Pular para o conteúdo principal

Marechal Cândido Rondon

Marechal Cândido Rondon, 1865-1958

Filho do Português Cândido Mariano da Silva, e da Mestiça Claudina Freitas Evangelista, nasce no ano de 1865 em Mimoso, Candido Mariano da Silva Rondon. Tendo ainda muito jovem ingressado à carreira militar, foi o maior sertanista brasileiro de todos os tempos, responsável pela ligação do Norte e Centro-Oeste ao litoral via telégrafo, e o mais consagrado indigenista de nossa história. Rondon é o patrono das comunicações brasileiras. 

‘É minha ascendência materna indígena – índios terena e bororo com os guaná, de quem descendia minha avó paterna, Maria Rosa Rondon; são três as tribos de que descendo.

Eram meus bisavós maternos, pais de minha avó materna, Constantino de Freitas, de origem portuguesa, e Maria de Freitas, mestiça terena, nascida em Miranda’.

Formação

Órfão de pai (que não chegou a conhecer) e mãe (falecida dois anos e meio depois de seu nascimento) aos sete anos, em 1873, deixou Mimoso e mudou-se para Cuiabá, onde passou a ser criado por seu tio, Manoel Rodrigues da Silva. Iniciou seus estudos no mesmo ano, na escola particular de Mestre Cruz. No ano seguinte foi  matriculado na escola pública do professor João Batista de Albuquerque. Completou o curso primário na escola do professor Francisco Ribeiro da Costa, mestre Chico, em 1878. 

O Jovem Candido Rondon

Em 1881, aos 16 anos, conclui o curso de professor no Liceu Cuiabano e foi nomeado para o cargo. Em 26 de novembro de 1881 sentou praça como soldado raso, sendo destacado para o 3° Regimento de Artilharia a cavalo, no quartel do antigo acampamento Couto Magalhães, em Cuiabá.

Em 31 de dezembro de 1881, iniciou seus estudos na Escola Militar da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro. Em 1884 começou o seu curso superior na mesma escola militar.

No ano seguinte, matriculou-se no curso de cavalaria e infantaria, concluindo-o no mesmo ano. Em 1887 terminou o curso de artilharia e, em 1888, ao encerrar o curso de estado-maior de primeira classe, foi promovido a alferes-aluno.

Em março de 1889, ingressou na então Escola Superior de Guerra, onde ensinava Benjamim Constant Botelho de Magalhães, líder republicano e positivista, de quem se tornou aluno e seguidor. A influência de Benjamim Constant na formação de Rondon foi muito forte, principalmente quanto ao positivismo, doutrina que Rondon adotou e seguiu por toda a vida.

Candido Rondon na queda do Brasil Império

Teve participação no movimento que depôs a Monarquia em 15 de novembro de 1889, cujo apoio ele relata em seu diário:

“Estava cheio o quartel. Chegamos na ocasião em que era arrombada a Arrecadação. Pedi logo um dos revólveres nagan que estavam sendo distribuídos – arma que conservo, com a que me ofereceu Roosevelt, verdadeiras peças de museu.

Escolheu Benjamin Constant para portadores de tão importante mensagem os dois discípulos em quem mais confiava – os discípulos amados – Fragoso e eu. Seríamos a ligação entre a ‘Brigada Estratégica’ rebelada e os oficiais revoltados da Armada.

As 4 horas partimos em cavalos escolhidos para uma galopada de São Cristóvão ao Clube, no largo do Rossio.

O dia despertava. Súbito, tingiu-se o oriente sob uma chuva de ouro, pálida a princípio e depois cada vez mais rubra... e sobre essa cortina surgiria em breve o sol a iluminar um novo dia, a iluminar pela primeira vez a República brasileira."

Em dezembro de 1889, recebeu o título de engenheiro militar, e de bacharel em matemática e ciências físicas pela Escola Militar. Promovido a alferes no dia 4 de janeiro de 1890, três dias depois ascendeu ao posto de primeiro-tenente ‘por serviços relevantes à República’.

Nomeado em seguida professor substituto de astronomia e mecânica da Escola Militar por indicação de Benjamim Constant, Rondon decidiu que, antes de assumir o cargo, aceitaria o convite que lhe fora feito para desempenhar, em Mato Grosso, as funções de ajudante do major Antônio Ernesto Gomes Carneiro, chefe da Comissão Construtora de Linhas Telegráficas, empenhada em construir a ligação entre Cuiabá e a margem esquerda do Araguaia, divisa com o estado de Goiás, iniciando sua vida de sertanista e desbravador.

