Pular para o conteúdo principal

Zen, um modo de vida


‘Antes da iluminação, corte madeira e carregue água. Após a iluminação, corte madeira e carregue água’ - Wu Li
“Adoro conselhos práticos que podem ser imediatamente aplicados à vida. E o Zen, uma escola do Budismo Maayana, é repleto de sabedoria prática.
Quando digo aos meus amigos, colegas e pessoas que trabalham comigo que eu gosto de ler sobre Zen Budismo, eles dizem coisas como: ‘quando você vai deixar o cabelo crescer, andar descalço e falar de ioga o dia inteiro?’
Esse é o jeito hipster de viver. Não o caminho Zen.
O que é o Zen, na verdade? Para ser honesto, eu não sei. Não é uma religião, fé ou pedaço de conhecimento.
Comecei a ler mais sobre Zen quando descobri que o lendário técnico de basquete Phil Jackson é praticante, e usou os conceitos do Zen para treinar Michael Jordan e Kobe Bryant.
Kobe em especial, uma pessoa por quem tenho imenso respeito, abraçou os princípios do Zen. Quando soube disso, quis aprender mais sobre o assunto.
Phil Jackson também menciona o Zen no seu livro ‘Onze Anéis’, que trata da campanha do Chicago Bulls e LA Lakers no campeonato.
‘Antes da iluminação, corte madeira e carregue água. Após a iluminação, corte madeira e carregue água’ — Wu Li.
Minha interpretação é que não importa o que acontece na vida, você precisa continuar fazendo seu trabalho. Eu vivo por essa filosofia também. Você pode substituir "iluminação" por qualquer objetivo na vida. Nada muda quando você conquista algo. Você ainda precisa fazer o que deve ser feito.
Nos últimos anos, eu li mais sobre Zen e tudo relacionado ao assunto. O que descobri é que se agarrar a grupos e movimentos de definição não é algo inteligente. Budismo, Taoísmo, Zen - são muitas das mesmas ideias. Honestamente, eu também não me importo com o que é o que e quem inventou certas ideias. Essa parte eu deixo com os pseudointelectuais desse mundo.
Tudo o que sei é que muitos dos ensinamentos Zen são bem úteis para viver uma vida pacífica e feliz. Pensando nisso, preparei uma lista com as cinco lições Zen práticas e facilmente aplicáveis à vida moderna. Vamos lá.
1. Encontre sua técnica de meditação
A parte mais importante da vida de um monge Zen é a meditação. Certa vez tentei praticar meditação sentado. Não é para mim.
Então transformei a corrida e o treino de força em minha meditação. A parte mais importante da meditação é: pratique entregando-se ao momento.
Descobri que não importa o tipo de atividade que você usa. Meditação sentado, ioga, corrida, treino de força — você pode fazer essa atividade funcionar como meditação para você. Lembre-se que você é um com seu corpo, limpe sua mente e pratique regularmente.
Uma observação: meditação não funciona quando você tenta fazer seis mil coisas ao mesmo tempo. Apenas recentemente aprendi a fazer uma coisa de cada vez.
Eu parei de fazer coisas como ouvir audiobooks e podcasts, enquanto trabalho em algo importante, ou enquanto me exercito.
Desde que parei com esse comportamento de multitarefa, minhas atividades físicas melhoraram drasticamente. Hoje, eu consigo focar completamente na tarefa que tenho à mão: correr, levantar peso, trabalhar meus músculos, respiração, etc. Eu ainda gosto de ouvir música porque ela pode ser movida facilmente para o plano de fundo. Não é necessário focar nela.
2. Aproveite o momento
Essa frase de Thích Nhất Hạnh, um monge vietnamita, diz tudo:
‘Beba seu chá de forma lenta e reverente, como se ele estivesse no eixo de rotação da terra — lenta e calmamente, sem se apressar em direção ao futuro’.
Veja bem, você não precisa fazer extravagâncias para viver uma vida com significado. Você não precisa ser o mais jovem a subir o Everest. Na verdade, você não precisa ser o primeiro a fazer coisa alguma.
Tudo o que você deve fazer é aproveitar a maior parte dos momentos do seu dia. Eu digo 'maior parte' porque você provavelmente estará muito ocupado para aproveitar todos os momentos. E isso não é algo realista, a menos que você seja um monge. Mas parar por alguns segundos, a cada dia, e aproveitar o momento, isso é algo que todos podem fazer. Sem desculpas.
3. A felicidade está mais perto do que você pensa
Normalmente, procuramos por fontes externas de felicidade: viagens, um novo trabalho, mudar para uma cidade ou país diferente, um novo parceiro, mais experiências, etc. Mas se você está infeliz agora, provavelmente será uma pessoa infeliz mesmo com novas experiências.
Uma frase do Mestre Zen japonês Dogen, explica bem:
‘Se você é incapaz de encontrar a verdade exatamente onde você está, onde mais você espera encontrá-la?’
Não procure pela felicidade em outros lugares. Encontre-a onde você está hoje. Uma vez que você se torna feliz, é mais fácil permanecer feliz.
4. Foque no processo
Monges Zen e Mestres não se importam com resultados. Eles focam nos hábitos, rituais e processos que dão suporte ao modo de vida Zen.
Frequentemente, mantemos os olhos fixos nos resultados que buscamos atingir e esquecemos por que estamos fazendo aquilo para começo de história.
Não acredito que há algo errado em tentar conquistar coisas. Você não precisa largar tudo e se mudar para um monastério.
Mas lembre-se de desenvolver hábitos e rituais, que ajudem a chegar onde você quer na vida. Quando você foca no processo, o resultado irá se seguir automaticamente.
5. O sentido da vida é estar vivo
Alan Watts foi um filósofo apresentado ao Zen em 1936, quando ele participava de uma conferência onde D. T. Suzuki era palestrante. Suzuki, um escritor japonês, influenciou sozinho a disseminação do Zen no ocidente.
E, a partir daquele momento, Watts (que tinha apenas 21 anos de idade), ficou fascinado pelo Zen. Ele escreveu muitos livros. Um dos mais populares foi 'The Way of Zen' (sem edição em português). Watts também construiu uma ampla base de seguidores no ocidente. E eu tenho que dizer que gosto muito dessa obra.
Especialmente sua perspectiva sobre o sentido da vida. Ele diz:
‘O sentido da vida é apenas estar vivo. É tão óbvio e simples. Mesmo assim, todos correm para cima e para baixo em pânico como se fosse necessário conquistar algo além deles mesmos’.
Esse pensamento soa bem óbvio, mas é necessário afirmar o seguinte: em vez de pensar, gaste sua vida vivendo. Seja útil, resolva problemas, crie valor e, o mais importante: aproveite tudo isso.
Não apresse a vida. Antes que você perceba, tudo estará acabado. Para mim, é verdade que o Zen é um modo de vida.”

Texto: Darius Foroux  

(JA, Jun17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,