Pular para o conteúdo principal

Parque das Aves – Foz do Iguaçu


     “Eu gosto de aves. Criaremos um Parque das Aves." (Dennis Croukam)

Eu e minha família estivemos recentemente em Foz do Iguaçu. Lá tivemos oportunidade de visitar e conhecer um espaço muito especial que nos deixou admirados pela sua proposta - preservação das inúmeras espécies de pássaros -,  e pela qualidade do tratamento prestado aos animais que ali vivem, em locais adequados para suas necessidades de deslocamento, de alimentação e procriação. Esses animais estão disponíveis para visitação pública.  Ficamos também surpresos pelo fato da iniciativa de sua implantação ter sido de um estrangeiro visionário, apaixonado por aves, vindo da Namíbia, Dennis Croukamp, e sua esposa Anna.
Um empreendimento tão interessante, principalmente para um país onde a natureza teve e tem um papel cultural tão significativo, e ainda tão pouco divulgado. 

    Familia Croukamp na Namíbia
A história do Parque das Aves começa no sudoeste da África, em uma cidade costeira na Namíbia, onde a família Croukamp ganhou um filhote de Papagaio-do-Congo, o qual logo despertou o amor pelas aves em Dennis Croukamp.
Anos depois, um amigo sugeriu a Dennis que se mudassem para Foz do Iguaçu para construir um parque de crocodilos. Dennis replicou: "Eu gosto de aves. Iremos criar um Parque das Aves."
Aliado a seus amigos, Dennis viajou para o Brasil e, após receber todas as licenças necessárias, adquiriu 16 hectares de floresta subtropical entre o rio Iguaçu e a rodovia que leva às Cataratas do Iguaçu, ao lado de onde hoje fica o Parque Nacional do Iguaçu. Sua esposa Anna, médica-veterinária, adquiriu uma cópia do livro "Português em três meses" e estudou nossa língua.
O primeiro desafio foi remover do terreno as toneladas de detritos acumulados ao longo dos anos. Toda vegetação invasora foi retirada e, em seu lugar, foram plantadas centenas de árvores nativas. O prédio administrativo, a loja e a lanchonete foram construídos por um Empreiteiro.
Anna adentrou na mata fechada em busca dos lugares ideais para os recintos e criou trilhas pela floresta para uní-los. Graças ao esforço de diversas pessoas que apoiaram e se dedicaram à causa, o Parque ganhava forma. Em 1º de novembro de 1993, Dennis e Anna começaram a construção do que se tornaria o Parque das Aves.
Dennis e a família, julho 1993

As primeiras aves chegaram a partir de doações ou empréstimos de zoológicos brasileiros; animais confiscados foram enviados pelo Ibama. Espécies subtropicais de todos os continentes foram importadas. O borboletário nasceu da vinda de outro amigo da família Croukamp para Foz do Iguaçu.
O Parque das Aves foi inaugurado no dia 6 de outubro de 1994, 11 meses após Dennis e Anna terem desembarcado no Brasil. Desde então, o Parque não para de crescer graças a um time de brasileiros que se dedica a continuar os sonhos de Dennis.
Atualmente o Parque das Aves é o maior parque de aves da América Latina.
"Mas há tanto ainda por fazer!", suspira Anna. 
    Anna-Luise com papagaios-do-congo


Breve relato
O Parque das aves é um parque particular, criado em 1994. Conta atualmente com uma trilha calçada de 1500 metros, por entre as árvores nativas, e situa-se próximo as Cataratas do Iguaçu. Estão catalogadas mais de novecentas aves de 150 espécies que fazem desse parque uma orquestra de cantos. No Viveiro Pantanal, parte do percurso, os turistas passam por momentos únicos ao ficarem bem próximos de aves, como os belíssimos tucanos que posam para as câmeras. Já no Viveiro das Aves e na Savana Africana, espécies raras de cores exóticas deixam o lugar com um colorido todo especial. Ao chegar ao conhecido recinto das araras, o turista passa por uma das partes mais emocionantes, pois o contato com as aves é permitido e a beleza desses animais deixa todos deslumbrados. Ainda é possível admirar os répteis de várias espécies como as cobras, lagartos, jacarés, e claro, visitar o borboletário, que também é uma atração que desperta diversas emoções.
Situação Atual
 Vizinha do complexo turístico de Itaipu, a empresária Carmel Croukamp, segunda geração da família fundadora do Parque das Aves, conseguiu contornar a crise e elevar a visitação de seu zoo privado.
O crescimento freou em novembro e dezembro, mas a variação média no ano ficou em 22%. Segundo Croukamp, a gestão e o perfil do empreendimento são os responsáveis pelo resultado. Seus visitantes não se restringem à comunidade local. O público-alvo é o turista que visita Foz do Iguaçu e dá prioridade às Cataratas, mas também procura outras atrações."Recebemos pessoas do mundo todo e de todos os Estados. Somos a segunda atração mais procurada em Foz, com 780 mil visitantes em 2015. O Parque Nacional do Iguaçu recebeu 1,6 milhão", diz a empresária, que calcula que 65% dos visitantes sejam brasileiros, e 17%, argentinos.
O zoológico conseguiu preservar o investimento para elevar sua coleção. Em 2014, manteve o projeto de reintrodução de araras-vermelhas na região. No ano passado, recebeu 20 mutuns-de-alagoas para reprodução, que não ficam em exposição. Também adquiriu um novo terreno para se tornar centro de reprodução de espécies ameaçadas. 
Como a venda de ingresso não paga todos os custos, um novo espaço foi aberto para o restaurante do zoo, e a loja desenvolve produtos constantemente."Vendemos muito artesanato e desenvolvemos linhas de produtos como camisetas, lápis, canecas e pelúcias", diz Croukamp. A empresa contratou uma agência de design que auxilia no desenvolvimento da marca do parque e dos projetos de conservação. "Estamos tentando vincular mais produtos na loja para projetos específicos da conservação. Por exemplo, confeccionar papagaios de pelúcia." 
Endereço: Av. das Cataratas, 12450 - Parque Nacional do Iguaçu, Foz do Iguaçu - PR, CEP 85855-750. Telefone: (45) 3529-8282                                                                                                                                         Horário de funcionamento:  08h30–17h00

Se somos do tamanho dos nossos sonhos, como diz Fernando Pessoa, podemos dizer, sem exagero, que Dennis Croukam foi um grande homem, alguém que fez a diferença, deixando um oportuno e inspirador legado para a nossa sociedade.

(JA, Jan16)









Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,