Pular para o conteúdo principal

Sequência, Consequência



Leon, 63 anos tinha um defeito na perna consequência de um grave ferimento que sofreu durante a 1ª. Grande Guerra Mundial – na época tinha 25 anos e uma brilhante carreira militar pela frente. Atualmente era um homem muito rico, herdeiro de muitas terras onde se dedicava à exploração de minérios. 
Frequentemente enfrentava os sindicatos que defendiam os mineiros que trabalhavam para ele em condições insalubres, com pouca segurança e ganhando muito menos do que mereciam. 
Depois de ferido, voltou para a vida civil e começou a atuar também na vida pública. Como Deputado, nos anos que antecederam a 2ª Grande Guerra, era favorável aos nazistas e fascistas, pois, provavelmente devido à formação militar e à sua origem social, acreditava em superioridade racial, e que o povo deveria ser dirigido com autoridade pelo governo, para que fizesse o que dele se esperava. 
Coerentemente, era simpatizante dos nazistas e fascistas, e fez campanha, até o último momento para evitar que seu país entrasse em guerra contra a Alemanha. Pesou também a sua experiência anterior nos campos de batalha, e as péssimas consequências decorrentes para todos os envolvidos. Teve dificuldade de acreditar quando foi informado de que a Alemanha, inicialmente, tinha se aliado à Rússia, potencial inimigo. Isto significava que o seu país deveria entrar em guerra para defesa da democracia.  
Tinha um filho que, atendendo à convocação militar, se alistou  para lutar como piloto da Força Aérea, defendendo seu pais contra a Alemanha e a tudo o que ela representava na época.  Tinha também uma outra filha que, antes da guerra, havia se casado com um judeu-alemão - contra a vontade do pai, e que teve  que se transferir para a Alemanha com a família para, por incrível que possa parecer agora, evitar que fossem feitos prisioneiros.  Assim que a Guerra fosse declarada, como tudo indicava que seria, e que acabou por acontecer, o filho de Leon poderia passar a jogar bombas contra o país, a cidade, onde estavam a sua própria irmã e a família.
Um outro filho que Leon  que tivera fora do casamento - não reconhecido legalmente -,  nem imaginava então que não fosse filho legítimo do seu padrasto, a quem chamava de pai. Ele era um militante de direita totalmente contra a aproximação de seu país com a Alemanha ou Itália. 
Oportunamente esteve em um grande comício defendendo o seu ponto de vista com o seu grupo e, do outro lado, coincidentemente, estava seu pai, liderando um outro grupo que representava a elite e o Governo da época, fazendo apologia do nazismo e do fascismo. Mais tarde, diante do que veio a acontecer, oficialmente eles mudaram de opinião. Mas, até então, eram a favor.
Se Leon refletisse sobre tudo o que aconteceu na sua vida, certamente concluiria que suas opções, na sequência, no decorrer dos anos, tiveram como consequência uma série de ocorrências inter-relacionadas, muitas das quais ele gostaria que não tivessem acontecido e que poderiam ter sido evitadas se, neste ou naquele momento, tivesse agido diferentemente. Por exemplo:
  • Ter se alistado e ido para a guerra para defender os interesses da sua classe e do país, o deixou mutilado;
  • A exploração a que sempre submeteu seus operários, e o fato de não ter reconhecido o filho que teve fora do casamento, estimulou a carreira jornalística da mãe, sua ex-amante, que acabou, juntamente com o filho, por  liderar uma  forte oposição popular contra a elite da qual ele era membro, comprometendo sua carreira política e pesando significativamente na decisão dos representantes do pais de entrar na 2ª Grande Guerra Mundial.
  • Seu filho (legítimo) ter se alistado como piloto da Aeronáutica, o levará combater os nazistas, bombardeando seu território, onde estão residindo sua irmã e família. Todos eles, eventualmente, poderão ser vitimados no processo.

Ele poderia ter evitado as coisas ruins que aconteceram em sua vida? Difícil dizer. Mas, se a sua formação tivesse sido diferente, talvez ele respeitasse, valorizasse mais as outras pessoas. E, ao invés de lutar sempre pelos seus interesses egoístas, se preocuparia mais com os coletivos: teria sido justo e responsável para com seus operários; teria reconhecido o filho ilegítimo e amparado a ambos - mãe e filho; teria apoiado o casamento de sua filha, e eventualmente evitado que ela fosse para a Alemanha; teria sempre lutado pela justiça e democracia e, quem sabe, ajudado a evitar a 2ª Grade Guerra, incentivando seu país e aliados a se oporem desde o início ao movimento que surgiu na Itália e na Alemanha.
Enfim, não é difícil concluir que todos nós carregamos as nossas maldições e as nossas bênção. Elas são como plantas que precisam ser cuidadas para florescer.  Depende de cada um, cuidar mais dessas ou daquelas, para formatar o cenário do curso de suas vidas.
Naturalmente, sempre poderão ocorrer eventualidades que independerão da nossa participação, e que influenciarão decisivamente o nosso destino. Mas aí, já é uma outra história ...

Os fatos mencionados neste texto foram baseados no livro  ‘Inverno do mundo: Segundo livro da trilogia O Século’, de  Ken Follett, 2010 
Imagem:  Glymur, Islândia


(JA, Nov15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,