Pular para o conteúdo principal

Os Três Poderes


Praça dos Três Poderes, Brasília

A teoria da separação dos poderes desenvolvida por Charles de Montesquieu, apresentada na sua obra o ‘O Espírito das Leis’, publicada em 1748,  criou a ideia de um estado com três poderes: o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. Eles devem atuar de forma separada, independente e harmônica, mantendo, no entanto, as características do poder uno, indivisível e indelegável. O objetivo dessa separação é evitar que o poder se concentre nas mãos de uma única pessoa, para que não haja abuso, como historicamente ocorre nos estados absolutistas.
 Nos últimos tempos, temos assistido aqui no Brasil a uma confusão entre esses poderes, por ações e mal feitos, provocados por ou entre eles.  Esses fatos alimentam uma crise interminável que flagela nosso povo, e o torna cada vez mais decepcionado e sem esperanças.
Lembrando a célebre frase do senador romano Marco Tulio Cícero nas Catilinárias: 

‘Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência?’

 Poderíamos  também questionar: 

‘Até quando nossos políticos, membros do judiciário, e do executivo, vão abusar de nossa paciência?’

Será que em determinado momento limite, tudo que isso não irá provocar uma insurgência popular com consequências imprevisíveis?  
Pior é que, pessoalmente, não temos soluções viáveis e constitucionais a propor. E, em consequência, não conseguimos definir qual seria nosso melhor voto nas próximas eleições. Como agravante, os candidatos que se apresentam também não têm nenhuma proposta de solução, sobre a qual poderíamos dizer com segurança: ‘É isso!’  Eles apenas  procuram sensibilizar o eventual eleitor com discursos partidários, ideológicos, vazios. 
Seria irresponsabilidade, nestas alturas, não nos preocuparmos, temermos cada vez mais pelo futuro do nosso país. 


Segregado por seus pares, no Senado, Catilina ouve o duro discurso acusatório de Marcus Tullius Cícero – então Cônsul de Roma, com poderes excepcionais conferidos pelos Senadores romanos  | pintura de Cesare Maccari, 1888





 (JA, Jul18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,