Pular para o conteúdo principal

Relacionamentos

Um Homo Sapiens mediano é incapaz de conhecer intimamente mais de 150 indivíduos. 

Ao tentar resumir a identidade de alguém, frequentemente as pessoas fazem uma espécie de lista de traços comuns. É um erro. Estariam mais bem servidas se fizessem uma lista de conflitos e dilemas comuns.

Os humanos são animais sociais, e daí sua felicidade depende em grande medida de seus relacionamentos. Sem amor, amizade e comunidade, quem poderia ser feliz? Se você vive uma vida solitária e centrada em você mesmo, é quase certo que se sentirá um miserável. Assim, para ser feliz, no mínimo você precisa se importar com sua família, seus amigos e com os membros de sua comunidade.  (Yuval Noah Harari, ’21 Lições para o século 21’)

Entretanto, nem todas os relacionamentos são para sempre, como demonstram os depoimentos abaixo, prestados pelo ‘Luiz’ (nome fictício). Cada um de nós está sempre em constante transformação, ficando assim difícil manter os sentimentos indefinidamente. Diante disso, necessário sempre estarmos atentos, reavaliando a relação, para não sermos surpreendidos.

Familiares

Irmãos

Quando Luiz tinha 8 anos nasceu o seu irmão Alberto. Devido à diferença de idade, raramente interagiam.

Seis anos depois, Luiz foi estudar num colégio interno, onde ficou por cerca de três anos.

Mais tarde, repensando, foi levado a pensar que sua mãe teve a iniciativa de colocá-lo nesse colégio para liberar espaço em casa. A casa só tinha dois quartos. Num deles dormiam o casal, o pai e a mãe; no outro, Luiz com uma tia idosa que morava com eles. Não faz ideia onde dormia seu irmão.

Luiz, ao voltar para casa, já era um adolescente, e o irmão mais novo uma criança. Ou seja, seus interesses eram diferentes, o que dificultou uma maior aproximação.

Com o passar dos anos, o distanciamento foi aumentando. Formação, trabalho, namoro, noivado, casamento, filhos...

Para agravar, a mulher com quem Alberto se casou, anos mais tarde, não suportava o irmão mais velho. Ela nunca disse o porquê, e ele não sabe até hoje.

Um dia quando Luiz estava se mudando para uma casa que havia acabado de comprar, no dia da mudança, com tudo desarrumado ainda, Alberto chegou trazendo o porta-malas do carro cheio de material administrativo (resultado de trabalhos que Luiz havia executado nos anos anteriores, no seu último emprego) que havia pedido para Alberto guardar, pois o local onde residia anteriormente não tinha espaço suficiente.  Luiz perguntou se havia sido a esposa dele que havia mandado ele trazer aquele material, naquela hora. Sem resposta, pediu a Alberto que levasse o material de volta, e que poderia jogá-lo fora.

Eventualmente, circunstâncias levaram Luiz e Alberto a alugar um imóvel para servir de local para trabalharem, cada um na sua atividade, dividindo o aluguel. Passados uns meses Alberto disse que não precisava mais do espaço, e simplesmente, saiu, deixando todas as despesas decorrentes a cargo do Luiz.

Alguns anos mais tarde, Alberto convidou Luiz para iniciarem uma parceria num empreendimento comercial, num Shopping da cidade São Paulo. A esposa de Alberto ficaria fisicamente responsável pelo negócio.  Luiz respondeu que não aceitava porque:

1.     Envolvia a esposa dele.

Não faria mais nenhuma parceria com ele devido ao abandono inesperado e unilateral do espaço que anteriormente haviam alugado em conjunto.

Recentemente, no início de abril, Luiz precisou saber a data de falecimento dos seus pais. Através do WhatsApp perguntou a seu irmão se ele sabia. Diálogo abaixo.

         Luiz

Bom dia. Tudo bem com vocês? Outro dia percebi que não sei o ano do falecimento dos nossos pais. Você saberia?

         Alberto

Oi, o Pai foi em 1994 e a Mãe em 2010, ainda é muito difícil... E vocês como estão?

          Luiz

Obrigado. 16 anos de diferença entre um e outro? Nunca tinha me atentado para isso. Meio vazio aqui por conta do tempo chuvoso, mas tudo bem. Vamos nos 'falando'. Abraço.

          Luiz

Bom dia. Fui pesquisar e descobri que o ano do falecimento do Pai foi 2004. Constava no texto abaixo. (...)

