquela cidade.

Encontrou o manuscrito do poema numa gaveta da sacristia.

Correu para a casa de um amigo músico, humilde, chamado Franz Gruber, e perguntou se poderia musicar aquele poema, para que todos pudessem cantar na missa de Natal.

Franz olhou e disse que sim, poderia, porque a letra era simples, e permitia uma melodia fácil. Mas tinha que ser tocada de violão, não havia tempo para nada mais elaborado.

O padre Mohr agradeceu e correu de volta para terminar de organizar os detalhes da missa.

À noite, Franz chegou na igreja com o violão e reuniu o coral para ensinar a música improvisada.

Que música era, afinal?

Stille Nacht (Noite Silenciosa, conhecida no Brasil como Noite Feliz).

Naquele Natal de 1818, os membros da igreja de Oberndorf, Paróquia de São Nicolau, cantaram, maravilhados, aquela música tão simples e profunda, que se tornou a canção de Natal mais conhecida do mundo.

A música foi gravada por um incontável número de cantores, de todos os gêneros musicais. A versão cantada por Bing Crosby aparece na terceira posição entre os singles mais vendido de todos os tempos, com cerca de 30 milhões de cópias comercializadas no mundo todo.

Realidade


Franz Xaver Gruber, 1787-1863, Austríaco, por Sebastian Stief, 1846

A verdadeira história da canção é controversa. O que se sabe é que, na vila de Oberndorf, o padre Joseph Mohr, 1792-1848, saiu atrás de seu amigo músico Franz Xaver Gruber para que transformasse em melodia um poema que ele havia escrito, a fim de que fosse tocada na missa de Natal que aconteceria horas depois.

Algumas fontes dizem que Mohr havia criado a letra dois anos antes, em 1816.  Nesse caso, Mohr teria apenas 23 anos de idade, e um como padre quando escreveu o poema que deu origem à canção.

Nessa época, a Europa acabava de passar por um momento atribulado – as Guerras Napoleônicas assolaram o continente entre 1803 e 1815. Não é de se estranhar, portanto, que o tema da paz seja a base do texto. A letra original fala de Jesus que ‘como um irmão, abraça carinhosamente os povos do mundo’.

Outras fontes dizem que o padre a escreveu no caminho até Gruber, pois, na verdade, Mohr não estava atrás do músico, mas sim  atrás de um instrumento para ser tocado na Missa do Galo de 1818, já que o órgão de sua paróquia teria tido os foles roídos por ratos.

Nessa versão, Mohr teria ficado deveras preocupado com a falta de um instrumento, e teria inspirado sua letra no humilde Natal de Jesus em Belém.

Assim, a canção foi originalmente composta para violão e flauta. Um arranjo vocal por Mohr surgiu apenas em 1820.  

Em 1845, aparece o primeiro arranjo para orquestra e, em 1855, um novo arranjo para órgão.

Foram feitos novos arranjos por Gruber, apresentados um pouco antes de sua morte, em 1863.

Em 1900, a música já era mundialmente conhecida.


Stille-Nacht-Gedächtniskapelle, ou Capela Memorial Noite Feliz

A igreja de São Nicolau não existe mais. Foi demolida 1913 por sofrer constantes alagamentos, por estar  perto do rio Salzach. Em seu lugar, foi construída, entre 1924 e 1936, num lugar 800 metros mais alto que o anterior, onde ficava a casa em que Gruber viveu por 28 anos, em Hallein, a ‘Stille-Nacht-Gedächtniskapelle’, ou ‘Capela Memorial Noite Feliz’, que, apesar de acolher só 20 pessoas, recebe no fim do ano cerca de 7 mil peregrinos para a missa de Natal, e outros quase 2 mil turistas.


Frei Pedro Sinzig, o autor da versão brasileira da canção

A versão em inglês da canção surgiu em 1859, traduzida pelo padre episcopaliano John Freeman Young, em Nova York. Já a versão em língua portuguesa, é de 1912, e se deve ao frade franciscano Pedro Sinzig.  Nascido na Alemanha, ele veio ao Brasil em 1898, aos 22 anos, e aqui foi ordenado padre, tendo trabalhado por toda a vida no Brasil  – passou por Salvador, Lages-SC, Petrópolis-RJ e Rio de Janeiro.

Está é a história da música Noite Feliz.

O que começou como um momento de pânico e perspectiva de fiasco terminou como um presente de Natal para toda a humanidade em forma de música. 

Feliz Natal!


Fonte: WP |  AAC

 

(JA, Dez20)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,