Pular para o conteúdo principal

A Cigarra e a Formiga - Versão Atualizada




Os braços das Formigas parecem se multiplicar no verão. Elas trabalham toda a estação, sob um calor esmagador, construindo sua casa, e estocando suprimentos para o inverno.
As Cigarras acham que as Formigas são estúpidas, e passam o verão rindo, dançando e brincando.
Quando o inverno chega, as  Formigas se refugiam em sua casinha, onde irão dispor de tudo o que precisarem, até a primavera.
As Cigarras, tremendo, sem comida e sem abrigo, organizam uma conferência de imprensa na qual elas colocam a questão: ‘Por que as Formigas têm o direito à moradia e comida, enquanto existem outros, menos afortunados do que elas que tiveram sorte na vida, que estão a beira da morte passando frio e fome???’
Organiza-se então um programa de TV ao vivo, onde o representante das Cigarras expõe o frio e calamidades que estão vivendo. Neste mesmo programa de TV,  é exibido um vídeo onde aparecem as Formigas bem aquecidas em sua casa, e com a mesa cheia de alimentos para passar todo o inverno.
Todos estão surpresos. Como que um país rico e próspero como o deles, possa deixar as pobres Cigarras sofrerem tanto, enquanto alguns  vivem em abundância...
Uma marcha em apoio às Cigarras é organizada através das redes sociais.
Associações contra pobreza, partidos de esquerda, dos sem-terra, dos sem-teto, dos sem departamento, e representantes da Comissão de Direitos Humanos, acampam na frente da casa da formiga, escracham, pintam e bordam, contando com a passividade policial e dos demais cidadãos do país.
Um programa a favor das Cigarras é organizado e manipulado. Nele é afirmado que as Formigas se enriqueceram às custas das Cigarras, e que as Formigas são egoístas e insensíveis... Pede ao público que dê sua opinião por telefone, on-line, votando a favor da igualdade, ou da manutenção da discriminação.
Em resposta ao resultado das pesquisas de opinião, o Governo prepara uma lei sobre paridade econômica, e outra –com efeito retroativo desde o verão- contra a discriminação.
Os impostos que então recaem sobre as Formigas são exageradamente altos e, se isso não bastasse, foi atribuída a elas uma multa muito alta por não terem cuidado das Cigarras no inverno.
A casa das Formigas termina por ser apreendida pelo Governo devido ao não pagamento dos impostos elevados, e das multas...
As Formigas, decepcionadas, embalam suas coisas e acabam partindo para outro país, onde imaginam que seu esforço será reconhecido, e onde elas poderão usufruir livremente os frutos do seu trabalho. Lá também elas não serão julgadas ou punidas pela  prosperidade que eventual e provavelmente conseguirão conquistar.
A antiga casa das Formigas se torna abrigo social das Cigarras, que  irresponsavelmente, começam a se reproduzir, mantendo-se à espera que alguém chegue e ‘doe’ alimentos, Coca-Cola, cerveja e recursos, que garantam a sobrevivência delas e dos seus descendentes.
Uma rede de TV faz um programa especial sobre as Cigarras, agora muito gordas e brilhantes... O problema é que as últimas provisões deixadas pelas Formigas estão prestes a terminar, embora a primavera ainda demore chegar.
A antiga casa das Formigas, agora convertida em habitação social para as Cigarras, deteriora-se devido à falta de cuidados.
O Governo é duramente criticado pela escassez de recursos alocados para as Cigarras... As partes propõem a criação de uma comissão de investigação multipartidária para apurar o que está acontecendo, ao custo de  milhões de Reais.
No meio tempo, o representante das Cigarras, que deu origem a todo o processo, morre de overdose...
A mídia relata que foi devido à falta de recursos que deveriam ter sido liberados pelo Governo para a luta contra as desigualdades sociais e injustiça econômica...
No finalmente, por falta de uma liderança organizada, a Casa acaba sendo ocupada por um bando de Aranhas, a maioria imigrantes... O Governo se congratula pela diversidade multicultural do Estado Nacional. Afinal,  ‘somos um país para todos!’.
As Aranhas, voltadas para o mal, sem nenhuma preocupação social, e com sede de poder, organizam uma rede de tráfico de drogas, com conexões inclusive com o exterior. Aterrorizam todo o estado, o país... Alguns de seus líderes acabam sendo presos, a bem da justiça. Entretanto, muitos deles continuam a comandar  suas milícias de dentro da prisão, embora proibidos de se comunicar com o exterior. Outros conseguem ser nomeados para funções públicas onde, prioritariamente, defendem seus interesses particulares, e os dos aliados. Agindo assim, mediante ilicitudes, acumulam fortunas, se tornam ainda mais poderosos. 

O que fazer?  O problema da desigualdade continua. Obviamente nenhuma desigualdade será eliminada privilegiando os que não querem trabalhar (as Cigarras), ou que optaram por viver do crime/corrupção (as Aranhas), e ainda  aqueles que, independentemente da possibilidade, não se interessaram em se preparar para poder trabalhar, gerar riquezas. 
Para trabalhar, gerar riquezas, é necessário que o Estado promova e garanta os elementos básicos, os pilares estruturais de qualquer sociedade  bem sucedida: Educação, Saúde, Segurança, e oportunidade de Trabalho.
O tempo que passamos preocupados com as Cigarras e explorados pelas Aranhas, foi perdido? Sem dúvida, embora tenha servido para amadurecer, conscientizar a maioria que não existe ‘almoço grátis’, como se diz. Há que se estar capacitado para poder trabalhar, ser remunerado, e pagar por ele.



(JA, Jul18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,