Pular para o conteúdo principal

'Brasil acima de tudo’ - ‘Deus acima de todos' (?)






O brado nacionalista só serve como uma boa desculpa para não pensar com a cabeça que nos foi dada.

Desde a campanha eleitoral de 2018, eu me pergunto qual é o sentido possível da divisa ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’.

‘Deus acima de todos’ só se entende se for completado assim: ‘...acima de todos os que acreditam nele’. Para os que não acreditam em Deus, Ele (ou Ela, se for mulher) não está acima de coisa alguma. Para os que acreditam num deus que não é o nosso, o deus acima de todos seria o deles, e, às vezes, os dois deuses pensam diferente.

O maior problema é que, mesmo que acreditemos todos no mesmo deus, nosso entendimento do que ele quer da gente é variado. A história nos presenteou com séculos de guerras pavorosas entre crentes do mesmo deus, cada um convencido de que o tal deus estava combatendo com ele. De fato, no caso, só Deus sabia de que lado estava (eu tendo a pensar que ele estivesse de folga).

Resumindo, para os crentes, a divisa é boa só sob a condição de que o governo que a adota acredita exatamente no mesmo deus deles. Para os não crentes, a divisa é ameaçadora, pois eles prefeririam que a autoridade do Estado fosse fundada na razão e na lei —não num deus que eles não reconhecem.

Mas vamos em frente. ‘Brasil acima de tudo’ é mais estranho ainda. É uma retomada do primeiro verso do ‘Deutschlandlied’: ‘Deutschland über Alles’, Alemanha acima de tudo. As letras foram escritas em 1841, para lembrar que a urgência era a unificação da Alemanha (que era na época uma federação comercial de 35 monarquias e quatro cidades-estados).

A primeira estrofe do canto se tornou o hino do nazismo, pois Hitler queria mesmo reunir todos os ‘alemães’, quer eles fossem austríacos ou vivessem como minorias, na Checoslováquia, na Polônia, na Alsácia etc. (foi com esse pretexto que ele começou a invasão da Europa). Enfim, a estrofe é hoje proibida na Alemanha, pois se verificou que pôr a nação 'acima de tudo' acaba autorizando qualquer turpitude.

Então, qual sentido tem para nós a divisa ‘Brasil acima de tudo’? Duvido que alguém queira invadir o Paraguai porque há 300 mil brasileiros por lá.

Já me explicaram que ‘Brasil acima de tudo’ é um brado dos paraquedistas, inventado no fim dos anos 1960 e adotado oficialmente nos 1980. Tudo bem, mas pergunto: os paraquedistas se inspiraram no quê e em quem? Não foi no começo do hino nazista?



Goebbels, março  1933   Cena do vídeo publicado pelo secretário Roberto Alvim, Jan20


A referência explícita ao nazismo voltou intencionalmente na patacoada do ex-secretário especial da Cultura. Paradoxal e comicamente, na hora de anunciar uma nova cultura ‘nacional’, ele escolheu a trilha sonora preferida de Hitler (Wagner), em vez de, sei lá, Carlos Gomes ou Villa-Lobos.

Mas façamos de conta que ‘Brasil acima de tudo’ seja apenas a expressão de um nacionalismo genérico. Faz sentido?

Só à condição de completar imediatamente: Brasil acima de tudo, ‘contanto que ele tenha razão’.

‘Brasil acima de tudo’, aliás, lembra-me o livro de um fascista italiano que reuniu seus escritos dos anos 1930 sob o título: L’Italia Ha Sempre Ragione’, a Itália tem sempre razão  —frase bizarra hoje, e, na época, hilária.

Quando nasceu a paixão nacionalista, no século 19, havia mentecaptos para afirmar que a nação tinha alma eterna e infalível, mas, infelizmente, a nação só existe e se manifesta na história através de governos e povos concretos. E os governos e os povos são feitos de almas mortais —às vezes, tolas, outras vezes, sanguinárias.

Você perguntará: mas quem decide se o Brasil tem razão? Quem diz quando o Brasil está certo ou não?

Pois é, a resposta não está em nenhum livro de educação cívica. Quem decide é você, só você. Se errar, pelo menos será um erro seu, responsabilidade sua.

Em cada cidadão, a vontade e a capacidade de pensar e julgar está acima da nação. É difícil? Sim, mas durma com isso.

Se seu país amanhã decidir expulsar os judeus, como a Espanha em 1492, você dirá o quê? ‘Arriba, Espanha’? E se ele decidir prender os homossexuais, como Cuba desde os anos 1960, você dirá o quê?

‘Viva la revolución? E se seu país torturar e matar os dissidentes às escondidas, como a ditadura militar brasileira, você vai dizer o quê? ‘Brasil acima de tudo’?

O brado nacionalista, em todas as épocas e em todos os lugares, não é diferente dos outros convites a aderir a uma coletividade, que seja o partido, a torcida, a Igreja ou a gangue: ele só serve como uma boa desculpa para não pensar com a cabeça que nos foi dada —por Deus ou por Darwin.









Fonte: Contardo Calligaris, Psicanalista, autor de 'Hello Brasil!' (Três Estrelas), 'Cartas a um Jovem Terapeuta' (Planeta) e 'Coisa de Menina?', com Maria Homem (Papirus)   |   FSP




(JA, Jan20)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,