Pular para o conteúdo principal

Palavras


Quando falamos expressamos o que pensamos, nossos desejos, intenções.  Entretanto, não é apenas isso.  As palavras seguem carregando nossa energia. Elas podem gerar ações construtivas, destrutivas, podem ajudar ou maltratar, ... Enfim, as palavras tem um poder de transformação que muitas vezes não nos damos conta.
Todas as palavras são importantes. Por exemplo, as que saem da cabeça de um bêbado. Normalmente,  não fazem sentido para nós,  mas significam tudo para ele. As palavras soltas, tem um sentido  que comporta vários desenhos, a serem descobertos, ...
Podem ser proféticas. Uma fala conhecida e aquela proferida por Charles de Gaulle quando foi apresentado à  Jacqueline Kennedy e lhe perguntaram sua opinião sobre a primeira-dama dos EUA. Naquela oportunidade ela ainda estava casada com John Kennedy.. O grandes Charles foi sincero: 'Ela é do tipo que ainda vai se casar com um armador grego'.
Podem não significar o que está sendo dito. Quando falamos:  crioulo, de cor, preto, negro, afro-brasileiro, o que está no comando são os conceitos, e não as palavras. Nesse caso, se não concordamos com o conceito, ao invés de  combater as palavras, os nomes, melhor seria nos concentrarmos nas atitudes, que são, afinal, o que se deseja mudar.
Sobre as palavras perdidas, já tratei na introdução desse blog o qual, aliás, foi criado para evitar essa perda.
Além de tudo isso, acredito que seria bom ter em mente alguns comentários que também já foram feitos, a propósito:
  • “Às vezes, é melhor ficar calado e deixar que as pessoas pensem que você é um imbecil do que falar e acabar de vez com a dúvida.” (Abraham Lincoln)
  •   "Os adjetivos passam, e os substantivos ficam." (Machado de Assis)
  • "Quando a vida te deixar sem palavras, cante." (JA) 
  • "Todos tem algo a dizer. Fale conosco". (Globo. News) 
  • "Nem tudo que se diz se faz". (verso de samba de Ismael Silva - 'Nem é bom falar', de 1931) 
  • "Quando eu falo, gostaria que você pudesse ouvir as coisas que tenho para lhe dizer, mas que não consigo expressar." (JA) 
  • "As mentes grandes discutem ideias; as médias, coisas; as pequenas, pessoas". (Kalim Gibran) 
  • "Consciência é a voz interior que nos avisa que alguém pode estar olhando". (Henry Mencken) 
  • "Se não puder falar bem de alguma coisa, não diga nada." (Sto.  Antônio de Pádua)

E, finalmente, embora já tenha falado tudo o que consegui dizer neste pequeno texto sobre as palavras, ainda sinto que tenho o que falar. Os pensamentos, as palavras, como a vida, nunca param de fluir na minha mente. Elas são independentes -  não escolhem a oportunidade,  o tom, a pessoa para quem são  proferidas.
Verdade ou mentira, elas formam um 'blend', alguma coisa resultante, que fazem sentido e se justificam por si só, pelo simples fato de terem passado a ser  o que significam para mim.
Por outro lado, as palavras têm menos sentido, significado, do que a necessidade, o direito, de serem proferidas quando tiverem que ser.

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,