Pular para o conteúdo principal

Medo


Alguns medos são comuns à espécie humana e foram originados por diversos motivos. Acabaram por levá-la, em diversas épocas, a se adaptar para sobreviver. Essas reminiscências do passado histórico ficaram registradas no DNA da nossa espécie e, muitas delas,  carregamos e nos são úteis até hoje. Por exemplo: medo de altura, de animais predadores, de herbívoros agressivos, de serpentes, de ratos e de insetos, etc.
A resposta anterior ao medo é chamada ansiedade. Na ansiedade tememos antecipadamente o encontro com a situação ou objeto que possa nos  causar algum mal. É possível se traçar uma escala de graus de medo, na qual o mínimo seria uma leve ansiedade, e o máximo o pavor
O medo é uma das emoções básicas do ser humano. E, como se pode depreender, é um sentimento especialmente útil. Quando sentimos medo, é o nosso inconsciente alertando que algo não está funcionando bem, que algo vai acontecer, que devemos procurar corrigir ou nos proteger.
Nosso corpo, nessa situação, é bombardeado por uma descarga de adrenalina que causa aceleração cardíaca e tremores, nos deixando prontos para lutar ou fugir.
O medo, se exagerado, é uma doença (a fobia). Nesse nível ele compromete as relações sociais e causa sofrimento psicológico, devendo ser  tratado clinicamente. A técnica mais utilizada pelos psicólogos consiste no encorajamento do paciente a enfrentar seus medos recorrentes. E, progressivamente, a sua cognição, que antes gerava sinais exagerados de alerta, vai se equilibrando, normalizando.
A propósito, todos os livros infantis abordam o tema 'medo'. Em princípio, as histórias infantis tem uma vertente educativa. A ideia é que as histórias mostrem a possibilidade, e estimulem às crianças a superarem seus medos previsíveis, naturais.
Atualmente, um dos grandes medos que temos é o medo da mudança. As pessoas preferem viver no conforto do conhecido, no mundo a que estão habituadas, à se adaptarem a um novo, gerado por tantas e frequentes inovações tecnológicas, sociais e políticas  Hoje, a informação já não é mais privilégio de uns poucos, a formação profissional e a relação de emprego são muito diferente do eram há dez anos atrás, e por aí vai.
Aqueles que não percebem o fim de um mundo a que estavam acostumados, acabam por ser destruídos com ele. Há momentos na história em que tudo parece acontecer de uma maneira muito acelerada. Então, precisamos ser flexíveis ou resilientes – como se diz –, e nos adaptarmos, para conseguir sobreviver.  Novamente, o medo. Neste caso de exclusão, servindo para  o homem como um mecanismo de aprendizagem,  evolutivo, e de sobrevivência da espécie.
Além de superarmos o medo da mudança, o ideal é ir além, nos transformando em agentes dessa mudança.  Agindo assim, não estaremos sendo levados, mas conduzindo, o que, certamente, nos dará mais segurança. Vamos ficar ansiosos sim, mas não por medo; vamos ficar ansiosos para ver o resultado do que podemos construir.

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (Fernando Pessoa)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,