Pular para o conteúdo principal

Realização


Toda realização tem um momento certo para se concretizar. É nesse momento, que o interessado deve se dedicar especialmente a  ela, priorizando-a.
O momento certo é aquele em que a pessoa está preparada para aproveitar a melhor oportunidade que surgir para realizar o que pretende. Se não fizer no momento certo, a realização, numa outra época, demandará um esforço muito maior e, talvez, nem seja praticável.
Como saber se se é o momento certo? Não dá para saber. Entretanto, se nos prepararmos para realizar o que pretendemos, oportunamente sentiremos que a hora chegou. É como se as portas se abrissem, deixando entrever à frente o caminho a ser seguido.  Basta percorrê-lo para chegar onde se deve chegar.
Cumprindo os momento certos de cada meta a que nos propusermos, viabilizaremos o sucesso das nossas causas, da nossa vida, e, finalmente, o alcance daquele sentimento de realização plena,  a chamada felicidade.
A consciência do esforço aplicado para viabilização das conquistas impede -em alguém equilibrado- que tenha e/ou manifeste sentimentos de orgulho ou de egoismo.  Humilde e desprendidamente, o realizador consciente reconhece as carências, que embora já tenham sido superadas, um dia foram suas. Reconhece também que, durante o esforço aplicado para a realização, muito frequentemente –quase sempre–  foi ajudado por pessoas solidárias, que reconheceram as suas dificuldades, e dedicaram, espontaneamente, parte do seu tempo, trabalho e, eventualmente, dinheiro, pela sua causa.   Assim, não raro, quem recebeu essa ajuda nesses momentos decisivos da vida, são agradecidas, e não hesitam em, igualmente, ajudar àqueles que passarem na sua frente, enfrentando alguns problemas que estão ao seu alcance contribuir para solução.

"Para realizar, há que se manter,  sistematicamente, preparado e atento, para aproveitar e empreender, quando a situação ou a oportunidade favorável, que preparou ou que tenha sido gerada pelo acaso ou sorte, estiver à sua frente".



(JA, Jan15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,