Até fim de maio, quase dois meses depois, ainda não tinha havido retorno para essa observação. A comunicação com Alberto via WhatsApp foi interrompida desde então, por inciativa dele.  

Marido, Esposa e Filhos

A vida em família – marido mulher e filhos – vai mudando no decorrer do tempo, devido à idade, responsabilidades, limitações etc.  Aquele amor incondicional inicial, vai dando lugar a uma relação mais realista, onde os sentimentos comuns dão lugar à ideologia, realizações, atitudes, escolhas, de cada um. Então, alguns se aproximam mais entre si, confirmando o apego original, enquanto outros se afastam, dando preferência às suas opções pessoais. Alguns membros continuam agregados, e outros se afastam para viver suas próprias escolhas.

Naturalmente, as pessoas que se casam têm afinidades que justificam essa união. Muitas vezes, com o passar dos anos, na melhor das hipóteses, o relacionamento inicialmente ‘amoroso’ vai se transformando numa amizade, em que ambos confiam um no outro, apreciam a companhia, e fazem todo o possível para cumprir o seu papel de marido/esposa, pai/mãe.

Entretanto, nem sempre é isso que ocorre. Muitas vezes, muito pelo contrário. Ambos, ou um deles, passou a não suportar o outro. Joga os filhos contra o parceiro, faz de tudo para dificultar a vida dele.

Se isso acontece quando são jovens, também não é bom, mas existe a solução da separação, e da possibilidade de uma nova vida para cada um.

Se ocorre na velhice, aí já é mais complicado. Há restrições financeiras, a possibilidade de construção de uma nova vida é pouco provável. Se houver bom senso, o que resta é que, por falta de opção, continuem vivendo juntos, cada um mais independentemente possível em relação ao outro, procurando se respeitar dentro de algumas limitações, mantendo as aparências.

Parentes mais distantes (Tios, Primos, ...)

Aprendemos a conviver com esses parentes desde cedo, incentivados pelos nossos pais. Entretanto, o tempo vai passando e cada qual vai seguindo seu próprio caminho. Nossos pais falecem e não há mais ninguém para promover a aproximação. Os parentes vão se afastando, até que, muitas vezes, deixa de existir uma conexão.

Luiz tinha um primo cuja família era muito ligada à sua. Moravam relativamente próximos, e se visitavam frequentemente. A irmã dele tinha quase a mesma idade que Luiz. O irmão era alguns anos mais novo.

O tio era um comerciante nato e, bem-intencionado, pensando no futuro do Luiz, levou-o por várias vezes fazer entrega de papel – ramo no qual trabalhava – para ensiná-lo, familiarizá-lo com o negócio. Sem sucesso. Luiz seguiu outros caminhos

Após o falecimento do Tio e da Tia, a prima veio a falecer também. Quando isso ocorreu, Luiz se propôs a cuidar da filha dela, recém-nascida, o que não foi aceito nem pelo marido, nem pela filha mais velha deles.

Passados alguns anos, Luiz veio morar próximo da residência do primo que agora era casado. A esposa dele não aceitou bem Luiz, sua esposa e filhos, sem dizer o motivo, e rejeitou a aproximação.

Eles se afastaram. Os anos se passaram até que Luiz ficou sabendo, através de terceiros, que o primo havia se separado daquela esposa, que havia se casado novamente, e perdido a visão. Ele não a conheceu e nem soube o que aconteceu, como estava, pois nunca mais se falaram. 

Social

Amizades 

‘Cada amigo é o prolongamento daquele que eu sou’.

Com o passar dos anos, notamos que nossas relações pessoais de amizade vão se reduzindo, a ponto de, às vezes, nem existirem mais.

Revendo o passado, ficou claro para mim que, durante toda a minha vida, apenas duas pessoas, ambas já são falecidas, foram naturalmente meus amigos. Percebi isso, curiosamente, da mesma maneira. Foi a forma como sorrimos, um para o outro, quando estavam cada qual, em momentos diferentes, recolhidos em um hospital para se tratar, no seu finalmente. Foi quando nos despedimos pela última vez. Senti no momento que aqueles sorrisos carregavam o significado da grande amizade que cultivamos e compartilhamos.

Pensando mais sobre, cheguei à conclusão que a amizade independe do momento da nossa vida, daquele que nos tornamos, aonde e da frequência com que nos relacionamos com outras pessoas. Depende de um passado, quando foi construída uma ponte comum, que viabilizou a passagem mútua e contínua de uma grande afeição, crença na lealdade, disposição de proteger, e fazer o possível para ajudar.

