Pular para o conteúdo principal

Sentimentos


Augusto sempre se interessou por arte. Começou ainda na adolescência a frequentar cursos de desenho e de pintura.  Jovem ainda, já era um pintor conhecido no meio artístico da sua cidade e, mais tarde, em torno dos seus 60 anos, do seu país, do mercado internacional.
O tema de seus quadros variava. Era como um escritor que, de repente toma contato com algum fato ou fala, e percebe que aquilo daria um bom tema, começa escrever e a obra vai tomando corpo sozinha, como se já não dependesse mais dele. Mas, ultimamente, parecia que havia esgotado todos os temas - estava sem ideia do que pintar.
Refletindo, ocorreu que nas suas seis décadas de existência,  tivera oportunidade de passar por momentos significativos, que ficaram marcados para sempre na sua memória e que, só por isso, mereciam ser imortalizados numa obra de arte.
Começou a listar esses momentos e percebeu que não foram tantos assim. O que mais lhe marcou foram algumas pessoas e alguns lugares que, por isso ou por aquilo, influenciaram seu modo de ser, a sua percepção do mundo. Entretanto, nenhum desses itens daria um bom quadro, a menos que fossem colocados dentro de um cenário, de um momento especial.
De suas lembranças o que destacou foi:
  •   Estar na missa aos domingos na igreja do bairro, junto com seus pais, ouvindo a prédica e as leituras do padre, o canto do coral, o som do órgão, observando as pessoas se ajoelhando, ficando em pé ou se sentando. Alguém recolhendo a ajuda para a paróquia numa sacolinha, todos indo para suas casas depois. O que restou deles, principalmente, foi uma lembrança genérica que remetia às sensações de carinho, simplicidade, responsabilidade, respeito e dedicação. Todos os momentos lhe pareciam tão familiares e prosaicos que, embora passassem uma energia muito positiva, nenhum era único, especial. 
  •  Suas tias muito queridas, pessoas simples, que transformavam o amor que sentiam por ele em mimos, pequenos presentes ou doces, que lhe proporcionavam, sempre sorrindo simpáticas.
  •  Seus primos e irmãos vivendo, muitas vezes em locais diferentes, distantes, se comportavam  como se fossem um só, baseados no exemplo de seus pais. Não havia competições entre eles. Naturalmente, compartilhar era a regra – o que era de um, era de todos.
  •  As namoradas foram os ‘amigos’ mais próximos. Foi através delas que percebeu quanto uma pessoa poderia ser prazerosamente próxima uma da outra, íntima, sem perder a sua identidade. Em princípio gostou de todas e, se não deu certo ficarem juntos por mais tempo, foi por circunstâncias, novos interesses ou preocupações.
  •  Esposa e filhos são para ele as pessoas mais próximas. Em todos os momentos eles têm a sua atenção, prioridade. Procura ser um bom esposo, bom pai, embora tenha dificuldade em definir exatamente o que é isso. O dia do primeiro encontro, o dia do casamento, do nascimento dos filhos.... todos foram momentos especiais, marcantes. Porém, foram momentos muito particulares que, certamente,  não representariam interesse para a maioria das pessoas, para seu público.
  •  Os amigos, foram sendo colecionados ao longo da vida. Alguns ainda estão presentes; outros desapareceram.  Esses com os quais ainda tem oportunidade de conviver, de encontrar, o fazem refletir sobre como a vida os marcou. Não apenas fisicamente, mas o modo de percebem as coisas. Muitos fatos aconteceram em suas vidas e deixaram, em cada um, a sua marca. Ideologias, perdas, ganhos,...  Embora ainda sejam as mesmas pessoas, os mesmos amigos, parecem ser apenas uma sombra daquele  que foram. Ficou imaginando se ele também não passaria essa imagem para eles. Mas e daí? Ele não era mais aquele que foi. Ele é o que é.  Então...
  • Os Colégios e Faculdades que frequentou todos deixaram nele a sua marca, e ele, eventualmente, tenha lá deixado a sua também. O que dizer: a festa disso ou daquilo, os bailinhos de fim de semana, a formatura, competições esportivas... O que restou foram alguns colegas que, encontra esporadicamente, com quem troca reminiscências sobre aquele tempo.
  • Os empregos, todos foram importantes. Cada um à sua maneira.  Cada um teve um papel na sua carreira profissional e sempre representaram algo mais do que apenas uma fonte de renda. Ele se identificava com as propostas de cada um, e se comportava, trabalhava, como se o negócio fosse seu. Trabalhar para ele nunca foi um fardo, muito contrário. Era uma oportunidade para se realizar como profissional e como pessoa.
  • A cidade onde nasceu e mora, é uma parte importante na sua vida. É lá que ele se sente a vontade, em casa. Quantas vezes, ao fazer viagens mais longas, não vê a hora de poder voltar para essa cidade. Entretanto, quando está nela, muitas vezes, não a valoriza como deveria.  Percebeu que as cidades onde teve oportunidade de ficar por mais tempo, tinham uma alma própria. Alguma coisa que as diferenciava, individualizava, em relação às demais, independentemente de sua aparência - era a sua forma de ser.  Além da sua cidade, nenhuma outra o marcou tão significativamente. Apesar disso, embora ela tenha tantos atrativos, não considera nenhum tão especial, que mereça ser imortalizado numa tela. 
  •  Sempre teve animais de estimação, especialmente cães. Eles foram seus companheiros silenciosos;  sempre estiveram presentes e disponíveis, nos bons e nos maus momentos. Percebia que esse sentimento era recíproco, e se sentia bem com isso. Sempre foi assim.
  • Casas, carros, acessórios - nada disso representa para ele a não ser o resultado de uma conquista, de uma realização.  Não eram um fim; eram apenas um meio. Um meio de se viver confortavelmente, de se apresentar bem, de se deslocar com segurança, ...

