Pular para o conteúdo principal

Eleições Americanas

 

Os mais importantes veículos da imprensa estão noticiando que Joe Biden venceu as eleições, e já é o Presidente dos EUA.

Entretanto, Joe Biden ainda não pode ser considerado efetivamente como o  Presidente eleito. 

As eleições dos EUA são indiretas, ao contrário das do Brasil  que são diretas. No Brasil cada voto do eleitor é contabilizado para o candidato que disputa as eleições. Nos EUA não funciona assim.

Quando os americanos vão às urnas nas eleições presidenciais, como ocorreu no último dia 3 de novembro, estão na verdade escolhendo um grupo de delegados que representará a decisão do Estado no Colégio Eleitoral.

A palavra ‘colégio’ aqui simplesmente se refere a um grupo de pessoas com uma tarefa comum. Essas pessoas são chamadas de ‘electors’ (eleitores), e sua função é nomear o presidente e o vice-presidente.

O número de delegados/eleitores de cada Estado é aproximadamente correspondente ao tamanho de sua população — e proporcional ao número de parlamentares no Congresso dos EUA (deputados na Câmara e senadores).

A Califórnia tem o maior número de delegados — 55 — enquanto alguns lugares com baixa densidade populacional, como Wyoming, Alasca, Dakota do Norte e Washington DC, têm o mínimo de três.

No total, o Colégio tem 538 delegados.

Cada delegado representa um voto eleitoral, e um candidato precisa obter a maioria dos votos — 270 ou mais — para ganhar a Presidência.

Em alguns Estados, não há uma obrigatoriedade expressa, mas, na prática, esses delegados sempre votam no candidato que ganhar mais votos em seu Estado.

Se um delegado votar contra a escolha presidencial de seu Estado, é considerado ‘infiel’.  Em 2016, sete delegados votaram contrariando a vontade do Estado, mas nenhum resultado até hoje foi alterado por eleitores ‘infiéis’.

Assim, normalmente, o candidato que conquista maioria simples na votação do Estado, ganha todos os delegados deste Estado no Colégio Eleitoral.

Por exemplo, se um candidato ganha 50,1% dos votos no Texas, ele recebe todos os 38 votos eleitorais do Estado no Colégio. Se o mesmo candidato vencesse de forma esmagadora, com, digamos, 70%, ele continuaria levando apenas os 38 votos.

Portanto, é possível que um candidato se torne presidente vencendo uma série de disputas acirradas em certos Estados, apesar de ter menos votos em todo o país.

Existem apenas dois Estados (Maine e Nebraska) que dividem os votos do Colégio Eleitoral de acordo com a proporção de votos que cada candidato recebe.

É por isso que os candidatos presidenciais têm como alvo os chamados Estados-pêndulo — lugares sem preferência clara por Democratas ou Republicanos, onde tanto pode dar um como o outro — em vez de tentar conquistar o maior número possível de eleitores em todo o país.

Cada Estado em que ganham os aproxima dos 270 votos necessários no Colégio Eleitoral.

O que Joe Biden tem neste momento são os votos suficientes para poder vir a ser declarado o novo Presidente dos EUA - alcançou 290 votos no Colégio Eleitoral americano, portanto, mais do que o mínimo de 270 votos necessários para ganhar a eleição.

Todavia, isso não significa que ele já possa ser considerado o Presidente eleito, uma vez que o Colégio Eleitoral ainda não votou.


Os delegados do Colégio Eleitoral se reunirão em 14 de dezembro para votar e escolher qual dos dois candidatos será ao Presidente. A seguir, no dia 6 de janeiro de a 2021, haverá uma sessão do Congresso para realizar a contagem dos votos dos delegados, e declarar o resultado oficial. A posse do novo Presidente eleito pelo Colégio Eleitoral está agendada para 20 de janeiro de 2021.

Historicamente, em cinco ocasiões o Colégio Eleitoral já promoveu grandes viradas contra o voto popular do eleitor, ou seja, cinco Presidentes dos EUA já foram eleitos pelo Colégio Eleitoral, contrariando o desejo manifestado nas urnas pelos cidadãos americano que votaram.

1.  Em 1824, o Democrata Andrew Jackson foi o mais votado, tanto no voto popular, quanto no Colégio Eleitoral. Mas, acabou por não ser eleito Presidente. John Quincy Adams, o segundo candidato mais votado, foi escolhido pela Câmara dos Representantes,  e se sagrou Presidente. 

2.   Em 1876, o Republicano Rutherford Birchard Hayes perdeu no voto popular para o Democrata Samuel Jones Tilden.

Todavia, Rutherford Birchard Heyes ganhou no Colégio Eleitoral, em uma das eleições mais polêmicas até hoje da história americana, e se sagrou Presidente. 

3.   Em 1888, o Democrata Grover Cleveland venceu no voto popular. Porém, o Republicano Benjamin Harrison venceu no Colégio Eleitoral, e foi definido como Presidente americano. 

4.   O Democrata Al Gore Jr, no ano 2000, contabilizou 48,38% dos votos em nível nacional. Entretanto, o Republicano George W. Bush obteve 47,87%.

Se se fosse considerada apenas a vontade popular, Al Gore Jr. seria o Presidente.

Porém, no Colégio Eleitoral, Al Gore Jr. somou 266 votos, contra 271 de Bush. Bush foi definido como Presidente. 

5.  O exemplo mais recente ocorreu em 2016,  protagonizado pelo atual Presidente americano Donald Trump. Naquele ano, o Republicano Donald Trump recebeu 46,1% dos votos populares em nível nacional, sendo que a Democrata Hillary Clinton recebeu 48,2%.

Pela vontade popular, Hillary Clinton seria a Presidente.

Entretanto, no Colégio Eleitoral, Trump obteve então 304 votos, contra 227 votos de Hillary Clinton, e se sagrou Presidente. 

 



Fonte:  BBC News  |   Dvs

 

(JA, Nov20) 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,