Pular para o conteúdo principal

Sobre as Mulheres

 

Contrariando Freud não considero o sexo como sendo a força motora da sociedade, e que seria o meio e o fim de tudo. Para mim essa afirmação seria verdadeira se substituíssemos a palavra ‘sexo’ por ‘gênero’.

Nós homens imaginamos que sabemos o que as mulheres pensam, falam, e o que fariam em determinadas situações. Entretanto, independentemente disso, as consideramos extremamente interessantes - o que não é comum pois, às coisas conhecidas, não damos maior atenção.

Isto me levou a refletir, e acabei chegando à conclusão de que, na verdade, cada uma delas é um complexo intelectual, físico e espiritual, singular, único, embora compartilhem algumas afinidades psicológicas entre si. São essas afinidades que nos levam, os homens, enganosamente, a enxergá-las como sendo um grupo uniforme.

Uma mulher que sabe aproveitar as regalias que lhe são concedidas pela sociedade atual, provavelmente será bem-sucedida, tanto no campo financeiro, profissional, como no espiritual-amoroso-físico-familiar.

Exige-se de uma mulher um comportamento muito singular, racional e próprio, que deveria ser exigido também do homem, para formação de uma sociedade de melhor nível, mais produtiva, feliz.

Uma mulher precisa ter classe. Ter classe consiste em uma enorme série de atitudes: ela não deve falar sem ter certeza do que está falando, e nem mais do que deve; tem que conhecer perfeitamente as pessoas que a cercam, para agir de maneira correta para não as ofender, ou a agradá-las mais do que o necessário. Deve-se mostrar capacitada, ativa, sensata, inteligente, simpática, imaginosa, com jeito para as coisas trabalhosas – que demandam paciência.

O mais difícil, para quem tem todas essas qualidades, é ter que se mostrar submissa ao seu namorado, noivo, marido, chefia, de um modo tal que ele não se sinta o senhor absoluto da situação, mas apenas o responsável pela direção. 

Além disso, tem outras obrigações, como manter a boa aparência, capacidade de sofrer em silêncio, de se alegrar com parcimônia – sem excessos. Aliás, uma mulher de classe deve fazer tudo sem excessos.

A classe de uma mulher, para existir, precisa ser cultivada. É obtida através de um exercício constante:   em qualquer situação, a qualquer momento, quer sozinha ou acompanhada, em sua casa ou não, na rua ou no escritório. Assim, pouco a pouco, esse comportamento se torna habitual, não exigindo mais esforço algum.

Se mulher conseguir ser assim, poderá ser considerada realmente uma mulher emancipada e, como tal, exigir para si um homem igualmente preparado, pleno. Dessa união resultará um lar bem estruturado, no qual pais e filhos viverão bem, pois pertencerão a um grupo caracterizado, principalmente, pela prática equilibrada da razão, do respeito, do amor, próprio e compartilhado. 


(JA, Nov68)


                                                              

Fonte: Do ‘Tratado sobre a importância da mulher na estrutura masculina’, ainda por escrever, pelo mesmo autor




 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,