Se imaginarmos que a nossa vida é como a água de um rio, sempre fluindo, o que aconteceu no passado - as pedras, as cachoeiras, outras águas afluentes recebidas etc. - pode não fazer nenhum sentido no contexto atual, mas a energia produzida lá atrás foi incorporada, e faz parte do que somos agora, consciente ou inconscientemente. 

O amigo não precisa ser alguém que age e pensa como você. O que vale é que ele que tem o poder de acrescentar algo com seu exemplo, comportamento, informações etc., ou apenas alguém com quem você se sinta inclinado a dividir seus momentos e sentimentos.

escasseamento das amizades paralelamente ao envelhecimento, ocorre devido à tendência natural das pessoas de se fechar cada vez mais com o passar dos anos, considerando todos os riscos envolvidos na exposição.

Considerando a importância das amizades na nossa vida, o recomendável é sempre realizar ‘garimpagem’ de amigos na nossa família, no nosso meio social, no nosso ambiente de trabalho etc. Procurando conhecer melhor as pessoas, iremos descobrir aquelas nas quais podemos confiar mais, ou muito pelo contrário. Se forem confiáveis, em seguida podemos mostrar um pouco mais daquele que realmente somos. Agindo assim, facilitamos o desenvolvimento de algumas amizades que, de outro modo, passariam despercebidas, não existiriam.

Independentemente qualquer interesse, a simples fato de dessas relações existirem, podem representar a diferença entre o fracasso e o sucesso. A confiança mútua gera fé, dá energia e força, para ajudar a continuar a enfrentar os desafios a que todos estamos sujeitos, e sempre seguir em frente, para alcançar a melhor das nossas alternativas.

Amizades são importantes. Elas ampliam o nosso universo. Devem ser cultivadas e preservadas.

Durante a Covid o afastamento das pessoas foi compulsório. Em princípio foi ruim. Entretanto, o distanciamento permitiu que a motivação das relações fossem revistas.

Passada a crise, ficou claro que algumas delas existiam circunstancialmente, sem nada especial que justificasse, às vezes muito pelo contrário.  Nesses casos, nenhum dos lados se esforçou para se reaproximar. Ou seja, a percepção foi recíproca.

Luiz, anos antes da Covid tinha um grupo de amigos do Ensino Médio com os quais, durante vários anos, costumava jogar futebol de salão na casa de um deles, todo sábado, pela manhã.

O pai do colega ficava assistindo de uma sacada e, ao término do jogo, oferecia um lanche para o grupo.

Esse grupo era muito unido, tanto que Luiz certa vez arranjou para ficarem hospedados por uns dias num colégio dos padres Jesuítas, seus conhecidos, quando visitavam o Rio de Janeiro a turismo. Um dos fatos que se lembra daquela ocasião é o relatado abaixo.

‘Caminhando pela cidade, o grupo conheceu umas moças, muito bonitas e simpáticas. Elas disseram a eles que trabalham num canal de TV, onde eram dançarinas, e que estavam indo para a apresentação de um show. Perguntaram então se eles não queriam ir também.  É claro que aceitaram.  Era um show onde se apresentava o famoso cantor Cauby Peixoto.

Mais tarde, após o show, elas convidaram o pessoal para ir à casa delas no dia seguinte, à noite, para ‘tomar um café’. Eles aceitaram prontamente.

Voltaram para o alojamento no Colégio, e, como eram apenas duas, consideraram que seria exagero ir o grupo todo na casa delas - afinal eles estavam em seis. Começou então uma discussão para definir quem iria: - Fui eu que as vi primeiro!  - Fui eu que me aproximei e puxei assunto. - Foi comigo que a mais nova conversou mais.  Enfim, não chegaram a nenhuma conclusão e, no dia seguinte, acabaram indo todos.

Lá chegando, tocaram a campainha e foram atendidos por uma criança, que imediatamente chamou o pai, que veio em seguida.  Resumindo, o convite era para tomar café mesmo. A mais velha era mãe da mais nova, a criança era seu filho, e o homem marido’.

Anos mais tarde, Luiz já casado, veio morar numa casa próxima de um daqueles colegas – aquele em cuja casa eles jogavam futebol de salão. Ficou feliz quando soube, e tentou se aproximar, em nome dos velhos tempos. Sem sucesso. Não sabe se porque o colega agora casado, descendente de uma família tradicional, abastada, e se julgava superior, ou se era porque nunca havia tido uma consideração verdadeira por ele. Ficou assim, sem saber, e não houve a reaproximação esperada, natural. 

