Pular para o conteúdo principal

Paulistanês, o sotaque paulistano



Av. Paulista, São Paulo-SP

Um chopis e dois pastel’, ‘choveindo’, que também pode soar como ‘chovennndo’, ‘orra meu’, e ‘véio’ são expressões ou pronúncias que tornam possíveis, para muita gente, a identificação do falante como nativo da cidade de São Paulo.

É o dialeto ou sotaque paulistano, tão diferente de outros, mas tão próprio e característico de quem o expressa, como o chiado o é para os cariocas. Ele se formou ao longo dos 466 anos da cidade, completados no dia 25 de janeiro de 2020.

Cada modo de falar é próprio de uma comunidade, seja um bairro, uma cidade, um estado ou país — basta ver as diferenças entre o português falado no Brasil e o de Portugal.

O desenvolvimento do ‘paulistanês’ é resultado da história da própria cidade.

Índios

No princípio eram os índios, com suas dezenas de línguas — cerca de 380 em todo país, na época do descobrimento — principalmente o tupi ou tupi antigo, falado pelas tribos de povos dessa etnia, que habitavam a maior parte do litoral do Brasil no século 16, aí incluído o Planalto de Piratininga, onde está assentada a cidade de São Paulo. Entre elas estavam os tupinambás, tupiniquins, caetés, tamoios, potiguaras, temiminós e tabajaras.

Colonizadores portugueses, escravos africanos,  Imigrantes italianos

Depois vieram os colonizadores portugueses, de várias partes de Portugal, cada uma com seu linguajar e sua pronúncia. Mais tarde, chegaram os escravos africanos, e suas variadas línguas e, mais recentemente, os imigrantes de diversos países, com destaque para os italianos.

Final Século 19

‘O sotaque da cidade de São Paulo é uma grande mistura’, diz o músico e pesquisador Ivan Vilela, da Faculdade de Música, da Escola de Comunicações e Artes, da Universidade de são Paulo (ECA-USP). ‘Inicialmente, até o final do século 19, era o caipira, que ainda está presente em todo o interior do estado, sul de Minas Gerais, e Triângulo Mineiro, que foi o eixo de difusão da cultura bandeirante’.

De acordo com ele, autor do livro ‘Cantando a Própria História: Música Caipira e Enraizamento’, o paulistanês começa a receber uma série de injeções linguísticas a partir dessa época.

‘Para se ter uma ideia, em 1883 o censo da população da cidade mostrou um número maior de italianos do que de brasileiros’, diz. ‘Eles deixaram uma marca muito forte no sotaque paulistano, que pode ser visto na obra de Juó Bananère [pseudônimo usado pelo escritor e poeta brasileiro Alexandre Ribeiro Marcondes Machado para criar obras literárias usando o modo de falar da colônia italiana de São Paulo na primeira metade do século 20], e quando se ouve Adoniran Barbosa’.

Vilela explica ainda que o sotaque caipira foi expulso da cidade. ‘Num processo de modernização, São Paulo começou a banir todos esses traços arcaicos, dentre eles a própria língua' caipira, diz.

‘Paralelamente a isso, houve a proclamação da República, com todo seu ideário positivista, que deu suporte a ela e interferiu na relação da população com a cultura popular que a cercava. Começou a haver uma prevalência do saber erudito sobre o popular’.

Imigrantes japoneses, espanhóis e libaneses

Depois começaram a chegar outras levas de imigrantes, como japoneses, espanhóis e libaneses. A consequência foi que em cada canto da cidade surgiu uma marca característica.

‘Na zona sul, na região de Santo Amaro, por exemplo, predomina o sotaque nordestino. Na zona norte a influência já é mais portuguesa’, afirma Vilela.

O desenvolvimento do ‘paulistanês’ é resultado da história da própria cidade

Século 20

Além disso, o êxodo rural em direção à capital, ocorrido a partir de 1920, como a derrocada da cultura do café, trouxe de volta o falar caipira para a cidade de São Paulo, segundo ele.

A historiadora e linguista Lívia Oushiro, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), tem outra explicação para a presença, até hoje, do sotaque caipira na capital.

‘É difícil determinar se ele ressurgiu na periferia ou se nunca desapareceu da cidade’, diz. ‘Acho a segunda hipótese mais provável. Mas, sem dúvida, a sua presença nas periferias tem a ver com o grande influxo de migrantes do interior à cidade de São Paulo, ao longo da segunda metade do século 20’.

O tal do 'R'

Ela explica que no Brasil, o grande diferenciador de sotaques é a pronúncia da letra ‘R’, principalmente quando em final de sílaba, em palavras como ‘porta’ e ‘mulher’.

‘Na capital paulista, há duas pronúncias principais para esse som:

o    O chamado R retroflexo, que é também conhecido como R caipira e que está bastante presente na fala dos moradores de periferia [pense, por exemplo, num rapper falando 'certo, mano!']’, explica.
o    ‘A outra é o chamado R tepe, que é usado principalmente nas regiões centrais da cidade’.

Esse R soa como na palavra 'pirata', diferentemente do R retroflexo, que é usado em Piracicaba, por exemplo, como em ‘porrrta’.

O primeiro é considerado um traço mais central geograficamente, e pode ter conotações de classe (mais alta) e as concomitantes associações de formalidade’, diz o linguista Thomas Daniel Finbow, do Departamento de Linguística, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da USP. ‘O retroflexo, por sua vez, é visto como mais periférico e informal’.

Uma outra característica facilmente reconhecível do paulistanês é o jeito de pronunciar as sílabas ‘ti’ e ‘di’ - que soam como ‘tchi’ e ‘dgi’ -, de acordo com Lívia, que é autora da tese de doutorado sobre o tema.

Ela lembra ainda da ditongação (união, em uma mesma sílaba, de uma vogal silábica e uma semivogal) do ‘em’ em palavras como fazenda e entendendo. ‘Elas acabam sendo pronunciadas como fazeinda e enteindeindo'.

São Paulo tem também vocábulos próprios. O paulistano usa, por exemplo marmita, busão e mexerica em vez de quentinha, coletivo/ônibus, tangerina/bergamota de outras regiões’, afirma a linguista.


‘Na zona sul, na região de Santo Amaro, por exemplo, predomina o sotaque nordestino. Na zona norte a influência já é mais portuguesa’
.
'Os carro vermelho'

Se observar direito, quem visita a cidade vai notar que em algumas regiões, principalmente naquelas com maior número de descendentes de italianos, como os bairros da Moóca e da Bela Vista (Bixiga), não se usa muito o plural, como em ‘os carro vermelho’.

Isso porque o italiano não usa o ‘s’ para formar o plural.

"No caso do italiano, ele deriva do caso nominativo latino, cujo plural é formado pelo uso, no final da palavra, de 'i', para o masculino, e de 'e', para o feminino, e não do 's'.", diz Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida, doutor e pós-doutor em Letras e professor titular da USP.

‘O português e o espanhol usam o s, porque derivam do acusativo plural latino, que já o tinha. Isso é um exemplo de como a gramática de um idioma influencia outro’.

Para Finbow, apesar de em muitos casos fugir das normas cultas da língua portuguesa, não se deve considerar o sotaque paulistano - ou qualquer sotaque - como errado. ‘Ele não deveria ser enxergado como uma série de desvios da norma padrão, porque as raízes de alguns traços das variedades paulistanas, antecedem a formação de uma norma culta, e são fundamentalmente independentes dela’, explica.







Fonte: Evanildo da Silveira |  BBC News Brasil




(JA, Fev20)





Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,