Pular para o conteúdo principal

Sistema Pix

 Tem mais sucesso em lançamento que Facebook, Instagram ou WhatsApp. Pode ajudar a mudar completamente, e para melhor, a infraestrutura digital do país

 

                           PIX, Brasil no caminho de ter sua primeira plataforma tecnológica multi propósito

Quais são as maiores plataformas de tecnologia do mundo em número de usuários? Facebook, Aadhaar, Youtube, WhatsApp.... Opa, Aadhaar? Sim, esse é o nome da plataforma de governo digital da Índia, que tem hoje 1,19 bilhões de usuários.

Diferente dos outros líderes que são big techs, o Aadhaar é uma plataforma tecnológica multipropósito (já explico o que isso significa) construída por um governo com o objetivo de atender seus cidadãos digitalmente. Em hindu o termo significa ‘fundação’, em cima da qual tudo é construído.

Pois bem, o Brasil está finalmente no caminho de ter sua primeira plataforma tecnológica multipropósito. O nome dela atende por Pix. Essa plataforma vinha sendo construída pelo Banco Central desde 2013 e foi lançada no último dia 5. Seu objetivo inicial é muito específico e útil: criar um novo sistema de pagamentos no Brasil.

Em outras palavras, aposentar os surreais DOCs e TEDs, que apesar de serem digitais, não funcionam durante a noite nem em fins de semana. Além de cobrarem preços elevados por cada transferência, em torno de R$ 7 (preço totalmente proibitivo para a maioria absoluta da população).

O Pix já é um sucesso. No primeiro dia de inscrições foram emitidas mais de 1 milhão de chaves da plataforma. Isso significa que pelo menos 200 mil pessoas procuraram se cadastrar (cada cliente pode cadastrar até 5 chaves).

Nem o Facebook, Instagram ou WhatsApp tiveram 200 mil cadastros no seu primeiro dia de uso. O número poderia ter sido bem maior. Não foi porque a infraestrutura de nuvem e de rede no país não aguentou o tranco. Sites de mais de um banco ficaram lentos ou saíram do ar por causa da demanda.

Esse é um ótimo problema de se ter. Mostra que o Banco Central construiu um serviço tecnológico que as pessoas querem realmente ter, sem serem obrigadas a isso. Isso é raríssimo no setor público. Por exemplo, pesquisa do ‘Agora’ e do ‘Ideias Big Data’ já mostrou que apenas 12% dos brasileiros já baixaram um aplicativo governamental, número baixíssimo. Mais do que isso, o vergonhoso certificado digital, por exemplo, que custa cerca de R$ 200 por ano para ser emitido, depois de mais de 20 anos só é usado por cerca de 5 milhões de pessoas (menos de 2,5% da população), mesmo sendo obrigatório para alguns serviços.

O Pix é outra história. Ele é gratuito e permitirá que qualquer pessoa faça pagamentos, também gratuitos, a qualquer momento do dia. Para receber pagamentos basta passar o número do telefone, do e-mail ou do CPF. Não precisa nem mais ficar passando nome, número de conta, agência e CPF - esses dados já vêm embutidos no serviço.

Ele tem tudo para ser a ‘fundação’ de uma plataforma digital multipropósito no Brasil. Pode ajudar a bancarizar o gigantesco contingente de pessoas que ainda não têm conta bancária no país. E acabar com vexames, como o aplicativo do auxílio emergencial da Caixa Econômica que, além de ineficiente, continua operando às cegas, sem enxergar direito para quem está distribuindo os benefícios. 


QR Code para pagamentos substitui cartão e maquininha 

Prometi explicar por que usei a palavra ‘multipropósito’. Tal como o Aaadhaar na Índia, uma vez que o Pix alcance uma grande base de usuários, poderá expandir seu uso para múltiplos serviços. Por exemplo, poderá ser usado como identidade digital, tanto no setor privado quanto no público. Para assinar documentos, para matricular os filhos na escola ou se cadastrar em um hospital público. Os médicos poderão utilizá-lo para escrever receitas pela internet, e assim por diante. E muitos modelos de negócio, de publicidade, e de entretenimento, poderão surgir por sua causa, porque ele facilita enormemente enviar mesmo pagamentos ínfimos (R$ 1, R$ 0,01) sem custo.

Vale lembrar que em 2008 somente 20% da população adulta na Índia tinha conta em banco. Em 2018 esse número era de 80%. 500 milhões de pessoas foram bancarizadas por causa do Aadhaar e deixaram de ser invisíveis.

No Brasil o Pix pode ajudar a mudar completamente, e para melhor, a infraestrutura digital do país. O Banco Central mirou no que viu, e acertou em muito mais.

É tecnologia do jeito que deve ser, que concretiza as palavras de Gilberto Gil:  ‘O povo sabe o que quer, mas também quer o que não sabe’. 

Sistema Pix é iniciativa bem-vinda

Num país de baixa concorrência no setor financeiro, a inauguração de um novo ambiente de pagamentos desenvolvido pelo Banco Central tende a abrir espaço para profundas mudanças em breve.

O sistema, chamado Pix, busca viabilizar pagamentos instantâneos, a qualquer hora e de forma segura, moderna e barata. Por meio do cadastro de uma chave individual, que começou a ser realizado nesta semana, qualquer pessoa poderá realizar transações a partir de 13 de novembro.

O Pix será gratuito para operações entre pessoas físicas, mas, mesmo no caso das empresas e das próprias instituições financeiras, o custo será muito mais baixo do que o atual. Vários procedimentos devem se tornar obsoletos; novos serviços poderão ser criados.

Em lugar de pouquíssimos bancos aptos a realizar transações atualmente, o Banco Central já cadastrou quase 700 participantes no novo sistema —número que, espera-se, crescerá continuamente.

Bancos, fintechs, concessionárias de serviços públicos, varejistas e outros, poderão criar suas modalidades de serviços, a partir dos pagamentos, ampliando as opções disponíveis para o consumidor.

Pessoas de menor renda hoje sem conta bancária e acesso a outros serviços —basta lembrar que mais de 30 milhões precisaram abrir contas para receber o auxílio emergencial— terão a chance de ingressar no sistema financeiro. 

Há dificuldades na mudança, por certo. O Banco Central conduziu o processo com pressa, e houve instabilidade nos sistemas dos bancos no primeiro dia de cadastramento. Tamanha transformação precisa ser conduzida sem açodamento, diante do risco de fraudes e erros.

O BC, ademais, deve se limitar ao papel de regulador do mercado, resistindo à tentação de intervir em todas as etapas da criação do Pix. Daqui para frente, tendo criado a infraestrutura, a autoridade monetária deve dar espaço para que o setor privado consiga inovar.

A China é exemplo do impacto da tecnologia nos meios de pagamento, pois praticamente pulou a etapa dos cartões de débito e crédito, e rumou aos códigos eletrônicos.

O próximo passo deve ser o chamado open banking, em que os bancos perdem a condição de manter sua plataforma fechada —e o cliente determina como quer usar suas informações bancárias, e por onde comprará outros serviços. 

Após décadas priorizando a solidez do setor, o que legou um mercado concentrado em cinco grandes instituições, o BC agora busca inovação e novos participantes. A nova orientação é bem-vinda.



Fonte: Ronaldo Lemos   |   Editorial Grupo FSP

 

(JA, Out20)

 



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,