Vizinhos

Na frente da casa do Luiz morava uma família. O casal, uma filha e dois netos.  Luiz se relacionava bem com eles já há alguns anos, embora tivesse algumas restrições. Entretanto, alguns acontecimentos o fizeram rever a relação e optar por se afastar.   

O marido era arrogante no sentido que sabia ‘tudo’. Uma noite, num jantar na casa dele, quando Luiz fez um comentário, pediu que ele se calasse, pois, a esposa (do Luiz) estava falando alguma coisa.

A mulher, quando um dia Luiz lhe sugeriu para acessar um portal que ele administrava, voltado para a terceira idade, respondeu-lhe: ‘Imagine, eu já não sou jovem, e ainda vou ficar lendo essas coisas voltadas para velhos’...

Como a filha do casal, nos dia úteis, saia de casa às 7h15 para levar os filhos para escola. Luiz, quando precisava ir ao centro da cidade, que ficava distante cerca de 25km, eventualmente lhe pedia uma carona. Uma ocasião, depois de uma dessas vezes, ela lhe deu um cartão com telefone de um taxista, motorista de Uber, que poderia lhe prestar esse serviço.

Luiz, quando se mudou para sua casa atual, tinha várias coisas retiradas da residência anterior que não poderia utilizar de imediato.  O casal, tinha um apartamento desocupado, num condomínio vizinho, ofereceu parte desse espaço para guardar os móveis e caixas dos excedentes.  Luiz, naturalmente, aceitou a oferta.

Certo dia, uns dois anos mais tarde, o vizinho informou que teria que desocupar o imóvel no dia seguinte, e que os móveis e caixas deveriam ser retirados. Não haveria necessidade de fazer nada porque ele providenciaria o transporte. No dia seguinte, um caminhão descarregou a carga na casa de Luiz, ocupando toda as vagas da garagem. Ele, pego de surpresa, e, sem ter planejado o que fazer, providenciou a doação daqueles itens para o Assistência Social da prefeitura, para atender à população carente da cidade.

Mais tarde soube que a necessidade de desocupação do espaço não ocorreu de um dia para o outro - esteve sendo tratada por meses, antes de se concretizar. Se Luiz tivesse sido alertado com antecedência, poderia ter providenciado uma melhor solução. Desde então, a relação ficou prejudicada e houve um afastamento natural das famílias.  

Colegas


Relacionamo-nos superficialmente com muita gente – na escola, no trabalho, no dia a dia. Como o conhecimento é superficial, a imagem que passamos ou recebemos frequentemente não corresponde à realidade. Então, às vezes, somos surpreendidos por alguns comportamentos que fogem da pessoa que idealizamos.    

Por exemplo, ao terminar a faculdade, Luiz foi escolhido para ser o orador da turma na cerimônia de formatura. Saiu-se bem, foi elogiado por muitos pela boa apresentação. 

Anos mais tarde, no reencontro com seus colegas de turma em comemoração à passagem de 4 décadas da formatura, foi outra vez escolhido para falar na cerimônia que iria marcar a ocasião. Um dos colegas, do qual ele nem se lembrava bem, foi contrário à escolha e alegou que era pelos mesmos motivos que fora contra há 40 anos atrás. Ele não explicou, e Luiz ficou sem saber os ‘motivos’ do passado e do presente, nem o nome do ‘colega’.

 


Conclusão

É, a vida em sociedade não é fácil. Entretanto é importante lembrar que apesar das experiências negativas de relacionamento, acima relatadas, houve outras, muito positivas e duradouras na vida do Luiz.

Ele não questiona a importância das relações humanas. Acredita que elas devem ser cultivadas, pois a nossa felicidade depende, em grande medida, dos relacionamentos que temos.

Portanto, entende que devemos nos empenhar cultivar os relacionamentos, em recuperar os eventuais afastamentos. Mas, se chegarmos à conclusão de que o esforço não tem validade, esquecer é o melhor.

Diante disso, racionalizando, concluiu que a melhor atitude é não valorizar, priorizar, os relacionamentos pessoais por interesse, vínculo existente, ou pelo tempo decorrido da sua existência, mas sim pelo que representam atualmente na sua vida. Como disse Paulo Coelho:

‘Não te preocupes pelas pessoas do teu passado. Há uma razão por elas não terem chegado ao teu futuro’.

Portanto, as pessoas mais importantes da sua vida, e que merecem mais a sua atenção, não estão no passado. Estão no presente, e são aquelas que lhe trazem alegria e felicidade, ou então, que de alguma forma dependem de você.

 


(JA, Mai22)

 


 


 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,