Pular para o conteúdo principal

Família Imperial Brasileira – História que poucos conhecem





Desde muito cedo, o imperador Dom Pedro II elegera, como credo pessoal, a filosofia de que quanto maior a grandeza de uma alma, mais profunda deveria se tornar a sua humildade. Assim, muitos historiadores apontam que, entre tantas outras virtudes, seu reinado teve como marca a modéstia e a humildade.

Grande parcela de seus súditos era imensamente mais rica do que ele. Na corte, havia, ainda, residências mais confortáveis e luxuosas que a do imperador, destinadas a cientistas, artistas e intelectuais. Dom Pedro II, contudo, não exigia para si mais do que sua escrivaninha e seus livros, gosto que desenvolveu logo cedo.

Tal fato foi documentado por diversas personalidades ao longo de seu reinado, como na ocasião em que um diplomata francês, em visita ao Brasil em 1842, descobriu Pedro, então com 17 anos, mergulhado na leitura de Platão. Em 1847, o escritor português Alexandre Herculano escreveria: ‘É geralmente sabido que o jovem imperador do Brasil dedica todos os momentos que pode salvar das ocupações materiais de chefe de Estado ao culto das letras’.

Tinha, o imperador, pois, nas ciências e na literatura as mais agradáveis ocupações do trono. Sua bússola moral, sem dúvida, foi a busca pelo conhecimento, com vistas a arrebanhar novas tecnologias para o Brasil, o que colocava em prática sempre que se ausentava do país. Procurava perguntar sobre tudo, mantendo-se informado sobre todos os assuntos.

Nesse requisito, sem dúvida, todas as suas viagens foram coradas pelo mais absoluto sucesso. Na França, procurou pelo cientista Louis Pasteur e o escritor Victor Hugo. Em Roma, após ser recebido pelo Papa Pio IX, foi se encontrar com o romancista Alessandro Manzoni.

Sempre tido como o mais acessível e humilde dos líderes, na Europa, os modos simples de Dom Pedro II desgostaram e escandalizaram a aristocracia. Um monarca que valoriza mais a companhia de um ficcionista boêmio à de Sua Santidade?

Todavia, Dom Pedro II seguia firme em seu propósito de travar contato com as mais proeminentes mentes de seu tempo, não importando seu status dentro da sociedade. Em Portugal, abandonou compromissos de Estado para visitar Camilo Castelo Branco, um grande escritor que caíra em desgraça quando o infortúnio o arrastou à sarjeta.

Em 1876, nos Estados Unidos, sua simplicidade fascinou os burgueses práticos e republicanos. O New York Herald, jornal escalado para cobertura de sua viagem, haveria de estampar em suas páginas: ‘muitos republicanos de Nova York teriam sido mil vezes menos acessíveis que Sua Majestade, o imperador do Brasil’.

De fato, a admiração despertada nos norte-americanos foi tão grande que se apressaram em tomar posse do brilho do personagem, homem prático e empreendedor, alcunhando-o de o Imperador Ianque, ou ainda de o nosso Imperador Americano.

Nos artigos da já tradicionalmente crítica imprensa dos Estados Unidos, as palavras sobre Dom Pedro II são só elogios: ‘Confessamos que nos dá orgulho o nosso imperador americano ao fazer tanta coisa. Viaja sem ruído nem cerimônia. Vai ao fundo de cada questão. Vê tudo o que é possível ver. Não desperdiça tempo com Secretaria de Estado ou títeres de gabinete. Corre para assistir um espetáculo de Shakespeare; daí passa a ver como é feito um grande jornal e, ao amanhecer do dia seguinte, entra na igreja como um bom cristão’. Disse ainda o artigo do New York Times: ‘Se não fosse rei, daria um grande repórter’.

Mais tarde, escreveria um repórter do Washington Post: ‘Dom Pedro volta para o Brasil conhecendo os Estados Unidos melhor do que dois terços dos membros do Congresso’.

Uma caricatura da época, que ironiza esse interesse pelos intelectuais, talvez seja a mais autêntica síntese de quem foi Dom Pedro II do Brasil. A ilustração mostra o imperador chegando a um país estrangeiro e imediatamente perguntando ao seu presidente: ‘Onde estão os seus sábios?’

Escravidão

v  A família imperial não tinha escravos. Todos os negros eram alforriados e assalariados, em todos os imóveis da família.

v  D. Pedro II tentava desde 1848 junto ao parlamento a abolição da escravatura. Manteve por 40 anos uma luta contra os poderosos fazendeiros.


D. Pedro II e Princesa Isabel


v  Princesa Isabel recebia com bastante frequência amigos negros em seu palácio em Laranjeiras para saraus e pequenas festas. Um verdadeiro escândalo para época.

v  Na casa de veraneio em Petrópolis, Princesa Isabel ajudava a esconder escravos fugidos e arrecadava numerários para alforriá-los.

v  Os pequenos filhos da Princesa Isabel editavam um jornalzinho que circulava em Petrópolis, um jornal totalmente abolicionista.