O recém-criado governo republicano estava preocupado com o oeste do Brasil, muito isolado dos grandes centros e nas regiões fronteiriças.

Em 1890, foi nomeado ajudante da Comissão de Construção das Linhas Telegráficas de Cuiabá a Registro do Araguaia, a primeira linha telegráfica do estado de Mato Grosso.

Esta linha telegráfica foi finalmente concluída em 1895 e, posteriormente, Rondon iniciou a construção de uma estrada que ligava o Rio de Janeiro (então capital da república) a Cuiabá, capital de Mato Grosso. Até esta estrada ser concluída, o único caminho entre estas duas cidades era pelo transporte fluvial.

Em 1891 (ou 1892), Rondon é nomeado chefe do Distrito Telegráfico de Mato Grosso e pede exoneração do cargo de professor. Nessa época, ele se casara com Francisca Xavier, no Rio de Janeiro. Juntos, eles tiveram sete filhos (Heloísa Aracy, Bernardo Tito Benjamin, Clotilde Teresa, Maria Sylvia, Beatriz Emília, Maria de Molina e Branca Luíza).

De 1900 a 1906, Rondon ficou encarregado de instalar a linha telegráfica do Brasil para a Bolívia e o Peru. Durante esse período, entrou em contato com os indígenas bororos, no oeste do Brasil, e foi tão bem sucedido nesse contato, que completou a linha telegráfica com a ajuda deles.

Ao longo de sua vida, Rondon descobriu e nomeou rios, montanhas, vales e lagos e implantou mais de cinco mil quilômetros de linhas telegráficas nas florestas brasileiras.

Em 1906, foi encarregado pelo então presidente da república, Afonso Pena, de ligar Cuiabá ao recém incorporado território do Acre.

Explorações

Pela competência demonstrada na construção de linhas telegráficas, Rondon foi encarregado de estender a linha telegráfica de Mato Grosso para a Amazônia.

No curso da construção da linha, descobriu o rio Juruena, um importante afluente do Tapajós, no norte de Mato Grosso. Também descobriu os Nambiquara, um povo isolado que até então havia matado todos os não índios com quem entrara em contato.

Rondon também descobriu as ruínas do Real Forte Príncipe da Beira, a maior relíquia histórica de Rondônia.

Foi promovido a major do Corpo de Engenheiros Militares, responsável pela construção da linha telegráfica de Cuiabá para Santo Antônio da Madeira, a primeira a chegar até a região amazônica. Os trabalhos da chamada Comissão Rondon foram desenvolvidos de 1907 a 1915.

Ao mesmo tempo, estava sendo construída a Ferrovia Madeira-Mamoré, que, juntamente com a exploração e integração telegráfica de Rondon, ajudou a ocupar a região do atual estado de Rondônia. 

Rondon na Amazônia brasileira

Em maio de 1909, Rondon iniciou sua mais longa expedição. Ele partiu do distrito de Tapirapuã, em Tangará da Serra, rumo ao noroeste até o rio Madeira, um dos principais afluentes do rio Amazonas. Em agosto, todos os seus suprimentos de sua equipe estavam esgotados. Para sobreviver, a expedição recorreu à caça e à coleta na floresta. Quando chegaram ao rio Ji-Paraná, não tinham suprimentos.

Durante a expedição descobriram um grande rio entre o Juruena e o rio Ji-Paraná, que Rondon chamou de rio da Dúvida. Para chegar ao destino, construíram canoas e, com sucesso, a equipe conseguiu chegar ao Rio Madeira, no Natal de 1909.

Ao regressar ao Rio de Janeiro, o Marechal Rondon foi saudado como herói, porque se acreditava que ele e a expedição haviam morrido na selva. Após a expedição, ele se tornou o primeiro diretor do Serviço de Proteção ao Índio, criado no governo do presidente Nilo Peçanha.

Em setembro de 1913, Rondon foi atingido por uma flecha envenenada dos índios nhambiquaras. Foi salvo pela bandoleira de couro de sua espingarda. Porém, ordenou aos seus comandados que não reagissem, e batessem em retirada, demonstrando seu princípio de penetrar no sertão somente com a paz. Ele afirmava:

‘Morrer, se preciso for. Matar, nunca’.

