Pular para o conteúdo principal

Tempo


O que é o tempo?  No sentido meteorológico (Weather) tem vários significados: quente, frio, chuvoso,... -;  no sentido de tempo propriamente  (Time)  é aquilo que definido pela rotação do planeta, pelo relógio, calendário, determina o quanto dura uma época, uma ação, ou existência, no passado ou no presente.  É sobre este último sentido  que vamos tratar.
Portanto,  tempo só tem significado enquanto define a duração, o início e o fim, de algum evento.  Não é um sujeito, mas sim um predicado.
Muitos pensadores dedicaram seu tempo para tratar desse tema. Embora brilhantes, como nos exemplos abaixo (1) e (2), nenhum foi conclusivo, uma que vez que o tempo, embora mensurável, como já disse antes, não tem nada de concreto, muito pelo contrário.
As horas, os  dias, os anos, podem parecer tão repetitivos, que não é difícil acabarmos assumindo  que mudanças são pouco prováveis.
 (1)    Em a ‘Sombra das Raparigas em Flor’, o segundo dos sete volumes de ‘Em Busca do  Tempo Perdido’, Marcel Proust faz o narrador da história enviar uma carta de Ano-Novo a Gilberte, garota pela qual estava enamorado, anunciando o propósito de deixar de lado as decepções de um ano velho, a favor de uma ‘amizade nova, tão sólida que ninguém a destruiria’. O dia 1º de janeiro chegou com um vento suave e úmido. Prossegue o narrador: “Aquele tempo me era bastante conhecido; tive a sensação e o pressentimento de que aquele dia do Ano-Novo não era um dia diferente dos demais, não era o primeiro dia de um mundo novo em que eu poderia com sorte, refazer minha amizade com Gilberte, como no tempo da criação, como se não existisse o passado”.
 O tempo tem um caráter indiferente, assustador, pois não sabemos nem o que é, de onde veio e nem para onde vai. Entretanto, com a organização dos fatos da nossa história pessoal ou familiar, da história do nosso país ou do mundo; com  a elaboração da retrospectiva do ano; ou com  a comparação dos fatos de um ano com os do outro, ele se torna pessoal, confiável.
(2)     Thomas Mann começa o sétimo capítulo de ‘A Montanha Mágica', romance em que tempo tem papel de protagonista, com a indagação seguinte: “Pode-se narrar o tempo, o próprio tempo, o tempo como tal em si?” Ele próprio responde que não. “Uma história que rezasse: ‘O tempo decorria, escoava-se, seguia o seu curso,”, e assim por diante, nenhuma pessoa sã poderia considerar como sendo uma história”. A narrativa precisa de fatos. Uma vez encadeados, os fatos, à narrativa, “dão um conteúdo ao tempo”, “enche-o de uma forma decente”, “assinala-o”, e faz com que “tenha valor próprio”.
Registrando os fatos da nossa história, além de guardarmos essas lembranças, estaremos também acumulando o  ‘tempo passado’. Imagine-se colocando o seu tempo em garrafas. Logo você terá uma adega dos seus tempos vividos: garrafa daquela boa lembrança tal; daquele momento especial do seu primeiro baile, da  sua formatura, do nascimento dos seus filhos; locais em que esteve; amizades que cultivou; ... E, nos momentos de alegria, de carências, você sempre poderia recorrer à sua adega do tempo e, de certa maneira, reviver esta ou aquela situação passada, absorvendo a energia positiva que cada uma carrega, no seu presente.  
Essas lembranças são valiosas e podem ser cultivadas. Uma vida vivida com entusiasmo, gera muitos momentos especiais que podem e devem ser colecionados. E vale o inverso: ‘De que adianta guardar lembranças de uma vida monótona, enfadonha?’ Assim como podemos fazer tantas coisas, podemos também plantar, colher e guardar boas lembranças.
Essa atitude deve ser encarada com uma missão.  Acreditar sempre que é possível mudar o seu destino tendo metas bem definidas, pensamentos positivos e atitude. O objetivo não é só guardar o tempo de lembranças felizes. O objetivo final é a promoção da felicidade. Cada boa lembrança colecionada será um degrau nessa escalada na direção do melhor destino. Cada vez mais o mundo ficará de bem com quem age assim, pois essa pessoa irá refletir aquilo que todos admiram, pretendem, precisam.  Quem viver assim, viverá bons tempos: de paz, de equilíbrio, de saúde, de prosperidade.
Cada vez mais irá compreender melhor o passado, e estar mais preparado para viver melhor o futuro.
No finalmente, podemos inferir que cada um é responsável e dono da qualidade do seu tempo, da sua vida, e do seu destino, mesmo que não saiba exatamente o que cada um possa ser.  

As Time Goes By
(Jimmy Durante, from the theme song of Casablanca) 
'You must remember this
A kiss is just a kiss, a sigh is just a sigh.
The fundamental things apply
As time goes by'



(JA, Jan15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,