Pular para o conteúdo principal

Alvarenga Massarioli, 1ª geração

Ângelo (Angelin) Massarioli e  Messias (Filinha) de Alvarenga,  nasceram no interior do Estado de São Paulo, no final da segunda década do século 20. 

A família dela tinha uma propriedade rural próxima à cidade de Barretos. Eram em muitos irmãos. Oportunamente, o pai dela, comandando uma comitiva de vaqueiros fez uma viagem a cavalo para  levar uma boiada para vender numa região próxima. A família, mãe e irmãos, por segurança, foram ficar na casa que tinham na cidade de Penápolis, enquanto isso. Durante a viagem, alguns vaqueiros da comitiva pegaram algum tipo de vírus e vieram a falecer. Num determinado momento, tentaram atravessar um rio largo, com forte correnteza, e perderam muitos animais. Ele, desesperado, vendo que estava perdendo tudo o que tinha investido, sofreu um derrame e foi levado para a fazenda, onde veio a falecer alguns anos depois, após um segundo derrame.

A mãe e as filhas mais velhas e um dos irmãos, começaram então a costurar para fora para sobreviver. A fazenda que naquela época, como as demais da região, não tinha o devido registro em cartório e acabou sendo ‘administrada’ por um dos tios que assumiu a propriedade, o controle dos negócios, contratando alguns dos filhos do falecido como empregados.

Filinha, inicialmente morou na casa de um irmão mais velho, casado, ajudando nas tarefas domésticas. Mais tarde, começou a costurar com a mãe e irmãos. Cheia de iniciativa, algum tempo depois, veio sozinha para São Paulo capital, a procura de trabalho. Arranjou um emprego como enfermeira estagiária. Em seguida, teve a oportunidade, e começou a trabalhar no recém inaugurado Hospital das Clínicas, onde fez um curso profissionalizante, conseguindo então se formar como Técnica em Enfermagem.

Angelin era filho de pais da 2ª geração de imigrantes italianos que, vindos da Itália, inicialmente, foram trabalhar na lavoura no interior de São Paulo. Emilio, seu pai, por isto ou por aquilo, acabou deixando a agricultura de lado, e passou a trabalhar como motorista de ‘Táxi’, numa pequena cidade próxima a Catanduva – Elisiário. Muito bem relacionado e querido, acabou sendo eleito prefeito dessa cidade por um determinado período.  Um dos irmãos do Angelin tinha se tornado alfaiate e, ele, por seu intermédio, aprendeu a profissão.

Querendo mais da vida, acabou vindo para São Paulo, onde, depois de várias tentativas de trabalho, se encontrou na profissão de ‘Barbeiro’.  Trabalhou em alguns dos salões mais famosos da cidade - anos mais tarde acabou se se tornando proprietário de um deles-, e passou a frequentar o Clube Tietê, onde jogava Futebol e praticava Remo.

Ocasionalmente se conheceram e, no prazo de mais ou menos um ano, acabaram se casando.

 

 

Um ano mais tarde, 1947, nasceu seu primeiro filho. E, oito anos depois, em 1955,  o segundo.  

Eles, embora vivessem sem luxo, sempre conseguiram residir em casas boas e bem localizadas; uma ou duas vezes por ano, faziam viagens para visitar os familiares no interior; e conseguiram dar estudo de uma bom nível para seus dois filhos. Ambos se formaram, também constituíram família, compraram seus móveis e imóveis e, atualmente estão procurando fazer o mesmo com os filhos deles. 

Quanto a ela, embora a partir de determinada época tenha passado a sofrer de uma dor de cabeça crônica, sempre foi uma mulher forte, determinada. Sua casa sempre esteve aberta para os parentes jovens do interior que, como ela no início, buscavam uma oportunidade de emprego, de crescimento na capital. Uma de suas irmãs viveu na sua casa durante toda a vida, depois de vir do interior para a capital.

Ele mais calmo e tolerante, sempre foi um homem responsável e bem humorado. Nunca deixou faltar nada em casa, dentro das suas possibilidades. Não reclamava de nada e, quando foi necessário, sem que os filhos ficassem sabendo, tomava alguma iniciativa para superar o problema e restabelecer o equilíbrio doméstico. 

Apesar de ser um homem sem educação formal, gostava muito de ler e passou isso para seus filhos. Inicialmente, uma vez por semana, trazia a nova edição de alguma das revistas em quadrinhos que os filhos gostavam: ‘Tarzan’, ‘Mickey Mouse’,.. e, com eles sentados ao seu lado, lia os diálogos, mostrando as figuras.   Mais tarde, por exemplo, fez assinatura junto a uma editora que, mensalmente, passou a enviar um novo livro  para sua casa, com histórias que despertavam o interesse dos jovens: ‘Ilha do Tesouro’, ‘Capitão Gancho’,...

Valorizavam muito a vida em família. Todos os fins de semanas havia encontros entre os parentes. Todos se frequentavam, se ajudavam, participavam dos problemas e alegrias um do outro. Atualmente, observa-se um declínio desse hábito que, quem teve oportunidade de praticar, valoriza muito.  Hoje as pessoas, independentemente da frequência com que acessam as redes sociais, vivem mais isoladas, têm uma vida mais solitária. Poderíamos dizer que a maioria sofre de falta de amor, que era abundante no passado.

Ela, muito religiosa, sempre se relacionou bem com os representantes da igreja, e, nos momentos certos, sempre conseguiu colocar seus filhos nos melhores colégios particulares católicos, provavelmente mediante a obtenção de um desconto significativo, considerando suas limitações, nunca comentado.

Foram sócios do Clube Atlético Ipiranga e, mais tarde ainda, do Paineiras do Morumby. 

Com o passar do tempo, a chama que lhes dava energia e motivação, foi se apagando, até que, quando tinham cerca de 80 anos, se apagou de vez.

Seus filhos, hoje, lamentam não terem conversado mais com eles, terem tido oportunidade de conhecer mais detalhes da sua história, reconhecido mais o seu valor enquanto vivos. Mas, a forma de ser deles parecia tão natural, que os filhos não imaginavam então que pais pudessem ser diferentes. E como podem...

Se fosse para resumir a vida desse casal em algumas palavras, poderíamos dizer: ‘Foram pessoas que se destacaram pelo seu Ânimo, Iniciativa, Responsabilidade, Trabalho, Coragem, Idealismo e Solidariedade’. Serviram de exemplo positivo para mais de uma geração, e merecem todo o nosso respeito.  


      

 “Os pais nunca morrem, apenas ficam invisíveis.” 



(JA, Out18)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,