Em 1914, com a Comissão Rondon, construiu 372 km de linhas, e mais cinco estações telegráficas: Pimenta Bueno, Presidente Hermes, Presidente Pena (mais tarde Vila de Rondônia e atual Ji-Paraná), Jaru e Ariquemes, na área do atual estado de Rondônia.

Em 1 de janeiro de 1915, completou sua missão com a inauguração da estação telegráfica de Santo Antônio do Madeira.

O Meridiano 52 Oeste é também uma referência geográfica para a história das comunicações no Brasil. Rondon foi o segundo ser humano a receber em sua honra um meridiano com seu nome. Ele cumpriu missões abrindo estradas, criando linhas telegráficas, mapeando florestas, rios e montanhas e estabelecendo relações cordiais com os índios. Ele manteve contato com vários povos indígenas do Brasil.

Expedição com Roquette-Pinto

Roquette-Pinto durante a expedição de 1912

Em 1912 

Em 1912 o cientista Edgard Roquette-Pinto (1884-1954) viajou à Amazônia, a convite do general Candido Rondon, em mais uma expedição para desbravar a região, contatar tribos e demarcar fronteiras. Em cada viagem, Rondon levava um perito para cada disciplina. Ao chamar Roquette-Pinto, levou um homem-equipe.

Naquela expedição  Roquette foi cartógrafo, etnógrafo, sociólogo, geógrafo, arqueólogo, botânico, zoólogo, médico, farmacêutico, legista, linguista, desenhista, fotógrafo, sonoplasta e folclorista. Registrou toda a aparência da região: folha, árvore, floresta, composição dos solos, contorno dos rios, variedade da fauna.

Nas visitas às tribos já contatadas, mediu o crânio de seus membros, comparou pesos e alturas, analisou suas endemias e descreveu seus conhecimentos, formas de produção, comércio e transporte, relações familiares, língua, hábitos religiosos e coreografias. Anotou musicalmente seus cantos e gravou-os em cilindros de cera. Roquette realizou até a primeira autópsia de um indígena --por acaso, uma mulher.

A morte estava sempre ao lado: dias e dias de caminhada sem sol visível, à mercê de calor, animais, flechas, armadilhas, varíola, beribéri, malária. De volta ao Rio em dezembro, doou ao Museu Nacional uma tonelada e meia de objetos, que transportara em carro de boi pela selva. As anotações musicais foram entregues ao jovem Villa-Lobos para serem harmonizadas.

Em 1916, Roquette condensou tudo em sua obra-prima, ‘Rondônia’, um tratado multidisciplinar sobre aquele Brasil recém-revelado, e um libelo contra a tese, então corrente, de que nossas mazelas se deviam à composição étnica.

Expedição com Roosevelt

 

Em janeiro de 1914, Rondon partiu com o ex-presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt na Expedição Científica Rondon-Roosevelt, cujos objetivos eram explorar o Rio da Dúvida e definir se era afluente ou não do Rio Amazonas. A expedição deixou Tapiripuã e chegou ao Rio da Dúvida em 27 de fevereiro de 1914. Devido aos muitos imprevistos que ocorreram, até o final de abril eles ainda não haviam alcançado a foz do rio. Durante a sofrida expedição, o Rio da Dúvida foi renomeado para Rio Roosevelt.

Com 679 quilômetros de extensão (fonte: Agência Nacional de Águas), o Roosevelt nasce em Rondônia, passa pelo Mato Grosso, e vai até o Amazonas.

A expedição científica descobriu que o Rio Roosevelt tornava-se, no estado do Amazonas, um afluente do rio Madeira. As águas claras, as ilhas, as praias e a riqueza e variedade de peixes e animais silvestres em suas margens também contribuíram para tornar o rio um dos mais famosos do Mato Grosso.

A aventura no rio da Dúvida foi a mais difícil da vida de Theodore Roosevelt, tendo abalado sua saúde para o resto da vida. Todos os homens, exceto Rondon, sofreram de doenças e enfermidades constantes.

Rio da Dúvida - Roosevelt

Anos depois

Após a expedição de 1914, Rondon trabalhou até 1919, mapeando o estado de Mato Grosso. Durante esse tempo, ele descobriu mais alguns rios, e fez contato com várias tribos indígenas.