Cultura

v  D. Pedro II falava 23 idiomas, sendo que em 17 era fluente.

v  A primeira tradução do clássico árabe ‘Mil e uma noites’ foi feita por D. Pedro II, do árabe arcaico para o português do Brasil.

v  Em 1887, Pedro II recebeu os diplomas honorários de Botânica e Astronomia, pela Universidade de Cambridge.


Social e Político

v  D. Pedro II doava 50% de sua dotação anual para instituições de caridade, e incentivos para educação, com ênfase nas ciências e artes.

v  D. Pedro II recebeu 14 mil votos na Filadélfia para a eleição presidencial americana, devido sua popularidade - na época os eleitores podiam votar em qualquer pessoa nas eleições.

v  Uma senhora, milionária do sul, inconformada com a derrota na guerra civil americana, propôs a Pedro II anexar o Sul dos Estados Unidos ao Brasil, ele respondeu literalmente com dois ‘Never!’ bem enfáticos.


Ecologia

v  Pedro II fez um empréstimo pessoal a um banco europeu para comprar a fazenda que abrange hoje o Parque Nacional da Tijuca. Em uma época que ninguém pensava em ecologia ou desmatamento, Pedro II mandou reflorestar toda a grande fazenda de café com mata atlântica.

v  A ideia do Cristo na montanha do Corcovado partiu da Princesa Isabel.


Educação

v  Quando D. Pedro II do Brasil subiu ao trono, em 1840, 92% da população brasileira era analfabeta.
Em seu último ano de reinado, em 1889, essa porcentagem era de 56%, devido ao seu grande incentivo a educação, a construção de faculdades e, principalmente, de inúmeras escolas que tinham como modelo o excelente Colégio Pedro II.

v  (1860-1889) O Brasil foi o primeiro país da América Latina, e o segundo no mundo, a ter ensino especial para deficientes auditivos e deficientes visuais.


Austeridade


v  A Imperatriz Teresa Cristina cozinhava as próprias refeições diárias da família imperial apenas com a ajuda de uma empregada (paga com o salário de Pedro II).

v  Pedro II mandou acabar com a guarda chamada Dragões da Independência por achar desperdício de dinheiro público. Com a república a guarda voltou a existir.

v  A mídia ridicularizava a figura de Pedro II por usar roupas extremamente simples, e o descaso no cuidado e manutenção dos palácios da Quinta da Boa Vista e Petrópolis. Pedro II não admitia tirar dinheiro do governo para tais futilidades.


Economia

v  1880
o    O Brasil era a 4º economia do Mundo, e o 9º maior Império da história.
o     Eram 14 impostos, atualmente são 98.
o    A moeda brasileira tinha o mesmo valor do dólar e da libra esterlina.


v  (1860-1889) A média do crescimento econômico foi de 8,81% ao ano.


v  (1850-1889) A média da inflação foi de 1,08% ao ano.


Transporte (1880)

v  O Brasil tinha a segunda maior e melhor marinha do Mundo, perdendo apenas para a da Inglaterra.

v  O Brasil foi o maior construtor de estradas de ferro do Mundo, com mais de 26 mil km.


Liberdade de Imprensa

v  A imprensa era livre, tanto para pregar o ideal republicano quanto para falar mal do nosso Imperador.
‘Diplomatas europeus e outros observadores estranhavam a liberdade dos jornais brasileiros’, conta o historiador José Murilo de Carvalho.
Mesmo diante desses ataques, D. Pedro II se colocava contra a censura. ‘Imprensa se combate com imprensa’, dizia.

v  Alvo de charges quase diárias nos jornais, mantinha a total liberdade de expressão, e nenhuma censura.


Artes

v  O Maestro e Compositor Carlos Gomes, de ‘O Guarani’ foi sustentado por Pedro II, até atingir grande sucesso mundial.




v  D. Pedro Augusto de Bragança Saxe e Coburgo,  primogênito da Princesa Leopoldina - portanto, neto de D. Pedro II,  era fã assumido de Chiquinha Gonzaga.


Patriotismo




v  Santos Dumont almoçava três vezes por semana na casa da Princesa Isabel, em Paris.

v  D. Pedro II andava pelas ruas de Paris em seu exílio sempre com um saco de veludo no bolso que continha um pouco de areia da praia de Copacabana. Foi enterrado com ele.





Fonte: Biblioteca Nacional RJ, IMS RJ, Diário de Pedro II, Acervo Museu Imperial de Petrópolis RJ, IHGB, FGV, Museu Nacional RJ, Bibliografia de José Murilo de Carvalho  |  M.R. Terci, escritor e roteirista, criador de ‘Imperiais de Gran Abuelo’, 2018, e ‘Bairro da Cripta’, 2019,  AH Aventuras na História



(JA, Jan20)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,