Pular para o conteúdo principal

Humano Humano


O que caracterizava determinadas pessoas daquele período, as pessoas da 'Geração E', como eram chamadas, era a sua rara sensibilidade. Tinham uma percepção tão desenvolvida que captavam os menores sinais e, dado ao seu elevado nível de inteligência, tinham a capacidade de classificar e tirar conclusões, rápida e raramente  incorretas.  Eram discretas e, aparentemente, tinham também facilidade para se localizarem entre si, e acabavam se reunindo em grupos socais, de trabalho ou de estudo.
Naturalmente, tinham interesses e opiniões de modo geral coincidentes. Isto facilitava a aproximação e o desenvolvimento de uma relação mais duradoura. 
Chris e Peter pertenciam a esse tipo de pessoas, e tinham interesses voltados mais para o social. Preocupavam-se com a exclusão social de algumas pessoas - por falta de estudo, doença, desemprego, ou idade,...; com os gastos púbicos excessivos, sem a prestação de serviços públicos básicos suficientes e de boa qualidade; com o excesso de burocracia e falta de incentivo para empreendedorismo;  com a carga tributária elevada; etc.  Eram vizinhos e frequentavam uma associação que se preocupava com os problemas da cidade, especialmente com os do bairro onde moravam.
Com o tempo foram se interessando mais e mais pelo assunto. Logo estavam participando de reuniões representando a sua associação em entidades públicas relacionadas com os assuntos que tratavam. Nessas entidades, com a convivência, foram descobrindo outras pessoas do tipo deles. Essa constatação os fez refletir e concluir que aquilo não era mera coincidência. Provavelmente, o que eles estavam fazendo, deveria representar algo maior ainda do que o que haviam conseguido perceber até então.
Sempre conseguiam apoio para suas causas, e o sucesso consequente resultou em maior apoio e mais adeptos. Em pouco tempo deixaram de se preocupar apenas com interesses da sua comunidade e passaram a pensar em termos de cidade, de país. Apareciam frequentemente nas mídias, e de uma forma muito positiva. Suas falas eram bem articuladas e embasadas, não visando destruir nada, muito pelo contrário. 
Para o público eles pareciam representar aquilo que estava faltando para renovar, para promover a mudança necessária, levando as pessoas a terem esperança, a crerem que era possível criar uma cidade, um país melhor.
Chris e Peter, quando perceberam o potencial político que passaram a ter, começaram a pensar numa forma de tirar o melhor proveito disso a favor das causas que tinham abraçado.  Em reunião com o seu grupo, chegaram às seguintes conclusões:
  • Deveriam se organizar como um partido político embora ainda não pretendessem constituir um  - os políticos e seus partidos tinham uma imagem muito negativa na sociedade atual. O  grupo adotaria o nome de ‘Grupo E’, ou ‘Grupo Esperança’, como de certa forma já eram conhecidos. 
  • Para tanto, necessitariam definir uma liderança geral, e uma para cada campo de atividade. Cada campo deveria desenvolver seus projetos de ação, sempre considerando o plano dos demais grupos, de forma a manter a convergência para o desenvolvimento e progresso, uniforme e articulado. 
  • Essas lideranças deveriam envidar esforços para penetrar nos setores estratégicos  do pais tais como Saúde, Educação, Tecnologia,  Comércio e Indústria, ..,  cada um dentro da sua especialidade, se sobressair e passar a influenciá-los, levando-os a adotar o planejamento estratégico do Grupo E.

