Pular para o conteúdo principal

Curiosidades da Gastronomia Paulistana

 

Entre os muitos segmentos da nossa cidade a gastronomia, com certeza, é um dos mais atrativos, diferentes e multiculturais. Muito do que consumimos, todos os dias, são pratos e iguarias trazidos por outras nações que, em alguns casos, foram adaptadas ao gosto local.

Muitas pessoas desconhecem, mas a coxinha, panetone, lanche de mortadela, bauru e a sopa do Ceagesp são pratos típicos da nossa cidade que, com o tempo, foi caindo no gosto de toda a população, não só de São Paulo, mas de todo o país.

Para refrescar essas lembranças e levar ainda mais curiosidade a todos, fizemos um resumo da história desses cinco pratos tradicionais da nossa gastronomia e trouxemos para vocês! Preparem os guardanapos e vamos lá: 

 

Sanduíche de Mortadela - A história do lanche mais famoso do Mercadão começa em 1933, em um pequeno estabelecimento chamado ‘Bar do Mané’. Durante muitos anos esse bar serviu lanches, bebidas, e todo tipo de gastronomia que agradasse seus fregueses, mas, em 1970, após achar que seu lanche tinha pouco recheio, um cliente reclamou.

Foi então que um dos donos do estabelecimento resolveu encher o lanche de mortadela para que o cliente não reclamasse mais.  Entretanto, diz a lenda, que o cliente que estava ao lado do ‘reclamão’ também quis seu lanche com o recheio extra, e assim foi criada a tradição do enorme lanche do Mercadão.

A iniciativa deu certo e a iguaria começou a ficar famosa na cidade.  No dia 10 de julho de 1979, o guia do Estadão falou pela primeira vez do sanduíche em uma matéria de página inteira. A partir de então, a iguaria só foi ficando mais famosa, aparecendo, inclusive, em uma das novelas da Globo, ‘A Próxima Vítima’. 

 

Coxinha - Uma das lendas que fala sobre o surgimento da coxinha relaciona o salgado à cidade de São Paulo. Diz-se que, com a rápida industrialização de SP, a demanda por comida nos portões das fábricas era grande.

O salgado mais consumido, na época, eram as coxas de galinha que, infelizmente, estragavam muito rápido. Pensando em como resolver esse problema, os comerciantes começaram a desfiá-las, e a envolvê-las em uma massa, dando o aspecto de coxinha que conhecemos hoje. A iniciativa foi um sucesso, e o salgado se popularizou em níveis gigantescos, sendo consumido em todo o país.

Panetone - Essa é uma receita que não foi exatamente feita por aqui, mas que ganhou uma sobrevida em São Paulo. E essa repaginada no panetone começa em 1948, quando Carlo Bauducco chegou ao Brasil vindo da Itália.

Comerciante nato, Bauducco percebeu que existia um consumo de panetone no país, embora ele fosse muito pequeno, se comparado à colônia italiana que morava por aqui.

Pensando em se estabelecer na cidade, ele começou a trabalhar em um panetone artesanal para preencher essa lacuna de mercado. Em 1950 ele já produzia um novo tipo de panetone, e começava a se tornar febre na cidade. Uma das maiores curiosidades dessa doceria que, mais tarde se tornaria uma grande empresa, fica por conta de uma ação de marketing que ele executou. Sua ideia foi encher um avião de panfletos, e espalhar pela cidade.

Ele conseguiu, ao mesmo tempo, divulgar o panettone, desconhecido para muita gente, e vender todo o estoque em apenas três dias. E a receita BAUDUCCO do bolo com uvas passas, e frutas cristalizadas, rapidamente ganhou espaço de honra na mesa das famílias brasileiras.

 

Bauru - A origem de outro lanche extremamente famoso e que faz parte da história viva de São Paulo é curiosíssima, e tem a participação direta de Casimiro Pinto Neto, um estudante de direito do Largo São Francisco.

Nascido na cidade de Bauru, Casimiro era um frequentador assíduo do Ponto Chic, point tradicionalíssimo da cidade. E o lanche surgiu de um pedido seu para um dos sanduícheiros da casa. Diz a lenda que o surgimento do lanche aconteceu da seguinte forma, nas palavras de Casimiro:

‘Abre um pão francês, tira o miolo, e bota um pouco de queijo derretido dentro. Depois disso o Carlos já ia fechando o pão eu falei: - Calma, falta um pouco de albumina e proteína nisso. (Eu tinha lido em um opúsculo livreto de alimentação para crianças, da Secretaria da Educação e Saúde, escrito pelo ex-prefeito Wladimir de Toledo Piza, também frequentador do PONTO CHIC - que a carne era rica nesses dois elementos). Bota umas fatias de roast beef junto com o queijo, e já ia fechando de novo, quando eu tornei a falar: - Falta a vitamina, bota aí umas fatias de tomate’.

O nome do lanche, entretanto, é o tema da maior curiosidade. Quando Casimiro estava comento, chegou o Antonio Boccini Jr., conhecido como Quico, que pegou um pedaço do lanche do amigo e, ao gostar da refeição, gritou para o garçom: Me vê um desses do ‘BAURU’. Estava marcada, assim, a origem de uma tradição paulistana, o Bauru do Ponto Chic! 


Sopa do Ceagesp - Outro ícone da gastronomia de São Paulo é a famosíssima sopa do CEAGESP, prato que deu origem ao festival de sopas que conhecemos nos dias de hoje e que acontecem no inverno.

Essa receita é oriunda dos anos 60 e 70, época em que o entreposto comercial estava em construção. Para situar melhor, principalmente os leitores mais jovens, é preciso ressaltar que, nessas duas décadas supracitadas, não existiam opções de comida nas horas mais tardias da noite. Não existiam hamburguerias, fast foods e entregas delivery.

O surgimento do restaurante interno do Ceasa (mais tarde Ceagesp) foi uma novidade única para São Paulo, já que ele fora criado para sanar a fome dos trabalhadores que descarregavam as mercadorias do entreposto, na madrugada paulistana.  Assim, em um primeiro momento, a iguaria era servida aos comerciantes, carregadores, colaboradores, e alguns clientes que chegavam ao entreposto.

O sucesso e o sabor da receita, contudo, fizeram com que sua fama ultrapassasse os muros, ainda em fase de construção da instituição, e chegasse ao conhecimento de toda a população de São Paulo.

Assim, o restaurante do entreposto se tornou um ponto de encontro para os boêmios da cidade que, na ausência de possibilidades melhores, sentavam-se para tomar uma gostosa sopa de cebola na zona oeste de SP.

Por muitos e muitos anos o restaurante da Ceagesp foi o lugar que servia a sopa. Contudo, nos anos 80, ele fecharia suas portas, deixando os admiradores do prato ‘órfãos’ da receita tradicional. Contudo, em 2009, quando a instituição completou 40 anos de vida, o festival de sopas foi retomado pela diretoria da Companhia, e se tornou um verdadeiro sucesso.

Ponto dos Estudantes e Caminhoneiros

Em um interessante artigo do jornalista Mouzar Benedito, no site Boi Tempo, há um registro de que, entre 1967 e 1968, importantes reuniões políticas aconteciam no CRUSP, Conjunto Residencial da Universidade de São Paulo.

E, lá, diversas personalidades que se tornariam ministros do país se reuniam para discutir a política nacional e, lá pelas 3 ou 4 horas da manhã, se deslocavam, a pé, para o Ceasa, e dividiam o espaço com os caminhoneiros, fato praticamente inédito até então.


 

Fonte: Histórias Paulistanas

 

(JA, Dez21)

 


 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,