Pular para o conteúdo principal

Como é Bom Ser Bom



Busto dedicado ao Dr. Martins Fontes - Praia José Menino,  Canal 2, Santos-SP

Frequentemente me vem à cabeça a frase: ‘Como é Bom ser bom, Martins Fontes’. Lembro-me que ela estava escrita em letras grandes, numa parede, visível para quem subia a escada para o segundo andar do antigo Colégio Alexandre de Gusmão, no Ipiranga, São Paulo-SP . Foi nesse Colégio que fiz meu Ensino Médio, e a vi diariamente, durante os 3 anos do curso, quando subia para ir para a minha classe.
Hoje, por acaso, procurei saber mais sobre ela –recorri ao Google naturalmente–, e só agora, tantos anos passados, descobri que é o título de um poema de José Martins Fontes, e quem ele foi.
José Martins Fontes foi médico, poeta, e destacado humanista, brasileiro, nascido na cidade paulista de Santos, em 23 de junho de 1884, onde faleceu em 25 de junho de 1937.
Como médico foi tisiologista da Santa Casa de Misericórdia de Santos (a primeira do Brasil, fundada por Brás Cubas), e da Sociedade Portuguesa de Beneficência.
Notabilizou-se como conferencista, e, partir de 1924, tornou-se correspondente da Academia de Ciência de Lisboa.
Escreveu diversos poemas conhecidos, entretanto o soneto ‘Como é bom ser bom’ é considerado o seu verso mais famoso e o seu título foi, antes de tudo, um lema de vida que Martins Fontes sempre cultivou, principalmente na sua vida profissional.
Foi uma figura notável, venerado pelo povo — notadamente pelos mais humildes. Sua morte causou grande consternação, tendo o seu funeral, conforme testemunhos da época, paralisado a cidade. Seu túmulo no Cemitério do Paquetá, em Santos-SP, ainda hoje, é um dos mais visitados.
O poema

Tu, que vês tudo pelo coração,
Que perdoas e esqueces facilmente,
E és, para todos, sempre complacente,
Bendito sejas, venturoso irmão.

Possuis a graça como inspiração
Amas, divides, dás, vives contente,
E a bondade que espalhas, não se sente,
Tão natural é a tua compaixão.

Como o pássaro tem maviosidade,
Tua voz, a cantar, no mesmo tom,
Alivia, consola e persuade.

E assim, tal qual a flor contém o dom.
De concentrar no aroma a suavidade,
Da mesma forma, tu nasceste bom.


 (JA, Out18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,