 E assim foi feito.  Peter foi eleito líder do partido, Chris, Coordenadora Geral, e as demais pastas preenchidas pelos nomes que mais tinham se destacado em cada área. De certa maneira, todos eles já tinham conhecimento e influência nas suas áreas afins, e não tiveram dificuldade em cumprir o que havia sido proposto, definido. 
O trabalho inicial foi definir e priorizar as carências nacionais. E, na sequência, definir como superá-las, da forma mais simples e rápida. As respostas eram praticamente de conhecimento de todos - o que realmente faltava era uma ação coordenada e desinteressada de solução.  Aos poucos, em torno de três anos, as engrenagens começaram a funcionar sincronizadamente, e o resultado esperado acontecer. A reação dos setores envolvidos, da mídia, e do povo em geral, foi de espanto: ‘Incrível, o que era considerado tão difícil, acabou por se mostrar tão fácil!’
Os responsáveis por essa mudança, dentro da proposta de se tornarem conhecidos para poderem influenciar ainda mais, assumiram a paternidade dos projetos - embora os antigos políticos tivessem tentado compartilhar o seu mérito. Desde o início, sempre fizeram questão de citar Peter como alguém que estava por trás de cada ideia que foi proposta e realizada. Assim, quando decidiram, agora sim, a formalizar o ‘Grupo Esperança’ como um partido político, não foi surpresa para ninguém que Peter fosse definido como seu líder nacional.  Rapidamente o partido se tornou um dos mais conhecidos e influentes do país. Seus integrantes, dentro de suas competências, começaram a se candidatar e a conquistar cargos, tanto no poder legislativo - onde logo se tornartam maioria, como no executivo.
Nesse clima de euforia em que vivia a nação diante dos resultados auspiciosos que estavam sendo alcançados, o nome de Peter foi lembrado e lançado como candidato à Presidência da República para a próxima eleição. Como ele tinha uma grande empatia com o público, conhecimento e sucesso em todos os campos - dado à sua participação no desenvolvimento e implantação dos projetos mais importantes e recentes da administração pública, não teve dificuldade para  superar seus concorrentes, e ser eleito.  
Assim que assumiu a Presidência, montou seu Ministério com pessoas  qualificadas, originárias do Grupo Esperança. Sua gestão deu continuidade ao desenvolvimento e implantação dos projetos que sabia serem ideais para o país que imaginava, considerando o momento atual e as projeções futuras.  Basicamente, seu trabalho consistiu no seguinte:
  • Desestatizar os empreendimentos que poderiam ser tocados pela iniciativa privada, e assumir as funções que entendia caber ao governo: Planejamento Estratégico, Gestão e Controle.
  • Incentivar o desenvolvimento industrial e agrícola, em todos os seguimentos, especialmente os mais carentes e os que dependiam de importação. 
  • Estimular o ensino à distância, com qualidade, para todos as cidades e estados. O Ensino Fundamental I e II, Ensino Médio,  e Cursos Profissionalizantes,  seriam grandes centros receptores, com monitores preparados para complementar presencialmente o que era ministrado à distância por mestres especialistas,  observando um currículo definido dentro dos melhores padrões internacionais. Esses monitores teriam também a função de checar e quantificar a qualidade da captação do ensino por parte dos alunos. 
  • Criar uma eficiente ouvidoria popular – onde todos poderiam registrar suas queixas e sugestões. Essas queixas e sugestões serviriam de base para controle de execução do que já estava implantado, e captação de novas ideias de solução. 
  • Na área da Saúde criar uma escala que classificaria a necessidade do paciente por nível. Dependendo da triagem, o nível o paciente seria definido, e ele encaminhado para atendimento público ou privado. O público era voltado para atendimentos mais comuns, e o privado para casos mais raros, mais complicados. Em todos, o governo financiava as despesas decorrentes, utilizando para tanto recursos sociais pagos pelos empregados e empregadores. Esses recursos sociais eram recolhidos e aplicados em fundos rentáveis gerando mais recursos pela sua atualização e rendimento. Esses recursos se destinariam, além de subsidiar as despesas com a saúde, à manutenção da população mais idosa - já fora do mercado de trabalho-, em centros qualificados e preparados para cuidar da melhor maneira dessa geração, conforme necessidade. 
  • Na área internacional, através de sua Chanceler Chris, procurar e ser aceito nas associações internacionais mais importantes já existentes, fazer acordos comerciais e financeiros convenientes para todas as partes.  E, além disso, ajudar  alguns países subdesenvolvidos mais carentes e receptivos  a se superarem, com base nas  experiências bem sucedidas. 

Surpreendentemente, ao contrário do que acontecia antes, foram surgindo novas e bem preparadas  lideranças, afinadas com a proposta inicial. Assim, em menos de uma década, o país conseguiu implantar e consolidar seus principais projetos e, no finalmente, se classificar entre os mais desenvolvidos do planeta, com uma  população que podia desfrutar de uma qualidade de vida invejável.
Tendo sido resolvidos os problemas antigos e básicos -  alimentação, saúde, educação, moradia, trabalho, segurança e transporte-, os gestores e o povo passaram a se preocupar com problemas existenciais mais elevados, mais ligados à realização e felicidade pessoal, buscando o equilíbrio entre a ambição pessoal e coletiva, e o respeito aos valores éticos e religiosos fundamentais. 
É o futuro tão esperado que estava chegando. O momento a partir do qual a humanindade estará em condições ideais para se realizar,  resgatando o divino inerente à sua natureza original.

“Ideais são  como as estrelas; você não terá sucesso se tentar tocá-los com as mãos. Mas, como um homem do mar, no deserto das águas, você  os escolhe  como seus guias e, se os seguir, você alcançará o seu destino.”  Carl Schurz




(JA, Jan16)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,