Pular para o conteúdo principal

Rotina


Renato era um menino com cerca de sete anos de idade quando começou a frequentar a Escola.
A Escola ficava um pouco distante da sua casa e ele dependia do transporte público para ir e vir.  Inicialmente, sua mãe o levava, até que, num determinado dia, ele se sentiu preparado para ir sozinho, e foi. Anos mais tarde, ficou sabendo que, naquele primeiro dia em que foi sozinho para Escola, seu pai o acompanhou à distância para se certificar que ele conseguiria.
Naquela época criou e assumiu sua primeira rotina -  horários, roupa, material, transporte, ... -a qual, se cumprisse, tudo daria certo, tudo bem.  Ele já era tão responsável que, numa ocasião, estava empinando pipa numa pracinha que ficava em frente da sua casa, quando percebeu que estava na hora de se preparar para ir à escola. Como a pipa estava muito distante, e demoraria para conseguir trazê-la de volta, não teve dúvida: cortou a linha que a prendia e a ficou vendo cair, desaparecer. Em seguida, foi cumprir o seu horário.  No percurso de casa para a escola, naquele dia, ficou olhando na direção em que a pipa havia caído para, quem sabe,  poder resgatá-la.
E continuou sempre agindo assim. No Colégio Interno onde cursou o Ensino Fundamental 2 (antigo Ginásio), foi um ótimo aluno. Destacou-se nos esportes e exerceu algumas funções administrativas que o ajudaram a se preparar para a vida profissional futura.
Entrou no Ensino Médio, no período noturno, e começou a trabalhar. Concluiu o curso, entrou e concluiu a Faculdade e, em seguida fez pós-graduação, especializações.
No trabalho, bem preparado e responsável, pouco a pouco, foi galgando postos cada vez mais significativos nas empresas onde trabalhou. Ganhou sempre razoavelmente bem, construiu patrimônio, casou-se, teve filhos e, mais recentemente, netos.
Sua vida sempre foi plena, no sentido de que não tinha nenhum horário vago, ou sonho que não tivesse conseguido realizar. Sonhava sempre com o possível, e suas rotinas o mantinham sempre ativo e ocupado.
Pouco depois de completar 60 anos de idade, de acordo com a política da empresa onde trabalhava, foi dispensado. Foi então devidamente recompensado pelos anos que dedicou ao negócio, e pode começar uma nova fase da sua vida. Seus filhos já estavam formados e eram autossuficientes - não dependiam mais dele para subsistência. Tinha então alguns imóveis alugados, que, juntamente com a aposentadoria dele e da esposa,  lhe rendiam uma receita mensal suficiente para cobertura dos gastos normais.
Decidiu que ele e a sua esposa poderiam morar na casa de praia que tinham num Condomínio bem estruturado, e, periodicamente, conforme necessidade, poderiam voltar à capital, onde seus filhos continuariam morando.
Mudaram-se. O início foi muito difícil.  Ele se sentia inseguro, como se estivesse deixando de fazer alguma coisa que devesse fazer.  Frequentemente acordava angustiado, com palpitações.
Aos poucos, começou a construir uma nova rotina diária: horário para se levantar, tomar as refeições, leitura, exercício físico, ..., e o medo foi passando,
Aquele sentimento inicial não só passou, como, surpreendentemente, percebeu se sentindo melhor do que antes.  Refletindo, concluiu que, ali onde ele estava agora, era o seu verdadeiro espaço - um espaço que ele próprio escolheu, onde pode construir uma rotina que priorizava suas necessidades atuais, gostos, ... – nada lhe havia sido imposto.
Refletindo mais ainda, foi levado a concluir que ele, como a maioria das pessoas, havia sido levado, principalmente nos últimos anos, inconscientemente, a ir incorporando hábitos, atitudes e obrigações diárias que, nem sempre, eram o melhor para ele como pessoa.  A falta de consciência desse fato, o fez levar uma vida falsa, no sentido em que aquela não era a que escolheria por opção.
As pessoas são muitas vezes ansiosas, infelizes, doentes, sem saber o porque.  Talvez seja por que apenas estejam cumprindo uma rotina que foram levadas a criar para si, julgando que assim tudo estaria  bem, certo.
Ledo engano! A rotina, muitas vezes é enganosa. Ela é a maior responsável pelo como nos sentimos, e  deve ser, periodicamente, revista, repensada, mesmo porque todos vivemos em constante transformação. Afinal, a vida bem vivida é aquela em que as oportunidades de superação, evolução, são detectadas e aproveitadas.
Diante disso, Renato, começou a questionar a sua nova rotina.
É, não é fácil viver bem. Viver bem, conscientemente, exige que se tenha capacidade de determinar e cumprir os objetivos que realmente têm a ver com o seu momento atual, suas necessidades, sonhos pessoais. Além disso, há que se ter capacidade e energia para se mudar o que tiver que ser, e realizar.

“...Desapegar-se é renovar votos de esperança em si mesmo. É dar-se uma nova oportunidade de construir um nova história melhor. Liberte-se de tudo aquilo que não tem lhe feito bem..”     Fernando Pessoa 

(JA, Mar17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,