Pular para o conteúdo principal

Hebe Camargo na Tabatinga

 

A família de Hebe Camargo, falecida em 2012, vendeu a casa que a apresentadora mantinha desde a década de 80 no Condomínio Costa Verde Tabatinga, em Caraguatatuba. O imóvel teria sido vendido há três meses, mas não se sabe o valor da venda, nem quem o adquiriu.

O filho da apresentadora, Marcello, chegou a usar imóvel no primeiro semestre deste ano. Claudio Pessutti, sobrinho e assessor direto da apresentadora, que morreu em janeiro deste ano de Covid-19, passou a primeira parte da quarentena na casa da Tabatinga ao lado da família. Mas, assim que o número de casos diminuiu, ele teria voltado a São Paulo para trabalhar, onde ele teria sido contaminado, vindo a falecer.

A marina, que ela possuía na Tabatinga, em sociedade com Pessutti, que se encontrava arrendada, também foi vendida, já faz alguns anos.

Hebe tinha uma ligação muito grande com Caraguatatuba, cidade que frequentava desde a década de 60, onde morava sua irmã Cida. Seu cunhado Rubem Gnecco chegou a ocupar o cargo de prefeito da cidade.

No início da década de 80, Hebe conheceu a praia da Tabatinga, onde seu filho Marcello Camargo tinha casa de veraneio no bairro. Hebe encantou-se com o condomínio Costa Verde Tabatinga, um dos mais valorizados do litoral paulista, e comprou uma casa no local. 

 

               Hebe durante suas caminhadas pela praia da Tabatinga 

Fez muitas amizades no condomínio, entre elas, com Cláudia Moraes (dona da Kopenhagen) e com o jornalista e empresário J. Hawilla (da empresa de esportes Traffic). Adorava jogar pôquer. Participava das rodadas de pôquer com Hawilla, o técnico Wanderley Luxemburgo, seu sobrinho e empresário Cláudio Pessuti, e outros empresários que tinham casa no condomínio Tabatinga. 


Hebe com Pessutti e amigas no quiosque Na Manha 

A apresentadora, também, adorava caminhar pela areia da praia até o quiosque do Na Manha, onde apreciava uma caipirinha e se deliciava com os aperitivos de frutos do mar feitos por dona Glória. Tornou-se uma grande amiga da família ‘Na Manha’. 


Hebe tomando uma cerveja com o Na Manha 

Hebe recebeu várias vezes prefeitos e pessoas da cidade em sua casa de veraneio. Muitos deles participaram de seus programas ne televisão, onde a cidade era muito divulgada. A apresentadora chegou a investir na cidade, foi dona de uma marina na Tabatinga, administrada pelo Jorginho Apes. Após a sua morte, seu filho Marcelo continuou frequentando a cidade, até o primeiro semestre deste ano.

Hebe sempre divulgou a cidade em seus programas de TV. Na década de 60, quando ocorreu a tromba de água em Caraguá (18 de março de 1967), Hebe usou seu programa, na época na TV Record, para solicitar ajuda para a cidade, e para as pessoas que ficaram desabrigadas. Na época, sua irmã residia na cidade.

A apresentadora adorava passear com sua lancha pela baia da Tabatinga. A lancha, que chamava New Star, ficava atracada entre a Ilha do Tamanduá e o condomínio Costa Verde Tabatinga. Hebe tomava uma caipirinha, beliscava uns aperitivos e ‘jogava’ conversa fora. Ela adorava. Hebe ficava bem à vontade na Tabatinga.  


Hebe e seu filho Marcelo 

A herança de Hebe Camargo, avaliada em cerca de R$ 60 milhões, foi dividida meio a meio entre o filho, Marcello de Camargo Capuano, e o sobrinho, Claudio Pessutti, que foi seu empresário por 17 anos e a quem ela considerava um filho.

De acordo com informações, o patrimônio incluía sua famosa mansão no Morumbi, a casa de veraneio em Caraguatatuba, carros de luxo, entre eles, duas Mercedes-Benz, além de joias.

Morte

Completaram-se nove anos da morte da apresentadora de televisão Hebe Camargo. Hebe morreu no dia 29 de setembro de 2012, devido a um câncer.

Desde a sua morte, em 2012, Hebe Camargo nunca mereceu uma homenagem digna em Caraguatatuba, cidade que frequentou desde a década de 60, onde mantinha casa de veraneio, e que sempre fez questão de divulgar em seus programas de televisão.

Hebe teria sido a veranista mais famosa de Caraguatatuba. Assim, como foi o apresentador Clodovil Hernandez, em Ubatuba. Ambos, no entanto, continuam sem uma homenagem respeitosa por parte das autoridades das duas cidades.

Caraguatatuba e Ubatuba chegaram a ‘ensaiar’ alguma coisa relacionada as homenagens, mas nada de digno foi concretizado. Os dois, Hebe Camargo e Clodovil, foram importantíssimos como veranistas nas duas cidades. Se consideravam ‘moradores’, pois Caraguatatuba e Ubatuba era o ‘refúgio’ ideal para eles, locais de tranquilidade, felicidade e alegria. Quem conviveu com eles, sabe disso.

As duas cidades poderiam lucrar muito turisticamente com a instalação de um acervo de um deles, ou transformando suas casas em um tipo de museu. Seria uma bela homenagem, e um excelente atrativo.

‘Hebe sempre mereceu uma homenagem por parte das autoridades de Caraguatatuba. Ela foi uma das maiores divulgadoras da beleza da cidade. Muita gente, inclusive, famosos, adquiriam imóvel na região incentivados por ela’, comentou Alberto Oliveira, um dos filhos de dona Glória e do Na Manha.

Claudio Pessutti, sobrinho e assessor direto da apresentadora, morreu em janeiro deste ano de Covid-19. Claudio era responsável por todo acervo de Hebe Camargo e pretendia inaugurar, em março de 2022, o Instituto Hebe Camargo, entidade que prestaria assistência à artistas necessitados, e à mulher. Com a morte de Pessutti, não se sabe o que será feito com o instituto.

Marcello Camargo, filho da apresentadora Hebe Camargo, relembrou os nove anos de partida da artista que marcou a vida dos brasileiros com sua alegria e sabedoria. Em entrevista para a ‘Caras Digital’, ele comentou sobre a data.

‘Tem tudo para ser uma data triste que a gente lembra. A saudade e é eterna, né? Ficaria meio cabisbaixo, deprimido, mas é tudo o que ela não queria! Hebe Camargo é sobre celebrar a vida’, disse. 


Fonte: Salim Burihan

 

(JA, Set21)

 


 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,