É, estava difícil. O que deveria pintar?  Então parou de pensar em pessoas e coisas, e começou a pensar nos sentimentos que teve ao longo de sua vida. Aí ficou mais fácil.  Logo lhe vieram à mente algumas imagens:
¾         A do garotinho olhando com carinho para seu pai que vinha chegando, ao final de um dia de serviço, estacionando seu carro.
¾         Do jovem deitado à noite em sua cama sentido o conforto do colchão onde estava deitado, o calor das cobertas que o cobriam, a segurança da sua casa.
¾         Indo assistir a um bom filme, naquele cinema, naquele Shopping que gostava tanto.
Enfim, encontrar temas para suas telas deixou de ser difícil. Ficou claro para ele que o que nos marca de fato são os nossos sentimentos. Porque sentimos o que sentimos? Os sentimentos nascem da razão (mente, pensamentos) mais as emoções. Por exemplo, quando você vê um bebezinho e fica emocionado. Qual o motivo, o que aconteceu? Pode ser várias as razões, mas uma delas pode ser, por exemplo:
‘A sua mente criou um quadro onde aquele bebê representa a sua fragilidade num mundo hostil. E a emoção decorrente é devido à gratidão gerada pela a figura da mãe que cuida dele com carinho, remetendo o seu pensamento para o sentimento gerado pela proteção que você recebeu, ou que gostaria de ter recebido, quando esteve vulnerável também – mesmo já não sendo mais um  bebê.’
Pensamento mais emoção produzem os sentimentos.  A emoção é a força, a energia que nos faz ir na direção desejada, definida pelo pensamento. É a fonte do poder,  que move a nossa vida em todos os campos. Quanto mais energia bem direcionada, maior o resultado, maior é a nossa realização como ser humano.
Pensando nisso tudo, percebeu que nunca tinha dado a importância que deveria ter dado para os seus sentimentos.  Mas, nem por isso deixou de tê-los. Dentre todos, selecionou um que considerou o mais importante:
‘Foi quando, num dia igual a todos os outros, vindo do trabalho no fim da tarde, preocupado com muitas coisas, estava no quarto de sua casa, quando sua filhinha de uns três anos o viu, e veio correndo, alegre, abraçá-lo. Aquilo, mesmo para ele, normalmente frio, distante, foi demais. Aquele criaturinha ficando feliz por vê-lo. Talvez ele não merecesse, mas aceitou, e dos seus olhos escorreram algumas lágrimas. A partir daquele dia, reviu seus valores e passou a dar a importância que sua família merecia. Seu universo cresceu diminuindo, se é que isso é possível.’
A partir de então, Augusto não teve mais dificuldade na escolha de temas para suas pinturas. Entendeu que liberando a sua sensibilidade consegue perceber a energia que emana de cada objeto ou ser, e, utilizando sua técnica, passar essa energia para seus quadros. Quem vê a obra pronta percebe que ela é muito mais do que uma simples reprodução de imagem.
Além disso, quando pensa nos seus sentimentos passados, como uma coisa puxa outra, sem perceber, passa a ter até sentimentos que nunca teve, a se emocionar  mais do que originalmente. 

“Emoções são  efêmeras. Sentimentos, pelo contrário. Perduram, marcam a vida de quem os sentiu.”


Imagem:  Nicolay Bogdanov-Belsky -  'Portrait of Konstantin Korovin'



(JA, Jan16)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,