Pular para o conteúdo principal

Arquétipo de cada um



Natanael , embora tudo na sua vida corresse normalmente - estudo, trabalho, relações, etc., sentia-se incomodado, como se faltasse alguma coisa.  O tempo passava e a sensação persistia.  Aconselhado por uma amiga, foi procurar um professor da faculdade, psicanalista, filósofo e físico.
Marcou um horário com ele, e compareceu conforme agendado. O professor era um senhor que aparentava ter uns setenta anos, calmo e sério.  Natanael colocou seu problema. Ele ouviu, e começou a lhe explicar uma teoria que mudaria seu modo de encarar a si próprio, os fatos, as coisas.
Professor Alberto, esse era o seu nome, começou dizendo que, antes de dar um diagnóstico, gostaria de saber mais sobre os seus ascendentes: quem eram o que faziam, qual era a imagem que todos guardavam deles, ... 
Explicou que, na geração de cada ser humano, toda energética dos pais, avós e ascendência, é transmitida para aquele novo ser. Em decorrência, ele herda aspectos psicológicos, que acabam por influenciar os físicos, além de assimilar uma conduta que só houvera em seus ascendentes, muitas vezes, os mais remotos.   Portanto, o fator energético desses ancestrais, a energia vital que definiu o seu modo de conduta, concepção de vida e de ideal,  a sua existência enfim, precisa ser pesquisada, caso a caso, para permitir a perfeita compreensão de quem cada um deveria ser. 
Quando não houver coincidência entre o que a pessoa é, o que ela deveria ser, ou seja, quando essa força foi, por algum motivo, impedida de se manifestar plenamente, ocorre um transtorno que a leva a alguma patologia.  
A consciência individual é o elemento mais energético de cada pessoa, devido à junção do sentimento e intelecto. A consciência capta direto da mente as formas substanciais de todas as coisas, transformando-as em conhecimentos. É nesse sentido que podemos dizer que a sabedoria vem do alto. Quando a consciência é interrompida, por qualquer motivo, surgem as doenças. Isso ocorre porque há então uma estagnação psicoenergética, impedindo que a pessoa tenha contato com as estruturas substanciais que alimentam a sua vida psíquica.  
Assim, para se ter boa saúde, física e mental, e capacidade de desenvolvimento em todos os setores, há necessidade vivermos conscientemente e de acordo com a nossa energia escalar (essencial). Nossos sentimentos e ideias boas, em contato com as diversas realidades que vivenciamos durante a nossa existência, nos levam a um melhor entrosamento conosco mesmo, proporcionando, em decorrência, um sentimento de realização, satisfação, de plenitude.
Tendo exposto essas ideias, Prof. Alberto pediu que Natanael fosse para casa e refletisse sobre tudo o que ele falou. Marcou nova data e horário, para a próxima semana.
Natanael, pensando em tudo o que havia ouvido, lembrou que, por coincidência ou não, ultimamente vinha pensado e tendo sonhos recorrentes com seus pais, tio, avós, e até com pessoas que não conhecia, mas que lhe pareciam muito familiares.  Seria coincidência?
Começou a refletir e definir conscientemente cada um deles. Quem eles foram, o que pensavam, o que diziam, o que faziam. Observou que, realmente, carregava muito deles na sua forma de pensar, de se comportar.   Será que suas atitudes e reações,  estariam contrariando o modo de ser de algum deles?  Em alguns casos sim. Pode até imaginar as críticas do seu pai, os comentários de sua mãe, as observações dos parentes próximos. Estariam eles certos? Deveria rever e ajustar algum comportamento que estaria tendo?
Na semana seguinte, Natanael levou suas observações para o professor.  Ele, antes mesmo de ouvi-las, comentou que o que cada ser humano herda ao nascer é a melhor psicogenética possível. Ela inicialmente é perfeita. Se é degradada, o é em decorrência de alguma atitude errônea do proprio indivíduo.  Todos temos dois movimentos antagônicos que nos acompanham durante toda a vida. Por exemplo: quem ama, pode odiar também. O mais importante é a escolha individual, baseada no que se pensa e sente.  Assim, é preciso levantar o que temos e entendemos como sendo o nosso ser melhor, e procurar manter, priorizar.
Na sequência, Natanael comentou o que conhecia sobre os seus seu ancestrais, e como encarava aquela imagem que eles lhe deixaram.  Conforme foi relatando, foi ficando cada vez mais claro  para ele aquela pessoa em que ele se transformara. Percebeu que se orgulhava de algumas atitudes, que se envergonhava de outras, além das que considerava naturais. Mas, no finalmente, chegou à conclusão que não estava tão distante assim da sua devida realidade. Percebeu que o que lhe incomodava era o fato de, eventual e ultimamente, pretender ser alguém que ele não poderia ser - personagens romanticamente idealizados, que não tinham nada a ver com o seu eu mais autêntico, e que, portanto, deveriam ser renegados.
Aos poucos, e não sem dificuldade, Natanael foi eliminado os pensamentos, sentimentos e atitudes, que não tinham nada a ver com a sua origem, e a valorizar os melhores que tinham. Passou então a se sentir mais tranquilo, confiante, e a ter mais facilidade para atingir seus objetivos - alguns também atualizados.

“Nossa vida sempre continuará a existir, mesmo depois da nossa ‘passagem’. Aquela imagem, aquela energia, transmitidas pelos nossos pensamentos e sentimentos, continuarão a influenciar a humanidade, principalmente através dos nossos descendentes, de forma recorrente.”

 

Arquétipo: Nome dado por Carl Gustav Jung para definir estruturas inatas, que servem de matriz para a expressão e desenvolvimento da psique.

 

(JA, Jan16)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,