Em 1919, já como general de brigada, Rondon foi nomeado diretor de Engenharia do Exército, e autorizou a construção de quartéis. Nessa época ele também acumulou os cargos de chefe da corporação brasileira de engenheiros, e de chefe da Comissão Telegráfica.

Em 1924 e 1925, ele liderou as forças do exército contra uma revolta no estado de São Paulo.

De 1927 a 1930, Rondon foi encarregado de examinar todas as fronteiras entre o Brasil e seus países vizinhos.

Durante a Revolução de 1930, Rondon renunciou ao cargo de chefe do SPI.

Durante 1934-1938, Rondon foi encarregado de uma missão diplomática, como mediador de uma disputa entre a Colômbia e o Peru sobre a cidade de Leticia.

Em 1939, ele voltou à direção do SPI e expandiu o serviço para novos territórios do Brasil.

Na década de 1950, ele apoiou a campanha dos Irmãos Villas-Bôas, que enfrentava forte oposição do governo e dos fazendeiros de Mato Grosso, que levou ao estabelecimento da primeira reserva para os povos indígenas: o Parque Nacional do Xingu, criado em 1961.

Em 5 de maio de 1955, data em que completou 90 anos de idade, foi agraciado com o título de Marechal do Exército Brasileiro, concedido pelo Congresso Nacional.

Em 1957, Rondon foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz pelo Explorers Club de Nova Iorque.

Faleceu no dia 19 de janeiro de 1958, aos 92 anos de idade. Seu corpo foi sepultado no Cemitério de São João Batista, no Rio de Janeiro.

Homenagens

O marechal Cândido Rondon é considerado um dos principais heróis e patriotas brasileiros e, portanto, tem sido homenageado pela população e pelo governo de várias maneiras. Ele é o ‘Pai das Telecomunicações Brasileiras’,  e o dia 5 de maio, data de seu aniversário, é também o ‘Dia Nacional das Telecomunicações’, estabelecido em sua homenagem. Teve a glória de ter seu nome escrito em letras de ouro no maciço Livro da Sociedade Geográfica de Nova Iorque.

Títulos

Em 5 de maio de 1955, data de seu aniversário de 90 anos, recebeu o título de Marechal Honorário do Exército Brasileiro, concedido pelo Congresso Nacional.

Em 1957, foi indicado para o prêmio Nobel da Paz, pelo The Explorers Club, de Nova Iorque.

Em 1963, foi homenageado com a designação de ‘Patrono da Arma de Comunicações do Exército Brasileiro’.

Logradouros

Por meio da Lei Ordinária, nº 2 731/56, em 17 de fevereiro de 1956, o Território Federal do Guaporé teve seu nome alterado para Território Federal de Rondônia e, em 22 de dezembro de 1981 foi elevado a estado com o nome Rondônia por meio da Lei Complementar nº 41/81.

O município de Marechal Cândido Rondon foi criado em 1960. 

Aeroporto Internacional Marechal Rondon se encontra em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá

O principal aeroporto de Mato Grosso chama-se Aeroporto Internacional Marechal Rondon, enquanto o Aeroporto de Marechal Cândido Rondon serve à cidade homônima.

O Marechal Rondon é também homenageado nomeando diversos bairros, escolas e logradouros no Brasil, como a Rodovia Marechal Rondon.

Em 1918, o povoado de Rio Vermelho foi renomeado como Rondonópolis, em homenagem ao mato-grossense Marechal Rondon que também teve préstimos realizados nesta cidade durante as realizações das expansões telegráficas.

Outros

Em 1918, recebeu a Medalha Centenário de David Livingstone da Sociedade Geográfica Americana.

Em 1919, recebeu a Medalha do Explorers Club.



Seu rosto foi estampado na nota de mil cruzeiros.

Em 1º de julho de 2015, o Governo Federal determinou a inscrição do nome de Rondon no Livro de Heróis da Pátria, depositado no Panteão da Pátria, em Brasília.

Em 1968, foi iniciado o Projeto Rondon, com o objetivo de levar a juventude universitária a conhecer a realidade brasileira e a participar do processo de desenvolvimento.

 

Estado de Rondônia

 

Fonte: Esther de Viveiros, ‘Rondon conta sua vida’, Cooperativa Cultural dos Esperantistas, Rio, 1969  | Brazil Imperial | WP


(JA, Abr22)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,